Dicas para reportagens sobre trabalho sexual

porIris Pase
Feb 27, 2021 em Temas especializados
Métodos contraceptivos diversos

O trabalho sexual, ou seja, a prestação de serviços sexuais por dinheiro ou bens, é uma indústria global que emprega milhões de pessoas de todos os gêneros em uma variedade de funções, que incluem, mas não se limitam a, trabalhadores de rua, atores, performers, acompanhantes, dançarinos e artistas viajantes.

Apesar do tamanho do setor, os profissionais do sexo continuam estigmatizados. A comunidade enfrenta altos níveis de violência, discriminação, opressão legal e outras violações dos direitos humanos. Essa vulnerabilidade à violência é aumentada para profissionais do sexo pertencentes a grupos marginalizados, como pessoas trans, migrantes e profissionais do sexo que usam drogas.

O jornalismo convencional carrega os efeitos de séculos de estigmatização em relação ao trabalho sexual. A cobertura de notícias frequentemente cai em narrativas sensacionalistas ou críticas, que podem causar danos e colocar em perigo as pessoas que trabalham no setor.

Uma reportagem respeitosa pode beneficiar significativamente a vida das profissionais do sexo, ajudando a eliminar o estigma. Conversamos com Anastacia Ryan, fundadora da Umbrella Lane, para saber seus conselhos para quem quer escrever sobre o assunto.

A Umbrella Lane é uma organização que busca mudar a forma como o trabalho sexual é visto na sociedade escocesa. É liderada por profissionais do sexo, algumas das quais concordaram, anonimamente, em compartilhar suas ideias sobre como informar sobre esse trabalho.

Evite descrever o trabalho sexual como 'prostituição'

Ao se referir a alguém que se envolve em trabalho sexual, evite termos como "vítima" ou "prostituta". Apesar de seu uso comum, a palavra “prostituição” não é neutra. Isso reforça o estigma secular que foi lançado sobre os trabalhadores do sexo e continua para outras comunidades.

“A maioria das pessoas com quem trabalhei e com quem me conectei que estão envolvidas no trabalho sexual se autodenominam 'trabalhadoras do sexo'”, diz Ryan. Se não tiver certeza do que uma comunidade em particular prefere, pode usar expressões como "pessoas que vendem serviços sexuais" ou "pessoas que se envolvem com trabalho sexual".

[Leia mais: O que todo jornalista deve saber sobre fontes anônimas]

Apresente a voz dos trabalhadores do sexo

Os jornalistas são ensinados a incluir regularmente declarações de entrevistados em suas reportagens. No entanto, quando se trata de trabalho sexual, os repórteres tendem a falar com as autoridades antes de falar com os trabalhadores do sexo — se é que o fazem. Isso geralmente resulta em notícias que silenciam completamente as pessoas que vendem serviços sexuais.

Ao reportar sobre a indústria do sexo, não considere a matéria completa sem uma entrevista ou comentário de um trabalhador real.

Quando você solicitar uma entrevista, faça-o com responsabilidade. “Algo que realmente afeta os trabalhadores do sexo é quando os jornalistas se disfarçam de trabalhadores do sexo em espaços exclusivos para trabalhadores do sexo”, disse Ryan à IJNet. “Acontece muito. Eles acessam sites de avaliações de clientes, pegam declarações e simplesmente criam um artigo sem falar com uma pessoa.”

Você também pode ficar tentado a entrar em contato com profissionais do sexo diretamente através da mídia social, já que muitas pessoas que trabalham no setor têm contas sociais por motivos pessoais ou profissionais. No entanto, deve evitar isso sempre que possível.

“Plataformas como o Twitter são usadas para publicidade. Portanto, ao se intrometer nesse espaço, você também está ocupando um tempo que deveria ser gasto, normalmente, com os clientes”, afirma Ryan. Em vez disso, o que você pode fazer é entrar em contato com projetos e organizações de profissionais do sexo, que geralmente têm uma equipe de embaixadores acostumados a falar com a mídia. Eles sabem esconder sua identidade e tomar todas as medidas preventivas para garantir sua própria segurança.

Priorize a segurança de seus entrevistados

Conforme mencionado acima, as pessoas que se envolvem no trabalho sexual regularmente enfrentam discriminação e violência, não apenas de clientes, mas também da polícia. Por isso, repórteres precisam proteger a identidade de seus entrevistados.

