O que é Clubhouse e como jornalistas podem usá-lo?

por Natasha Tynes
Mar 6, 2021 em Redes sociais
Telefone com o aplicativo Clubhouse na tela

Você não precisa mais escrever ou compartilhar imagens para atingir um grande público: agora, você pode apenas falar. O áudio é a mais recente novidade quando se trata de mídia social. O Twitter lançou o Twitter Spaces e o Facebook também está supostamente trabalhando em um aplicativo de bate-papo semelhante. Mas, hoje em dia, quem está dominando as manchetes é o Clubhouse, que convida os usuários do iPhone a entrar em salas de bate-papo de sua escolha e se envolver em conversas sobre tudo e mais alguma coisa.

O Clubhouse foi lançado em março de 2020 e já causou muita agitação. O que começou como um grupo exclusivo do pessoal do Vale do Silício expandiu-se para incluir famosos como Elon Musk da Tesla, Mark Zuckerberg e Drake do Facebook. O aplicativo já teve quase três milhões de downloads desde o primeiro dia do ano, de acordo com a Apptopia. 

“O interesse e o apetite por aplicativos de bate-papo com áudio estão ganhando força”, disse Matt Navarra, consultor de mídia social e ex-gerente de mídia social do thenextweb.com. “É difícil dizer quanto interesse é amplificado ou impulsionado pelo lockdown e pela cultura do home office e pela demanda por novos conteúdos.”

O Clubhouse atualmente é apenas para convidados, o que significa que você precisa ser convidado por um membro atual, que recebe apenas alguns convites. Isso levou alguns usuários a vender seus convites extras em sites como o eBay — alguns por milhares de dólares.

Quando os usuários abrem o aplicativo Clubhouse, eles escolhem entre várias salas. Em cada sala há um “palco” dirigido por moderadores, e um público que pode levantar as mãos para participar e obter permissão dos moderadores para falar. Os membros da audiência também podem sair silenciosamente a qualquer hora que desejarem, permitindo pular de sala em sala facilmente.

As empresas de mídia estão acompanhando de perto a ascensão do Clubhouse. De acordo com o New York Times, o site Barstool Sports abriu uma conta no Clubhouse e a empresa de comunicações e relações públicas Battenhall está contratando um executivo sênior de Clubhouse

[Leia mais: Sua redação quer embarcar no TikTok? Leia estas dicas]

 

De acordo com Navarra, o Clubhouse pode ser uma ótima ferramenta para jornalistas: tanto para coletar histórias quanto para reportar. Se você conseguir um convite, ele sugere começar espreitando pelas salas para se familiarizar. “Aprenda como as pessoas usam esses aplicativos e as normas de etiqueta em evolução que estão sendo adotadas ao participar de chats de áudio”, disse ele.

Quando você estiver pronto para começar a usar o aplicativo para suas reportagens, é fundamental que você seja aberto e transparente sobre seu trabalho e as maneiras como planeja usar as conversas que participa ou ouve. 

Para começar, Navarra compartilhou com a IJNet maneiras como os jornalistas podem usar o Clubhouse para escrever melhores matérias:

●      Aprofunde-se em um tópico e identifique as fontes.

Uma forma de usar o Clubhouse é hospedar uma sala para discutir o assunto de sua reportagem, convidando especialistas ou pessoas impactadas pelo assunto. Você também pode pesquisar e ingressar em salas que tenham discussões sobre incidentes ou tópicos específicos relacionados a sua reportagem. Se ouvir algo que esteja interessado em usar na matéria, você precisará entrar em contato com aqueles que deseja citar para obter permissão ou informações adicionais. 

●      Aprenda sobre a percepção do público sobre um tópico e crie estudos de caso.

Às vezes, um jornalista tuíta ou adiciona uma linha em uma história pedindo que as pessoas compartilhem suas próprias experiências sobre um tópico. Você poderia usar o Clubhouse de maneira semelhante, criando uma sala de bate-papo com áudio para discutir um tópico com mais detalhes, que poderia ser usado para obter uma visão sobre como o público em geral se sente sobre um tópico e para identificar estudos de caso para acompanhamento.

  •   Organize eventos de acompanhamento exclusivos para matérias populares.

Para matérias populares, você ou seu editor podem criar sessões de acompanhamento exclusivas para os leitores participarem. Essas sessões podem apresentar especialistas, pessoas envolvidas na matéria e/ou figuras públicas conhecidas com uma visão sobre a história. Essas sessões podem estender a vida útil do conteúdo e ajudar a expandir a reportagem para uma matéria de acompanhamento. Essas salas podem ser uma vantagem exclusiva para assinantes com acesso pago, se você estiver procurando por novas receitas.

●      Convide pessoas-chave para conversar livremente sobre um tópico, sabendo que um repórter está fazendo anotações para fins de reportagem.

O jornalista Will Ormeus do One Zero recentemente se juntou a Navarra e sua equipe em uma sala do Clubhouse. “Ele a usou para ajudar a compreender como a plataforma funcionava e buscou nossas opiniões sobre como o aplicativo funcionava, bem como seu potencial futuro”, disse Navarra.

Apesar de seu potencial, o aplicativo também apresenta algumas armadilhas. Em um tuíte, que excluiu mais tarde, a jornalista de tecnologia do New York Times Taylor Lorenz disse que foi atacada verbalmente por capitalistas de risco e outras pessoas da indústria de tecnologia no Clubhouse.

[Leia mais: Entrevista com Craig Silverman: Desinformação, deepfakes e democracia]

 

Em um post no Medium, Lorenz pediu aos usuários que enviassem mensagens a ela se testemunharem assédio, desinformação ou golpes no Clubhouse.

“No momento, é difícil administrar esse risco, pois há ferramentas ou recursos limitados no Clubhouse para administrar o assédio”, disse Navarra. Se você está preocupado com o assédio, especialmente quando está lidando com assuntos delicados, Navarra sugeriu criar sua própria sala e convidar as pessoas para a discussão para que você possa aproveitar essas ferramentas de moderação. 

Outra preocupação de jornalistas e outros profissionais da mídia é o potencial para a desinformação se espalhar facilmente e sem ser detectada no aplicativo. Cristina Tardáguila, diretora associada da International Fact-Checking Network, escreveu em um artigo para Poynter que o design atual do Clubhouse torna mais difícil para os verificadores de fatos verificarem a precisão das informações, uma vez que não há atualmente nenhum recurso que salve postagens antigas ou arquivos de áudio e os usuários não podem gravar conversas.

“A falta desses recursos criará barreiras para checadores de fatos”, escreveu Tardáguila. “Não será apenas difícil escolher em qual clube ingressar, mas o Clubhouse também exige que os checadores de fatos ouçam horas e horas de conversas antes de selecionar quais afirmações devem ser avaliadas.”


Natasha Tynes é fundadora do Suburban Media Group e profissional veterana em comunicações com mais de 20 anos de experiência em comunicações digitais. Seu trabalho apareceu no Washington Post, Elle Magazine, Nature Magazine, The Huffington Post, revista Esquire, Aljazeera e outros.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Erin Kwon