5 tendências de consumo de notícias globais em gráficos

porDamian Radcliffe
Sep 7, 2020 em Jornalismo digital
Usando o Twitter em um telefone celular

Para qualquer pessoa interessada em entender as atitudes e hábitos do público de notícias, o Relatório Anual de Notícias Digitais do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo da Universidade de Oxford é uma leitura obrigatória.

O estudo deste ano, é claro, se desenrola no contexto da crise do coronavírus, um desenvolvimento que o relatório diz ser "quase certo que será um catalisador para mais cortes de custos, consolidação e mudanças ainda mais rápidas nos modelos de negócios".

No entanto, apesar da incerteza que a COVID-19 gerou, muitas das tendências compartilhadas no relatório são anteriores à pandemia. E seus efeitos continuarão a ser sentidos quando sairmos do outro lado também. Como resultado, essas tendências são muito grandes para jornalistas e veículos de comunicação ignorarem.

Aqui estão cinco tendências essenciais -- com base em uma pesquisa com mais de 80.000 consumidores de notícias digitais em 40 mercados -- que você precisa saber.

(1) A Noruega é líder global no pagamento de notícias digitais

Dados coletados em janeiro de 2020 mostram que mais pessoas estão pagando por notícias online, e a Noruega é o melhor exemplo. Mais de quatro em cada dez (42%) entrevistados no país pagaram por notícias online em algum momento do ano passado. Outros mercados, incluindo partes da Europa, América Latina, Ásia e Estados Unidos, também viram um aumento.

Ao mesmo tempo, como os autores do relatório nos lembram, “É importante observar que em todos os países a maioria das pessoas ainda não paga por notícias online, mesmo que alguns editores tenham relatado uma 'aumento por causa do coronavírus’”.

 

Chart 1
Você pagou por conteúdo de notícias ONLINE ou acessou um serviço pago de notícias ONLINE no ano passado? Base: amostra total em cada mercado = 2.000.

[Leia mais: Audiência alta mantém saldo positivo enquanto publicidade desaparece em tempos de COVID-19]

(2) A confiança na mídia é menor na França e na Coreia do Sul

“Conforme o coronavírus atingiu, observamos níveis gerais de confiança nas notícias em seu ponto mais baixo desde que começamos a acompanhar esses dados”, diz o relatório.

Globalmente, menos de quatro em cada dez (38%) consumidores de notícias disseram que confiam na "maioria dos [veículos] de notícias na maior parte do tempo".

O número é um pouco mais alto quando perguntamos sobre canais de notícias específicos que os próprios consumidores usam -- em vez do ecossistema de notícias mais amplo. No entanto, menos da metade (46%) dos consumidores de notícias digitais disseram que confiam nas notícias que usam.

Embora a confiança na pesquisa (32%) e nas redes sociais (22%) seja ainda menor, essa conclusão deve fazer com que jornalistas e produtores de notícias parem para pensar.

Apenas seis países -- Finlândia (56%), Portugal (56%), Turquia (55), Holanda (52%), Brasil (51%) e Quênia (50%) -- desfrutam de níveis de confiança acima de 50%. Os níveis de confiança são mais baixos em Taiwan (24%), França (23%) e Coréia do Sul (21%).

Chart 2

(3) A mídia social é a principal fonte de preocupação com a desinformação

Mesmo que os níveis de confiança na mídia de notícias sejam baixos (especialmente devido ao fato de que os entrevistados são consumidores de notícias, em vez do público em geral), o estudo descobriu que os usuários estão muito mais preocupados com as redes sociais como fontes de desinformação do que com os veículos de notícias.

Em toda a amostra, 40% expressaram preocupação com o fato de informações falsas ou enganosas serem encontradas nas redes sociais, contra 20% expressando preocupação com sites de notícias e aplicativos.

Refletindo diferentes hábitos da mídia de notícias ao redor do mundo, em todos os países o Facebook (29%), seguido pelo YouTube (6%) e Twitter (5%), foram as principais fontes de preocupação com informações falsas ou enganosas.

Porém, em países como Brasil, Chile, México, Malásia e Cingapura, onde a adoção do WhatsApp tende a ser maior, o serviço de mensagens lidera em níveis de preocupação.

