Melhores práticas de proteção e segurança para jornalista freelance

porLucía Ballon-Becerra
Dec 2, 2020 em Segurança do jornalista
Logo do webinar

Este é o segundo webinar de nossa série "Freelance Hacks". O resumo do primeiro webinar, sobre como conciliar o trabalho corporativo com o jornalismo, pode ser encontrado aqui.

A pandemia de COVID-19 colocou as questões de segurança em primeiro plano para jornalistas em 2020. Enquanto cobrem o novo coronavírus, repórteres e editores têm a tarefa de analisar os riscos à saúde e à segurança que acompanham sua cobertura.

Como os jornalistas freelance garantem que suas preocupações com segurança recebam o apoio necessário das redações? Como podem continuar a fazer isso, enquanto a pandemia se prolonga?

Como parte de nossa série "Freelance Hacks", realizada em parceria com o Hackpack, falamos com o fotojornalista freelance Christian Monterrosa, a jornalista freelance Aliya Bashir e a diretora executiva da ACOS Alliance Elisabet Cantenys para discutir como as considerações de segurança para freelancers evoluíram como resultado da pandemia. Os painelistas também ofereceram dicas para navegar no treinamento de segurança e recursos disponíveis para freelancers.

 

 

Aqui estão alguns pontos importantes e conclusões da conversa:

Sobre as principais preocupações de segurança dos jornalistas e como evoluíram durante a pandemia

Monterrosa: A incerteza por trás do vírus e de não saber o quão infeccioso era nos primeiros meses foi uma preocupação especial. Tive de aprender um novo fluxo de trabalho com a COVID em mente, como levar roupas extras, mudar constantemente de máscaras e desinfetar as mãos.

Questões que cobri no passado, como incêndios florestais e conflitos civis, já carregavam um elemento de perigo, mas agora estão associados ao risco de me expor ao vírus. Cobrir protestos, por exemplo, gera mais ansiedade.

Cantenys: A pandemia mudou nossas perspectivas. Antes, a segurança só era relevante para aqueles que cobriam áreas de conflito ou zonas de guerra. Na verdade, muitos jornalistas que cobriam a pandemia logo no início abordaram suas reportagens da mesma forma que fariam a cobertura de uma zona de guerra. Agora, embora os jornalistas enfrentem vários níveis de ameaça, dependendo de onde estão baseados e das histórias que cobrem, tomar medidas de segurança adequadas está no topo das prioridades.

[Leia mais: Dicas de proteção para jornalistas durante a cobertura sobre COVID-19]

Sobre a comunicação de questões de segurança aos editores

Bashir: Como freelancer, você está sempre mais vulnerável devido à falta de infraestrutura, equipes de segurança e suporte logístico. Os editores com quem tenho trabalhado estão em sua maioria baseados no Ocidente, o que significa que eles não conhecem os perigos e as nuances locais do país que eu estava cobrindo. Por exemplo, suas recomendações sobre o ângulo da história exigiriam entrevistas pessoais, o que não era possível durante os primeiros meses de contágio. Mas, quando eu recorria a entrevistas remotas, isso não atendia às expectativas do editor.

Da perspectiva deles, a preocupação era conseguir uma história, então tomei uma decisão pessoal de avaliar se deveria ou não reportar pessoalmente.

Monterrosa: É importante fazer uma análise de custo-benefício e até mesmo exigir o pagamento de riscos ou outras proteções do editor. Mais recentemente, vi mais editores procurarem garantir que tenho o equipamento adequado ou para ver se eles podem me fornecer algum. Embora esse nível de preocupação ainda seja raro e não seja a norma, o nível de esforço melhorou.

Sobre recomendações para editores que gerenciam freelancers

Cantenys: Na ACOS Alliance, desenvolvemos os protocolos de segurança da COVID-19, que visam encorajar editores e gerentes de notícias que não adotaram medidas de segurança. Esses documentos ressaltam a importância do planejamento de segurança, além de definir a discussão sobre EPI e considerações de segurança entre editores e freelancers como pré-requisito no jornalismo profissional.

Sobre freelancers que podem se sentir pressionados financeira ou profissionalmente a aceitar uma reportagem

Bashir: Eu acho que é uma decisão muito pessoal e você tem que fazer um julgamento. Converse com os editores sobre suas preocupações; Acho que comunicar suas preocupações aos editores é a chave. Temos que tomar todas as precauções necessárias.

Cantenys: Não devemos permitir que organizações de notícias terceirizem suas responsabilidades trabalhando com freelancers. Essa responsabilidade começa com o freelancer: inicie uma conversa honesta com o editor, mas também convide o editor a examinar algumas recomendações de melhores práticas padrão.

[Leia mais: Pandemia afeta freelancers com suspensão de pautas e corte de verbas]

Sobre dicas de treinamento de segurança

Monterrosa: Eu participei dos cursos de primeiros socorros e conflitos civis da ACOS Alliance, que mudaram para um ambiente virtual. É um pouco desafiador não receber treinamento prático, mas os cursos ainda oferecem muito conhecimento útil.

Eu também passei por um treinamento de três meses na academia de incêndios florestais para me familiarizar com o desenvolvimento do incêndio florestal, táticas de supressão e segurança de primeiros socorros. 

Bashir: Em 2016, eu fiz um treinamento de primeiros socorros para ambientes hostis oferecido pela International Women’s Media Foundation. Este treinamento me proporcionou experiência em primeira mão no processo de planejamento: preparação de avaliações de risco, primeiros socorros de emergência, segurança pessoal, autodefesa e segurança em viagens. Também participei de um treinamento semelhante que a ACOS ofereceu em parceria com o New York Times e o Pulitzer Center em 2017, que me ajudou a me preparar para situações perigosas passando por uma série de cenários de simulação.

Cantenys: O mais importante ao considerar quais treinamentos e recursos buscar é entender seu perfil jornalístico e onde você quer ir com sua carreira. Com base nesse perfil, você pode avaliar que tipo de consciência situacional você precisa e quais cenários de crise em potencial você pode enfrentar. A ACOS Alliance oferece cursos intensivos de três a seis dias que preparam jornalistas para cenários de alto risco e ameaças, como sequestro. 

Sobre reportagem de campo

Bashir: Sempre levo meu parceiro quando viajo porque me ajuda a me sentir mais segura. Sabemos que o distanciamento social é importante, então também tento evitar entrevistas internas ou lugares onde possa me sentir vulnerável. Só temos que tentar o nosso melhor para calcular os riscos e planejar adequadamente as medidas de segurança, porque no final do dia nenhuma história vale uma vida.

Monterrosa: Pela minha experiência, recomendo não ir sozinho para a reportagem. Neste ponto, construí uma base de pessoas em quem confio em ambientes ameaçadores. Criamos sinais manuais básicos para comunicar quando as coisas parecem erradas, se detectarmos um indivíduo carregando uma arma ou se for a hora de usar um capacete, por exemplo.

A construção de relacionamentos é muito importante. Não precisamos ser moscas na parede. Estabelecer um relacionamento com as pessoas no local me salvou muitas vezes, especialmente agora que estamos vendo uma hostilidade crescente em relação aos jornalistas.

Cantenys: Antes de ir para a reportagem, implemente uma avaliação de risco e considere as ameaças que você pode encontrar para cada tarefa específica. Em seguida, comece a visualizar diferentes cenários e prepare um plano para todas essas eventualidades.

Recursos mencionados durante o webinar


Lucía Ballon-Becerra é assistente de programa do ICFJ.