Redes sociais no Oriente Médio: 5 chaves de seu crescimento

Apr 8, 2021 em Redes sociais
Aplicativos de redes sociais

Desde 2012, venho mapeando as tendências das mídias sociais no Oriente Médio e Norte da África, produzindo um relatório anual de todos os anos a fim de destacar os hábitos de redes sociais em evolução na região.

O último estudo foi publicado em março, analisando o uso da mídia social durante a pandemia, bem como as tendências de longo prazo.

Aqui estão as cinco conclusões principais do relatório.

(1) O Oriente Médio ama as redes sociais 

Embora o uso varie, a pesquisa da GlobalWebIndex indica que os usuários de mídia social na região mais ampla do Oriente Médio e África gastam mais de três horas e meia por dia em redes sociais.

Ao fazer isso, o tempo é dividido em vários canais diferentes. Os usuários da internet na região têm uma média de 8,4 contas de mídia social, com 10,5 contas nos Emirados Árabes Unidos — país que tem “o maior número de contas de mídia social por pessoa em todo o mundo”, relata a Forbes.

Nos três mercados mais pesquisados — Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos — o Google, WhatsApp e YouTube estão na lista das dez principais marcas do ranking das melhores marcas do YouGov em 2020. Essas marcas normalmente ficam ao lado de marcas regionais e nacionais, demonstrando altos níveis de confiança do consumidor em redes sociais e gigantes da tecnologia.  

[Leia mais: O que é Clubhouse e como jornalistas podem usá-lo?]

(2) As plataformas mais antigas continuam relevantes

Redes sociais mais novas e visualmente orientadas são populares, especialmente na região mais próspera do Golfo, onde a penetração de smartphones e a renda são maiores. No entanto, redes mais antigas — como Facebook e Twitter — permanecem muito relevantes no Norte da África e na Turquia, onde sua adesão continua a se expandir.

O Egito é o país mais populoso da região, com uma população de mais de 100 milhões, e é o nono maior mercado nacional de Facebook do mundo, com 44 milhões de usuários. A Líbia (100%), Emirados Árabes Unidos (93%) e Catar (90%) estão entre os países com os maiores níveis de alcance do Facebook, em relação à população, de acordo com dados do We Are Social e Hootsuite.

O Facebook continua a crescer em vários mercados do Norte da África. Marrocos, Argélia e Egito estão entre os dez principais mercados onde o Facebook está crescendo mais rapidamente.

Enquanto isso, Turquia (sexta), Arábia Saudita (oitava) e Egito (18ª) estão nos 20 maiores mercados para o Twitter.

A artista pop libanesa Elissa é a pessoa mais influente do mundo árabe no Twitter e a única figura árabe a entrar para uma lista dos 50 influenciadores internacionais mais poderosos na rede social, revelou um informe publicado pela Brandwatch

(3) Os hábitos das redes sociais estão redefinindo outros comportamentos

A adoção da mídia social também começou a influenciar o comportamento de outros consumidores e da mídia.

Mais de três quartos (79%) dos cidadãos árabes com idades entre 18 e 24 anos afirmam que recebem suas notícias nas redes sociais. Isso é um aumento de 25% em 2015, de acordo com a última Pesquisa de Jovens Árabes.

A mídia social também está moldando outras atividades. Os usuários no Marrocos (60%), Egito (60%), Arábia Saudita (59%), Turquia (56%), Israel (52%) e Emirados Árabes Unidos (49%) são mais propensos a usar a mídia social como parte de suas pesquisas de marcas do que a média global.

À medida que o comércio eletrônico e as compras online continuam a crescer, após o tiro no braço que receberam durante a pandemia de COVID-19, esse tipo de comportamento online só se tornará mais significativo.

[Leia mais: 5 tendências de consumo de notícias globais em gráficos]

(4) Redes visuais são muito importantes

Quatro países do Oriente Médio — Arábia Saudita, Turquia, Iraque e Egito) — estão entre os 15 maiores mercados nacionais para o Snapchat.

