Como jornalistas reportaram durante o maior desligamento da internet numa democracia

porSunaina Kumar
Jan 11, 2020 em Segurança do jornalista
Telefone quebrado

Em 6 de janeiro, um grupo de jornalistas da Caxemira realizou um protesto no Clube de Imprensa em Srinagar. Com laptops na mão, eles pediam pelo fim do desligamento da internet que durava mais de 150 dias.

O apagão começou no dia 5 de agosto, quando o governo indiano revogou o status constitucional especial da Caxemira, o que lhe conferiu o direito ao regime semi-autônomo ao ingressar na Índia, 72 anos atrás. Desde que o status foi revogado, os líderes locais estão em prisão domiciliar, o turismo sofreu e as pessoas não conseguiram acessar a internet.

Embora algumas conexões móveis tenham sido restauradas desde outubro, a banda larga e a internet sem fio continuam bloqueadas, marcando o maior desligamento da internet em uma democracia. A maioria dos jornalistas trabalha no centro de mídia criado pelo governo, que fornece acesso à internet na sala de conferências de um hotel em Srinagar.

A Caxemira está em estado de insurgência há 30 anos e, mesmo antes do bloqueio, a apuração e reportagem de notícias têm sido extremamente difíceis por vários motivos. Por um lado, a maioria da Caxemira tem uma desconfiança profundamente arraigada da mídia, especialmente a rádio e TV, que mantêm um tom hiperbólico e nacionalista, e dizem que tudo está "normal" desde agosto.

Eu reportei duas vezes da Caxemira desde agosto e descobri que havia vários desafios no terreno, incluindo a propensão a rumores e notícias falsas se enraizarem em uma sociedade cheia de conflitos. A insurgência em andamento também piora o medo muito real à segurança pessoal e a ameaça de terrorismo.

Conversamos com jornalistas que estavam reportando da Caxemira para agências de imprensa e online para entender como eles continuam a trabalhar, apesar dos muitos desafios que enfrentam.

Dedicando um tempo para criar confiança com as fontes

“Existe uma desconfiança aguda na Caxemira que é principalmente direcionada aos canais de TV pelo medo e pela guerra que eles promovem. Isso dificulta o trabalho do jornalista”, disse Rahul Pandita, que mora em Nova Déli e foi um dos primeiros repórteres a chegar na Caxemira em agosto. “Vá falar com as pessoas com a mente aberta e, se você for sincero, as pessoas se abrem e mostram a você. Mas isso leva tempo."

No meio de toda essa desconfiança, não há substituto para o tempo gasto com as fontes, disse o jornalista independente Rayan Naqash, de Srinagar: a vontade de ouvir as histórias das pessoas ajuda."

Nos dias iniciais após o bloqueio, era impossível conectar-se às fontes. A maioria das pessoas na Caxemira tem medo das consequências reais ou percebidas ao falar com a imprensa, e geralmente querem tomar precauções e usar serviços de mensagens criptografadas. No entanto, desde 5 de agosto, isso está fora de questão. A maioria dos jornalistas tem enfrentado esse desafio indo nas casas das pessoas que eles querem entrevistar.

Verificando todas as informações

Em uma situação de conflito, as informações estão sempre em demanda. "Muitas pessoas tendem a dar a impressão de que conhecem os fatos de uma situação quando na verdade não sabem", disse Naqash. Em um exemplo, quando ele estava cobrindo um tiroteio do exército que matou quatro civis da Caxemira, uma multidão se reuniu no local, e uma pessoa ofereceu detalhes do incidente da noite anterior. Depois que Naqash investigou um pouco, a pessoa confessou que tinha ouvido isso, e na verdade não era uma testemunha ocular.

"Ao longo dos anos, conheci vários desses voluntários e é ainda mais importante confirmar relatos de incidentes de tantas fontes diferentes quanto possível", disse Naqash.

Não é de surpreender que a falta de mídia confiável dentro do país signifique que há um excesso de notícias falsas sobre o que está acontecendo. Esta notícia chegou às mídias sociais, especialmente no resto da Índia.

"Não acredite em tudo o que está nas mídias sociais, porque é o lugar onde a maioria dos rumores se espalha como fogo", disse a jornalista Raihana Maqbool, com sede em Srinagar, que cobre a Caxemira para o Global Press Journal. "As pessoas compartilham essas histórias ainda mais sem verificar se são verdadeiras ou não, portanto, a verificação é muito importante."

Trabalhando em grupo para garantir a segurança pessoal

Não é fácil se locomover na Caxemira por causa de uma grande presença de agentes de segurança, da ameaça de terrorismo e da falta de transporte público. Isso é exacerbado pela falta de informações confiáveis. "Não viajei sozinha para lugares mais distantes, mas viajei em um grupo de dois ou três porque nunca sabemos qual situação enfrentaríamos e não podíamos verificar como tudo estava acontecendo", disse Maqbool.

Viajar em grupo tornou a viagem mais segura, mas também a deixou mais confortável para conversar com os habitantes locais em áreas menos visitadas pelos repórteres.

Encontrando maneiras de se adaptar

Jornalistas na Caxemira encontraram maneiras de contornar a restrição da comunicação. Antes da criação do centro de mídia, os jornalistas em Srinagar esperavam do lado de fora do aeroporto e enviavam histórias impressas em papel ou salvas em unidades USB com passageiros viajando para fora da região.

Aliya Bashir, que trabalha com o Global Press Journal, disse que trabalhar para uma organização internacional é ainda mais desafiador, pois ela não tem outra opção a não ser enviar suas matérias online: “No terreno, a comunicação parecia que alguém nos colocou em uma máquina do tempo e tínhamos voltado a uma época em que não há conceito de tecnologia e a comunicação se limita apenas à presença física."

Bashir escreveu suas matérias na Caxemira e depois viajou para Déli para enviá-las e se comunicar com seus editores nos Estados Unidos. “Tivemos que nos adaptar de acordo com o ambiente, fazer o trabalho possível e navegar entre todas as circunstâncias difíceis", disse Bashir.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Alexander Andrews