5 tendências de mídia social no Oriente Médio

porTaylor Mulcahey
Feb 22, 2020 em Redes sociais
Apps

As mídias sociais são parte integrante da vida global e, com o tempo, os hábitos online dos usuários mudam e evoluem. Nos últimos oito anos, o professor Damian Radcliffe, da Universidade de Oregon (UO), pesquisou as tendências no Oriente Médio e Norte da África e recentemente publicou seu relatório anual.

O relatório deste ano, “Mídias sociais no Oriente Médio: 2019 em revisão” (em inglês), que é co-escrito com o aluno de doutorado da UO Hadil Abuhmaid, oferece informações para jornalistas e outros profissionais de mídia de todo o mundo interessados em alcançar ou expandir seus público na região.

Resumimos as cinco lições principais do relatório, disponível gratuitamente no Scholars' Bank da Universidade de Oregon, ScribdSlideShare do LinkedIn, Academia.edu e ResearchGate.

(1) O uso de mídias sociais no Oriente Médio continua a crescer.

De acordo com a 11ª Pesquisa Anual da Juventude Árabe, nove em cada dez jovens usam pelo menos uma plataforma de mídia social todos os dias e, mais frequentemente do que antes, o fazem por telefone. Dados da GSM Association mostram que a mídia social móvel na região dobrou nos últimos cinco anos, atingindo agora 44%.

As plataformas que os usuários de mídia social usam na região passam a diferir muito de país para país, mas o Facebook continua a encontrar um público grande e crescente. Com 38 milhões de usuários por dia, o Egito é o maior mercado do Facebook na região.

(2) O uso do Twitter diminuiu na região.

Embora muitas pessoas considerassem o Twitter a mídia social mais popular da região, especialmente durante as manifestações da “Primavera Árabe” de 2011, o uso da plataforma diminuiu nos anos seguintes. Desde 2013, o uso do Twitter foi reduzido quase pela metade em toda a região. Segundo a Northwestern University, no Catar, 45% dos usuários da internet participaram da rede em 2013 e agora esse número é de apenas 22%.

No entanto, nem todo mundo se afastou do Twitter. A Arábia Saudita e Turquia são o quinto e sexto maiores mercados do Twitter no mundo.

[Leia mais: 5 dicas para jornalistas no Facebook]

(3) O Facebook e o Twitter reprimiram o uso indevido.

As mídias sociais, como qualquer tecnologia, podem ser armadas para apoiar certas ideologias e punir outras. Em 2019, essa tendência continuou, com agentes estatais e terroristas usando as principais plataformas para manipular seu público com campanhas de desinformação.

“Um maior escrutínio por parte dos proprietários de plataformas resultou no Facebook, Twitter e Telegram, cada um fechando centenas de contas em 2019 devido ao uso inadequado por agentes patrocinados pelo Estado e grupos terroristas”, escreveu Radcliffe.

(4) As redes sociais que dão prioridade ao visual ganharam popularidade.

Em 2019, as redes sociais que dependem de conteúdo visual continuaram a crescer na região. Por exemplo, o Instagram, que conta com fotos, tem 63 milhões de usuários no Oriente Médio. A Turquia é o sexto maior mercado do Instagram no mundo, enquanto o Kuwait, Bahrain e Israel também têm uma grande porcentagem de usuários do Instagram.

O Snapchat também possui uma grande base de usuários na região. A Arábia Saudita e Turquia são o sexto e o décimo maiores mercados do mundo, respectivamente.

[Leia mais: 7 aplicativos para editar fotografias]

(5) O YouTube é extremamente popular, especialmente para públicos específicos.

O YouTube possui conteúdo de vídeo para praticamente qualquer pessoa, e dois grupos dominam as visualizações na região: mães e geração do milênio. Na região, 60% dos espectadores do YouTube são millennials; isso aumenta para 77% no Egito, segundo o Google. Pais também usam o YouTube para se relacionar com seus filhos assistindo ao conteúdo juntos e para obter ideias ao lidar com decisões difíceis sobre criação de filhos.

Não há dúvida de que o vídeo social continuará aumentando. Por enquanto, porém, o YouTube reina no Oriente Médio e no Norte da África, especialmente durante o Ramadã, quando a audiência de dramas de TV e novelas geralmente aumenta em mais de 150%.


Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Szabo Viktor