Jornalista do mês: Milagros Costabel

por Naomi Ludlow
Mar 10, 2021 em Jornalista do mês
Costabel posando na frente de um riacho

Quando a COVID-19 chegou ao Uruguai em 2020, tudo mudou para Milagros Costabel, de 17 anos. Seus pais perderam o emprego, então ela decidiu procurar trabalho no que sabia que poderia fazer: jornalismo. Ela pulou de cabeça com pouco conhecimento sobre o que estava fazendo, mas determinada a ter sucesso.

Rejeição após rejeição, Costabel não deixou que um "não" a impedisse. Ela conseguiu sua primeira oportunidade em abril de 2020, ao escrever sobre a inacessibilidade das informações da COVID-19 para pessoas com deficiência visual para o Model View Culture.

Costabel é uma jovem repórter, mas não é apenas a idade que a diferencia na indústria: ela também é completamente cega. Embora isso signifique que ela tenha que fazer algumas coisas de forma diferente, a cegueira não impede sua capacidade de ter sucesso.

“A indústria deu capacidade a diferentes vozes de contar suas histórias”, disse ela.

Recursos como a IJNet ajudaram Costabel a continuar a desenvolver suas habilidades de jornalismo, mesmo em meio a uma pandemia. No ano passado, ela foi selecionada para participar da Youth Mediathon da Unicef, onde discutiu questões da juventude e recebeu orientação. Ela também recebeu uma bolsa do Disabled Writers para participar de cursos online através do Instituto Poynter.

Desde que ela começou, Costabel escreveu artigos para o HuffPost, The Daily Beast e Business Insider. Ela cobriu deficiências e COVID-19 e, em julho, começou a trabalhar para a revista Foreign Policy, reportando sobre política na América Latina e Estados Unidos.

[Leia mais: Dicas para focas no jornalismo durante a pandemia

 

Ao longo do ano, Costabel participou de conferências, entrevistou médicos do Uruguai e da Argentina e ajudou a cobrir as eleições presidenciais de 2020 nos Estados Unidos.

“Foi um começo para um mundo diferente do jornalismo, que eu nunca imaginei que seria capaz de acessar”, disse Costabel, acostumada a fazer reportagens principalmente sobre deficiência e ser uma voz em sua comunidade.

“Podemos e devemos reportar coisas pelas quais realmente somos apaixonados além de nossas próprias condições”, disse Costabel, “A política externa, por exemplo, sempre foi um dos meus principais campos de interesse, e enquanto eu comecei a escrever sobre deficiência --tanto reportagens quanto artigos de opinião-- também foi bom ser capaz de encontrar meu próprio nicho fora de quem eu sou.”

Não é só fundamental para jornalistas com deficiência cobrirem cada notícia, é igualmente importante que as conversas sobre deficiência não dependam apenas de jornalistas com deficiência, disse Costabel. “É importante que reportagens justas e precisas sobre a deficiência sejam o trabalho de todos: jornalistas com deficiência e sem deficiência”, disse ela.

Two photos side-by-side. On the left, Costabel is talking on a cell phone. On the right, Costabel stands in a crowd.

 

Os avanços tecnológicos têm ajudado a abrir portas para pessoas com deficiência visual. Muitas pessoas cegas ou com deficiência visual dependem de leitores de tela, que convertem o texto da tela em áudio por meio de sintetizadores de voz ou em linhas de braille.

“Me sinto sortuda por estar aqui e viver em uma era digital onde os avanços tecnológicos abriram mais portas para os deficientes visuais do que nunca”, escreveu Costabel em um artigo para o Lacuna Voices. “Mas, para pessoas como eu, a tecnologia também criou um problema próprio.”

[Leia mais: Como tornar notícias digitais mais acessíveis para públicos com deficiências]

 

Imagens e vídeos, que não têm texto, não podem ser traduzidos por leitores de tela, a menos que incluam um "texto alternativo", que fornece uma breve descrição do visual. Sem o texto alternativo, não há descrições para Costabel e outras pessoas com deficiência visual entenderem. Um meme engraçado, uma citação inspiradora ou um vídeo sem legenda podem fazer com que ela se sinta excluída, o que torna o texto alternativo fundamental para qualquer pessoa que produz conteúdo digital.

Costabel foi recentemente aceita na Universidade de Harvard e planeja estudar ciências políticas. Como a primeira pessoa de sua família a frequentar a faculdade, ela alcançou novos objetivos e continua a estabelecer outros. “Estou começando a mudar minha perspectiva do futuro e tentando perceber que tenho a oportunidade de continuar a me desenvolver no campo do jornalismo”, disse ela.

Estudar na Harvard é uma oportunidade para Costabel desenvolver suas habilidades e ajudar a alcançar seu objetivo de se tornar uma jornalista investigativa. “Acho muito gratificante poder trazer à luz as coisas ruins e ocultas do mundo e ver como isso pode instigar uma mudança positiva”, disse ela.

Para outros jovens jornalistas interessados ​​em entrar no campo, Costabel disse que é importante olhar para todas as oportunidades de desenvolver suas habilidades, por meio de reportagens e oportunidades de treinamento que surgem em seu caminho. “Não espere que as coisas aconteçam”, acrescentou ela. "Jogue-se lá e comece."


Naomi Ludlow é estagiária na IJNet.

Todas imagens cortesia de Milagros Costabel