“Na Arábia Saudita, mais pessoas assistem ao conteúdo do Snapchat Discover todos os dias do que qualquer um dos dez principais canais de TV, tanto antes quanto durante a COVID-19”, disse Hussein Freijeh, gerente geral da Snap Inc. para a região.

A ascensão do TikTok significou que os principais influenciadores do TikTok na região do Golfo aumentaram seus seguidores em uma média de 65% entre fevereiro e agosto de 2020, com o envolvimento do usuário mais alto no Bahrein, Omã e Arábia Saudita.

Setenta por cento dos usuários de internet do Egito assistem ao YouTube diariamente. A rede lançou o YouTube Premium, um serviço de assinatura sem anúncios, no ano passado, que permite acesso off-line. Isso permite que os usuários assistam aos vídeos que baixaram, bem como à “reprodução em segundo plano”, em que o áudio continua a ser reproduzido mesmo que o usuário saia do aplicativo YouTube.

(5) A COVID-19 reforçou a importância das redes sociais

Mais da metade dos usuários da região (57%) relataram em maio que estavam gastando ainda mais tempo nas redes sociais como resultado da COVID-19.

Da mesma forma, em um estudo separado, 71% dos entrevistados no Oriente Médio relataram que o uso do WhatsApp e de outros aplicativos de mensagens aumentou desde o início da pandemia. Isso ficou atrás dos 75% dos usuários que disseram que seu consumo de mídias sociais como Facebook, Instagram, Twitter e TikTok aumentou como resultado do distanciamento social. De acordo com a PwC, que conduziu a pesquisa, esses números foram "substancialmente mais do que a média de 52% para todos os (oito outros) territórios".

Além de resultar em mais tempo nas mídias sociais, a COVID-19 também marcou a importância das redes sociais como fontes de informação. Os esforços para combater a “infodemia” criaram oportunidades para que as organizações da sociedade civil e as organizações não governamentais adotassem as redes sociais como um canal fundamental para a comunicação com o público.

No Sudão, por exemplo, o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, o Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância e a Organização Mundial da Saúde criaram alertas de WhatsApp sobre a COVID-19 em árabe e inglês para fornecer “conselhos sobre como se manter seguro, perguntas frequentes, dicas para se proteger e outros”, informa o comunicado. Enquanto isso, o Mada Center na Palestina, a Tech 4 Peace no Iraque e a Fundação Maharat, sediada no Líbano, abordaram os rumores vinculados com a COVID-19 nas redes sociais e destacaram fontes precisas de informações de saúde pública.

Os governos também se apoiaram no alcance da mídia social, usando diferentes plataformas — e trabalhando com influenciadores, como a apresentadora de TV e influenciadora jordaniana Ola Al Fares — para disseminar mensagens que podem salvar vidas.

O impacto desses esforços, e a importância da mídia social como fonte de notícias e entretenimento em toda a região, sugere que, como um canal de engajamento, a mídia social continuará a ser importante para uma ampla variedade de diferentes partes interessadas muito depois da pandemia passar.


Quer saber mais? “How The Middle East used Social Media in 2020” por Damian Radcliffe e Hadil Abuhmaid pode ser acessado gratuitamente em inglês e árabe no site da New Media Academy.

Damian Radcliffe é professor cátedra Carolyn S. Chambers de jornalismo da Universidade de Oregon, bolsista do Tow Center for Digital Journalism da Columbia University, pesquisador honorário da Faculdade de Jornalismo, Estudos de Mídia e Cultura da Universidade de Cardiff e bolsista da Sociedade Real para o Incentivo às Artes, Manufaturas e Comércio (RSA, em inglês). Ele também apresenta o podcast Demystifying Media em que ele entrevista jornalistas e estudiosos da mídia sobre o ofício do jornalismo. Siga-o no Twitter @damianradcliffe.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Rahul Chakraborty


Leia mais artigos de

Freelance writer

Damian Radcliffe

Damian Radcliffe is the Carolyn S. Chambers Professor in Journalism at the University of Oregon, a fellow of the Tow Center for Digital Journalism at Columbia University, an honorary research fellow at Cardiff University’s School of Journalism, Media and Culture Studies, and a fellow of the Royal Society for the Encouragement of Arts, Manufactures and Commerce (RSA).