Como o estudo nos lembra, “Esta é uma preocupação particular porque informações falsas tendem a ser menos visíveis e podem ser mais difíceis de combater nessas redes privadas e criptografadas.”

Chart 3
Com qual das seguintes opções, se houver, você está mais preocupado online? Por favor escolha um. Informações falsas ou enganosas de… Base: Amostra total em cada mercado = 2.000; Taiwan = 1027.

[Leia mais: Como WhatsApp pode colaborar com jornalistas para combater desinformação]

(4) YouTube, WhatsApp e Instagram são as fontes de notícias sociais de crescimento mais rápido

Entre a amostra de mais de 80.000 consumidores de notícias digitais em todo o mundo, o Facebook (63%) e o YouTube (61%) continuam sendo as redes sociais mais usadas semanalmente, com o WhatsApp (33%) em terceiro lugar. O Twitter (23%) está em sexto lugar, atrás do Facebook Messenger (28%) e do Instagram (36%). Os dados são um lembrete útil de que os hábitos de mídia social dos jornalistas não refletem necessariamente os da população em geral.

Esse sentimento é ainda mais aplicável quando se examina como os consumidores usam as redes sociais para obter notícias.

Em 12 mercados principais, o Facebook lidera (36%), mas o YouTube (21%) está em segundo lugar, cinco pontos percentuais à frente do WhatsApp. Isso sugere, talvez, que algumas organizações de notícias precisam dar ao canal de vídeo uma prioridade maior na distribuição de seus trabalhos.

O formato “Histórias” pode ser mais um motivador para o uso de redes sociais como o Instagram para notícias. No Brasil, o Instagram já é consideravelmente mais popular (30%) para notícias do que o Twitter (17%). O Chile (28%) também tem uma alta adoção do Instagram para notícias.

Chart 4
Qual dos seguintes itens você usou com algum propósito na semana passada? Por favor selecione tudo que se aplica. Base: "Principal" 12 média de mercado: Reino Unido, EUA, Alemanha, França, Espanha, Itália, Irlanda, Dinamarca, Finlândia, Austrália, Brasil e Japão (média de mercado dez para 2014, exceto Austrália e Irlanda)

(5) Poucos consumidores acessam as marcas de notícias diretamente

As marcas de notícias e os jornalistas que trabalham para elas precisam continuar a implantar uma série de táticas para fazer seu conteúdo chegar ao público. Isso é especialmente verdadeiro para o público mais jovem.

A amostra da Reuters revelou que apenas 16% dos consumidores de notícias da Geração Z disseram que ir diretamente para uma marca de notícias era a principal forma de acessar notícias online. Em vez disso, outros canais, como mídia social e pesquisa, foram mais populares.

Ao todo, notificações push, alertas móveis, agregadores e e-mail também explicam como mais de um em cada cinco (21%) jovens consumidores encontram as notícias.

Com 72% de todos os consumidores de notícias dizendo que descobrem notícias por meios diferentes de um site ou aplicativo de notícias específico, isso reitera a importância de distribuir seu conteúdo em uma variedade de canais diferentes, à medida que o público se torna cada vez mais agnóstico quanto à marca.

Chart 5

O Relatório de Notícias Digitais 2020 chega em um momento difícil para jornalistas e para a indústria de notícias. Sabemos que a COVID-19 está tendo um grande impacto nos modelos de negócios, na prática do jornalismo e em nossos hábitos de mídia mais amplos.

No entanto, na verdade, o coronavírus torna ainda mais importante que a mudança de hábitos de notícias -- incluindo “mudanças na forma como as pessoas acessam as notícias, baixa confiança e crescente preocupação sobre desinformação” -- sejam abordadas.

É mais importante do que nunca compreender os comportamentos e hábitos do público, em uma base de mercado. Clique aqui para saber mais.

Damian Radcliffe é professor cátedra Carolyn S. Chambers de jornalismo da Universidade de Oregon, bolsista do Tow Center for Digital Journalism da Columbia University, pesquisador honorário da Faculdade de Jornalismo, Estudos de Mídia e Cultura da Universidade de Cardiff e bolsista da Sociedade Real para o Incentivo às Artes, Manufaturas e Comércio (RSA, em inglês). Ele também apresenta o podcast Demystifying Media em que ele entrevista jornalistas e estudiosos da mídia sobre o ofício do jornalismo. Siga-o no Twitter @damianradcliffe.