Quase 500 jornalistas morreram de COVID-19 em todo o mundo

porRowan Philp
Dec 2, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Porta entreaberta mostrando pessoa vestida com jaleco e touca em hospital na República Dominicana

Em maio, quando a pandemia de COVID-19 estava ganhando força e se espalhando pelo mundo, demos uma olhada no alto índice de jornalistas na crise. Assim como os profissionais de saúde, cuidadores e outros profissionais essenciais, jornalistas enfrentam riscos elevados ao cobrirem histórias sobre a pandemia.

Encontramos a Press Emblem Campaign (PEC), uma organização sem fins lucrativos focada na liberdade de imprensa e segurança do jornalista, que tentava rastrear mortes confirmadas relacionadas à COVID-19 entre jornalistas em todo o mundo. Em 5 de maio, o PEC registrou 64 mortes em 24 países, um número que diz ser certamente uma contagem inferior.

Verificamos o PEC esta semana para ver seus dados mais recentes.

Os números são bastante sombrios: em 15 de novembro, o número de jornalistas havia subido para pelo menos 462 jornalistas perdidos para a COVID-19 em 56 países - um aumento de mais de sete vezes. Desde então, o número total de mortes por pandemia em todo o mundo aumentou cinco vezes, de acordo com o Centro de Recurso sobre Coronavírus da Johns Hopkins.

Award-winning crime reporter Prabir Kumar Pradhan
O premiado repórter policial Prabir Kumar Pradhan, da TV indiana News18 Odia, tinha apenas 35 anos quando morreu de COVID-19 no início de novembro. Imagem: print da tela.

 

Os países latino-americanos respondem por mais da metade da contagem das mortes de jornalistas, com um aumento recente atingindo a Índia e Bangladesh.

Enquanto isso, o PEC descobriu que as mortes mais recentes envolvem repórteres com menos de 60 anos. Um grupo de jornalismo em Bangladesh disse ao GIJN que um medo crescente de demissões significa que muitos repórteres estão correndo riscos adicionais de infecção, incluindo congregação em redações que não existiam. alterado para distanciamento social.

[Leia mais: Dicas de proteção para jornalistas durante a cobertura sobre COVID-19]

 

Em uma entrevista à GIJN, Blaise Lempen, secretário-geral do PEC, disse que o número verdadeiro era provavelmente muito maior do que 462, já que os pesquisadores se limitaram a casos oficialmente confirmados como relacionados ao vírus, por meio de testes ou certificação.

A contagem mostra que a comunidade jornalística do Peru foi a mais atingida, com 93 mortes de repórteres, seguida pela Índia com 47, Equador com 41 e Brasil com 36.

“Por região, a América Latina lidera de longe com mais da metade das vítimas, ou 251 mortes”, disse Lempen. “Milhares de repórteres foram infectados com o vírus, e a morte de mais de 450 trabalhadores da mídia em um período de meses é uma perda sem precedentes para a profissão.”

“Tememos que haverá mais de 100 vítimas até o final do ano”, acrescentou Lempen. “Mas em alguns países, como [os] na Europa, os jornalistas agora aprenderam a tomar os cuidados essenciais, como usar máscara, manter distância, evitar contatos diretos e viagens, e vimos uma diminuição de vítimas entre eles.”

Um grupo de jornalismo em Bangladesh — Our Media, Our Rights — está atualizando regularmente uma contagem de casos COVID-19 entre repórteres neste painel de mídia social (acima).

Lempen disse que a Índia e Bangladesh sofreram um forte aumento nas mortes de repórteres nos últimos meses em comparação com a primeira metade da pandemia, mas observou que as taxas de mortalidade permaneceram muito piores em vários países latino-americanos, devido ao tamanho menor de sua população em comparação com a Índia e Bangladesh.

“O que me surpreende é que, ao contrário da crença comum, muitos jornalistas morreram relativamente jovens”, disse ele. “Desde o início de outubro, mais da metade desses jornalistas tinha menos de 60 anos — na casa dos 40 ou 50 anos — segundo nossa contagem. É sempre difícil saber a origem da infecção, mas muitos foram infectados no trabalho.”

[Leia mais: Protocolos de segurança para freelancers em tempos de COVID-19]

 

Perfis individuais na página de homenagem do Poynter Institute enfatizam a juventude de muitas vítimas jornalísticas recentes.

O PEC registrou 35 mortes de repórteres em Bangladesh. Além disso, o grupo de jornalismo Our Media, Our Rights contabilizou 1.010 infecções por COVID-19 de 191 empresas de comunicação em Bangladesh, bem como 942 recuperações.

“Eu conheci muitos dos jornalistas que morreram”, disse Ahammad Foyez, que é o coordenador do Our Media, Our Rights e correspondente sênior da equipe do jornal New Age de Dhaka.

Foyez teme que as crescentes pressões econômicas — incluindo o medo de demissões — estejam forçando os repórteres a correrem maiores riscos de infecção tanto na rua quanto nas redações.

“Um grande número de jornalistas está frequentando seus escritórios para garantir seus empregos, pois um grande número de profissionais da mídia perdeu seus empregos durante a pandemia”, disse ele. “Alguns estão fazendo trabalho de escritório, mesmo quando os colegas lá tiveram resultados positivos para COVID-19. As agências de mídia devem estabelecer diretrizes imediatamente sobre como cobrir os eventos e a disposição dos assentos nos escritórios.”

“Tudo isso é trágico”, disse Lempen sobre a perda humana, mas apontou a morte do apresentador de TV boliviano Marcos Montero em 30 de setembro como um símbolo do que a indústria sofreu.

Após seu diagnóstico em 25 de maio, jornalistas bolivianos protestaram com apelos públicos por plasma para Montero. “Ele morreu após uma luta de quatro meses com o vírus”, disse Lempen.

A atitude de alguns líderes políticos só piora a situação, disse Lempen dando como exemplo os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos: “Lamento pessoalmente que líderes políticos como Donald Trump ou Jair Bolsonaro sejam tão alheios que colocam em perigo os jornalistas com quem falam."


Este artigo foi publicado originalmente pela Global Investigative Journalism Network (GIJN) e republicado com permissão.

Rowan Philp é repórter do GIJN. Rowan foi repórter-chefe do Sunday Times da África do Sul. Como correspondente estrangeiro, ele cobriu notícias, política, corrupção e conflito em mais de duas dezenas de países ao redor do mundo.

Imagem sob licença CC no Unsplash via SJ Obji