“Tentamos trabalhar com jornalistas para garantir a confidencialidade e o anonimato”, diz Ryan. “Também reiteramos ao profissional do sexo que não forneça quaisquer detalhes de identificação, como seu nome real, endereço ou algo parecido.”

Ao filmar entrevistados, certifique-se de mascarar sua identidade adicionando uma sombra ou ampliando uma parte específica do corpo, como as mãos. Mantenha a identificação de detalhes como anéis, tatuagens ou marcas especiais ocultos.

Tenha consideração com os medos de seus entrevistados e, se solicitarem, deixe-os ver ou ouvir sua versão final.

Evite sensacionalismo e clickbait

Jornalistas devem evitar polarizar as reportagens sobre profissionais do sexo. A mídia frequentemente retrata o trabalho sexual como uma realidade trágica feita de vítimas ou uma atividade capacitadora escolhida por pessoas que simplesmente gostam de sexo. A realidade, porém, é muito mais matizada.

“Os trabalhadores do sexo devem ser mostrados como indivíduos altamente inteligentes, compassivos e tenazes”, diz uma trabalhadora do sexo da comunidade da Umbrella Lane. “Esses são os únicos tipos de trabalhadores do sexo que conheci em meus anos.”

Outra trabalhadora acrescenta: "Odeio jornalistas falarem sobre o trabalho do sexo como um 'golpe secundário lucrativo'. Mesmo quando é assim que nos divulgamos para nossos clientes, nem sempre é a realidade. Supondo que seja o caso para a maioria das trabalhadores do sexo, parece que não precisamos de direitos, proteções e serviços."

[Leia mais: Dicas para cobertura ética da comunidade trans]

Represente todos na comunidade

A maioria das reportagens sobre o assunto tende a equiparar as pessoas que se envolvem em trabalho sexual com mulheres quando, na realidade, o setor é variado. “Eu odeio como os jornalistas discutem o trabalho sexual apenas como feminino. Existe o apagamento completo dos trabalhadores do sexo masculino e trans”, diz um membro da comunidade da Umbrella Lane.

Também é importante transmitir a natureza diversa dos empregos associados ao trabalho sexual. Apesar da preocupação da mídia com trabalhadores de rua, Ryan diz que esses representam apenas 10% dos trabalhadores do sexo e são de todos os gêneros.

“As pessoas dentro da indústria têm muitas experiências diferentes”, diz ela. “Certifique-se de que sejam cobertas e não apenas use aquelas histórias que se enquadram em sua ideia preconcebida do que reportar.”

Trabalhe com a editoria de imagens

As imagens desempenham um papel importante na formação da percepção do público. Não escolha fotos que objetifiquem os trabalhadores do sexo. Escolhas comuns, como imagens das pernas de alguém em um par de saltos em pé ao lado de um carro à noite, são preguiçosas e fazem seus leitores equiparar a indústria do sexo apenas aos trabalhadores de rua.

Peça fotos ou conselhos a organizações e entrevistados. Se estiver usando uma foto de estoque, esteja atento para objetivar e polarizar imagens. Opte por fotos neutras relevantes para o assunto. Pode ser uma pessoa de qualquer gênero se vestindo, fotos de dinheiro ou, como sugere Ryan, "fotos das ferramentas do comércio, como suprimentos para sexo seguro".

Interrogue os dados

Em muitos países, o trabalho sexual é ilegal e estigmatizado. Por esse motivo, a coleta de dados mostra-se bastante difícil. No passado, tanto o The Atlantic e The Washington Post demonstraram como algumas das estatísticas e fatos amplamente usados pela mídia eram, de fato, incorretas ou tendenciosas.

É extremamente importante verificar os dados incluídos nos pacotes de notícias, certificando-se de que os relatórios, pesquisas ou estudos citados incluam a voz dos trabalhadores do sexo. Em caso de dúvida, entre em contato com instituições de caridade e organizações locais de apoio aos trabalhadores do sexo, que provavelmente terão seus próprios estudos baseados na experiência.


Iris Pase é uma jornalista freelance com base em Glasgow, Escócia.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Reproductive Health Supplies Coalition.