Jornalista do mês: Mariana Verbovska

por Naomi Ludlow
Dec 3, 2020 em Jornalista do mês
A jornalista ucraniana Mariana Verbovska, de cabelo curto, sorrindo, em frente de uma estante de livros

Crescendo na Ucrânia, Mariana Verbovska não teve escolha a não ser entender completamente a terra ao seu redor. A Ucrânia é composta por 57% das terras aráveis ​​— terras para cultivo — e a agricultura representa uma grande parte da indústria ucraniana. Essa dependência da terra deixou Verbovska mais atenta às mudanças que podem afetá-la, como as alterações climáticas.

“As mudanças climáticas dizem respeito a todos”, disse Verbovska. “Não é a questão de se você acredita nisso ou não. É um fato."

Seu interesse pelo meio ambiente, juntamente com sua paixão natural por escrever, levou Verbovska a seguir uma carreira no jornalismo com foco em reportagens sobre mudanças climáticas.

“Poucos jornalistas querem escrever sobre o clima porque não é tão bacana quanto a corrupção política ou qualquer outra coisa”, disse ela. Mas isso não a impediu.

Verbovska frequentou a Universidade Nacional Ivan Franko em Lviv, onde estudou jornalismo. Durante os meses de verão, ela estagiou em veículos de notícias onde jornalistas experientes a ajudaram a aprimorar suas habilidades como repórter multimídia. Durante esses estágios, ela também participou de coletivas de imprensa, conduziu entrevistas e ganhou experiência escrevendo matérias sobre o clima, incluindo extração ilegal de madeira, problemas de colheita e outras questões ambientais.

Essas oportunidades foram críticas para Verbovska e a ajudaram a escapar de seu isolamento como repórter. Ela teve dificuldades para se sentir confiante, mas seus mentores a incentivaram a se abrir e simplesmente se concentrar em fornecer informações aos leitores.

Verbovska é uma jornalista multimídia, escrevendo para publicações como Zaxid.net, onde ela cobriu questões regionais, incluindo inundações, secas e efeitos da água nas paisagens. Sua reportagem começa com seus sentidos, que ela usa para captar a sensação e a atmosfera do ambiente sobre o qual está reportando, incluindo as cores e os cheiros.

Mariana Verbovska

 

Em uma matéria recente, Verbovska focou em um agricultor na Ucrânia que acabou com a própria vida depois de perder todas as suas safras na primavera devido à terra desolada, agravada pelas mudanças climáticas. Reportar as verdades das mudanças climáticas permite que Verbovska conte diferentes narrativas que segurem o público e mostram como as histórias sobre o clima são diversas.

Suas matérias não apenas expõem os impactos negativos das mudanças climáticas, mas também transmitem a beleza da natureza. Em uma reportagem sobre pelicanos no Mar Negro, Verbovska e sua equipe chegaram antes do nascer do sol para capturar a essência dessas aves. Eles gravaram a temperatura e o ambiente para pintar toda a cena para o público.

Verbovska conversou com a IJNet sobre os efeitos da COVID-19 em suas reportagens, suas técnicas de narrativa e conselhos para futuros jornalistas.

[Leia mais: 6 maneiras de alcançar negacionistas das mudanças climáticas com suas reportagens]

IJNet: Como você diferencia suas matérias de outros jornalistas ambientais?

Verbovska: Minha experiência mostra que é de suma importância comunicar-se com os cientistas sobre esse assunto. Quanto mais melhor. Muitas vezes, os cientistas têm informações exclusivas que são desconhecidas do público em geral. Um dos motivos é que os cientistas não têm tempo ou recursos para escrever materiais científicos e educacionais. Mas os jornalistas podem ajudá-los.

Ao mesmo tempo, é extremamente importante não se esquecer de coordenar com especialistas, a fim de evitar mal-entendidos e mostrar respeito pelo trabalho dos especialistas. Se não fosse por eles, não saberíamos muito.

Também tento passar o máximo de tempo que posso no lugar onde foco minha reportagem. Falo com a população local e descrevo a comida local e as estrelas locais (cantores, políticos, empresários). Pode ajudar os leitores a entender melhor a atmosfera do lugar.

Mariana Verbovska

A mudança para entrevistas virtuais afetou sua reportagem?

Tem alguns prós e contras. Às vezes é difícil organizar entrevistas com pessoas famosas ou muito ocupadas, e agora elas têm esse tempo porque não precisam viajar e ficar no avião ou no trem. Mas seria muito complicado viver nessa condição por muito tempo. Devemos voltar às entrevistas off-line porque são muito melhores para reportar. Você precisa cobrir os cheiros, a atmosfera e os sentimentos das pessoas. Isso não é possível fazer pelo Zoom.

[Leia mais: Cobrindo as mudanças climáticas em 2021 e além]

Como a IJNet ajudou você?

Por meio da IJNet, recebi uma oportunidade de bolsa do Instituto de Ciências Humanas de Viena por três meses. Trabalhei em pequenas pesquisas sobre a comunicação sobre mudanças climáticas e dediquei todo o meu tempo preparando um kit de ferramentas “Como falar sobre mudanças climáticas e ser compreendido”. No meu trabalho, além da preparação de textos, percebi que na Ucrânia existem várias organizações públicas fortes que monitoram o tema das mudanças climáticas e conduzem inúmeras negociações com as autoridades. Tudo isso é feito para tornar a posição da Ucrânia mais ambiciosa no que diz respeito ao combate às alterações climáticas.

É muito importante construir pontes entre aqueles que estudam este tema, como ativistas e funcionários públicos, e aqueles que já são afetados pelas mudanças climáticas, como os moradores das centenas de cidades e vilas ucranianas. Esse é o trabalho que um jornalista deve fazer sempre que se comunica com os moradores locais, porque as pessoas nem sempre entendem a relação entre enchentes ou secas e as mudanças climáticas.

Mariana Verbovska

Que conselho você dá a futuros jornalistas?

Acho que um dos meus maiores conselhos é não ter medo de algo novo e ser corajoso em seu propósito. Se você quer ser jornalista e escrever sobre mudanças climáticas, não significa que deve ser um cientista ou saber tudo sobre mudanças climáticas. Se você é jornalista, pode ser uma ponte entre cientistas e seus leitores ou ouvintes.


Naomi Ludlow é estagiária da IJNet.

Todas imagens cortesia de Mariana Verbovska