Dicas para conciliar trabalho cooperativo com jornalismo

porHackPack
Nov 16, 2020 em Freelance
Microfone e filtro pop, com o texto "FreelanceHacks: Juggling comercial work with journalism"

Existem muitos tabus e questões éticas pairando sobre os jornalistas quando eles ponderam se aceitam um trabalho corporativo ou comercial. Para tornar as coisas mais complicadas, os clientes corporativos tendem a ter expectativas diferentes das dos veículos de comunicação.

Apesar disso, o impacto da COVID-19 no mercado tornou necessário fazer malabarismos entre projetos corporativos e matérias jornalísticas.

Para ajudar você a navegar nesta tempestade, a IJNet e o HackPack se uniram para apresentar um webinar com Marc Meier Lauren Razavi. Eles compartilharam suas experiências transitando entre esses dois mundos.

 

Aqui estão as principais lições que aprendemos:

1) Como vocês conseguiram trabalhos corporativos?

Lauren: As plataformas digitais foram absolutamente vitais para me ajudar a entender quais eram as oportunidades. No início, eu não sabia muito bem o que estava acontecendo, mas me registrei em várias plataformas digitais e vários clientes corporativos me procuraram. Descobri que o dinheiro era bom e o trabalho interessante e simplesmente fui em frente. Foi uma grande revelação para mim colocar um perfil nessas plataformas digitais e receber um monte de clientes corporativos.

Marc: Eu estava voltado para o trabalho de documentário, mas depois que as finanças da universidade ficaram difíceis, comecei a procurar qualquer tipo de trabalho que envolvesse fazer filmes.

Eu fiz alguns vídeos grátis no começo para construir um portfólio, comecei a fazer contatos, então alguém se lembrou de mim e me chamou de volta para um projeto maior. Tudo cresceu organicamente a partir daí.

[Leia mais: Como os jornalistas encontram suas ideias de pautas?]

2) Como os trabalhos corporativos diferem dos trabalhos jornalísticos?

Marc: O jornalismo e o mundo corporativo têm grandes expectativas de qualidade, mas acho que eles se concentram em aspectos diferentes. Na comunicação visual de marcas, imagem e som devem ser quase perfeitos. Enquanto o videojornalismo se concentra na história e esta tem prioridade sobre a filmagem com perfeição.

Lauren: Uma das grandes desvantagens do trabalho corporativo são os vários níveis de aprovação pelos quais tudo deve passar. Muitas partes interessadas adicionam edições ao seu documento, mas não têm formação editorial ou nunca tiveram uma compreensão clara do que o feedback deve realizar.

Portanto, o produto final nem sempre é tão claro quanto poderia ser por causa desse processo editorial. No entanto, na mídia, você está trabalhando muito mais duro, por muito mais tempo e ganhando muito menos. Portanto, existem compensações.

3) Vocês viam o trabalho em projetos corporativos como tabu?

Marc: Eu me senti um vendido quando saí da faculdade. Meus amigos zombaram de mim porque criei um documentário inflamado sobre o mundo corporativo na universidade. No final, você só precisa descobrir o que é melhor para você e como pode pagar suas contas. Além disso, aprendi muito, como ter calma e habilidade de comunicação positiva.

Lauren: Eu acho que é muito redutor pensar em termos de ser "vendido". Se você quer ser um profissional criativo hoje em dia, também deve ser um empreendedor muito capaz. É importante ser franco e realista consigo mesmo sobre isso.

[Leia mais: Erros comuns de jornalistas ao enviar sugestões de pauta]

4) Como você decide que organizações trabalhar?

Lauren: É importante encontrar um equilíbrio entre satisfação, reputação e dinheiro. Quem quer que eu trabalhe tem que se adequar à minha própria bússola moral e eu tenho que apoiar sua missão.

5) O que acontece se um cliente o pressiona para trabalhar mais e mais?

Marc: Conheça o seu valor. Eu valho uma determinada quantia de dinheiro pelo meu tempo. Depois de irmos além disso, eu escrevo um e-mail gentil, informando que podemos expandir além do escopo original, mas isso significa que teremos que aumentar o preço. Normalmente eles concordam. Às vezes, eles decidem que estão satisfeitos com o produto existente.

Lauren: Trabalhar é construir relacionamentos. Se você quiser manter o cliente, o relacionamento deve vir em primeiro lugar. O que significa que não existem regras gerais. Porém, para evitar a maioria dos problemas, estabeleça suas taxas com antecedência e por escrito e quaisquer custos adicionais além do escopo original do trabalho. Em seguida, peça ao cliente que confirme por escrito.

6) Você lidou com questões de conflito de interesses?

Lauren: Eu acho que quando você trabalha com empresas, pode fazer melhores histórias porque você tem acesso a mais informações ou maior compreensão para que possa produzir um jornalismo melhor. Mas, eticamente, você é responsável por informar os editores de mídia se há um conflito.

Principais dicas e truques

Lauren:

Entenda sua peça do quebra-cabeça, em trabalhos corporativos. Eles muitas vezes fornecem o conceito criativo geral, por isso é importante entender a função específica que você desempenha e se liberar do resto.

Certifique-se de ter uma comunicação clara. Certifique-se de anotar tudo em um e-mail e receber a confirmação, para que sua função e pagamento sejam bem claros.

Marc:

As pessoas preferem trabalhar com alguém que seja agradável, então seja receptivo, amigável e flexível.

Quando estiver no processo de edição, não se preocupe demais se alguém no topo da cadeia alimentar mudou tudo. Fique bem.


Participe do próximo webinar às 11 horas (horário de Nova York) no dia 17 de novembro: #FreelanceHacks — Safety in 2020 and Beyond