Recursos para cobertura de violência contra asiáticos

por AAJA MediaWatch Committee
Mar 24, 2021 em Temas especializados
Horizonte do céu parcialmente nublado em Atlanta

Em 16 de março, oito pessoas foram mortas em três centros de massagem na área metropolitana de Atlanta. Das vítimas, seis foram identificadas como asiáticas. Este ataque ocorreu em meio ao aumento dos ataques às comunidades das Ilhas do Pacífico Asiático-Americano (AAPI, em inglês) nos Estados Unidos durante a COVID-19. Para ajudar as redações que cobrem este incidente, bem como a história maior de racismo anti-asiático, republicamos um guia da Associação de Jornalistas Asiático-Americanos (AAJA, em inglês).


O tiroteio em Atlanta em 16 de março matou oito pessoas. Seis das vítimas foram identificadas como asiáticas e sete eram mulheres. Pelo menos quatro dos mortos eram descendentes de coreanos. 

A Associação de Jornalistas Asiático-Americanos (AAJA, em inglês) exorta redações a:

  • Tomar cuidado com a linguagem na cobertura de notícias que pode alimentar a hipersexualização das mulheres asiáticas, que tem sido associada à violência e à discriminação.

    Ao descrever os negócios afetados pelos tiroteios, as redações devem evitar terminologia e conotações de prostituição ou sexualização. Recomendamos que sejam descritos como "spas", "empresas" ou por seus nomes próprios: Young’s Asian Massage Parlour, Aromatherapy Spa e Gold Spa.

  • Forneça contexto. Instamos as redações a cobrir os tiroteios no contexto do atual aumento de ataques contra asiático-americanos. Esses tiroteios ocorreram durante um período de aumento dos ataques à comunidade asiáticas e aumentou o medo entre as comunidades asiáticas em todo o país.

  • Compreenda o racismo anti-asiático e a invisibilidade. O racismo contra asiáticos é altamente matizado, complexo e permaneceu historicamente invisível, e inclui uma longa história de hipersexualização de mulheres asiáticas que está enraizada em percepções ocidentalizadas e coloniais da Ásia.

    Isso está intimamente ligado ao assédio e à violência sexualizada contra as mulheres asiáticas. Mulheres de ascendência asiática relataram 2,3 vezes mais incidentes de violência do que homens, de acordo com um novo relatório Stop AAPI Hate de quase 3.800 incidentes de ódio relatados desde março de 2020.

[Leia mais: Repensando a cobertura de notícias de massacres na era da violência armada

 

  • Diversifique suas fontes entrevistando e citando especialistas asiáticos. O gabinete de imprensa da AAJA, AAJA Studio, inclui pesquisadores, especialistas e líderes de pensamento comunidade asiática com experiência em direitos iguais, crimes de ódio, história, justiça racial e trabalho de construção de comunidade, perfil racial e discriminação.
     
    • Uma coalizão local de organizações de direitos civis, defesa e serviços diretos da comunidade compilou uma lista de contatos da comunidade asiática para a mídia.

    • O AAJA Studio não é uma lista exaustiva de especialistas, e encorajamos entrar em contato com professores e estudiosos também.

    • Quando mais informações surgirem sobre as identidades das vítimas, centralize suas histórias e as da comunidade. Consulte os membros da comunidade para garantir a ortografia e pronúncia corretas de nomes asiáticos.

[Leia mais: Tire um tempo para se recuperar de um trauma ou esgotamento]

  • Capacite e apóie seus jornalistas e colegas asiáticos. As redações devem fornecer aos jornalistas de ascendência asiática o apoio necessário ao bem-estar mental, enquanto nossa comunidade enfrenta o aumento da violência e do sentimento anti-asiático. Os jornalistas da comunidade asiática estão sub-representados nas redações em todo o país, especialmente em posições de liderança. A AAJA compilou uma lista de recursos de saúde mental para jornalistas que sofrem luto e trauma.

    A AAJA apoia os jornalistas da comunidade asiática, que foram sujeitos a violência e discriminação no ano passado enquanto os incidentes anti-asiáticos aumentaram durante a pandemia de coronavírus. Muitos de nossos jornalistas estão pressionando — muitas vezes, silenciosamente e sem reconhecimento — por uma maior cobertura das experiências da comunidade asiática. Muitos estão sofrendo um trauma agravado enquanto cobrem a violência. Louvamos sua dedicação e resiliência.

Esta é uma história em desenvolvimento, e a AAJA irá atualizar nossas orientações conforme necessário.

Nota do editor: Entendemos que a AAJA está atualizando essas diretrizes para melhor abordar como cobrir a conexão desta história com a indústria do trabalho sexual. Vamos atualizar este post quando tivermos essas diretrizes. Enquanto isso, aqui está nosso recurso sobre reportagem sobre trabalho sexual.


Para obter mais recursos sobre como cobrir a Ásia e descendentes de asiáticos, consulte o guia da AAJA. A AAJA também compilou recursos sobre bem-estar mental, que você pode encontrar aqui.

Imagem sob licença CC  no Unsplash por Ronny Sison.