Tire um tempo para se recuperar de um trauma ou esgotamento

porCristiana Bedei
Apr 16, 2019 em Temas especializados
Burnout

No mês passado, Sonali Kohli, uma jornalista do Los Angeles Times, anunciou no Twitter que estava tirando três semanas para se recuperar após cobrir vários eventos traumáticos, incluindo tiroteios em massa e incêndios mortais. Suas palavras tocaram muitos no jornalismo. Kohli disse que precisava dar um descanso ao seu corpo e mente, e estava compartilhando sua experiência para ajudar aqueles na mesma situação.

Os jornalistas são muitas vezes resilientes e dedicados, mas o impacto do que cobrimos, em conjunto com uma indústria competitiva e financeiramente problemática, pode afetar nosso bem-estar, afetando nossa concentração, senso de missão e capacidade de empatia.

Desafios de saúde mental estão em todo lugar: sejam com jornalistas investigativos imersos em um material angustiante, repórteres cobrindo eventos horríveis --talvez dentro de sua própria comunidade--, editores revisando matérias traumáticas dia após dia, freelancers correndo atrás de reportagens ou comentaristas lidando com o assédio online. No entanto, conversas sobre trauma ou esgotamento ainda são consideradas  tabu muitas vezes.

“Idealmente, a meta é chegar num ponto em que você não precisa tirar uma folga”, diz Bruce Shapiro, diretor executivo do Dart Center para Jornalismo e Trauma. "O que você quer fazer é cuidar de si mesmo ao longo do caminho, de modo que uma crise é menos provável de ocorrer."

O Dart Center oferece dicas para incorporar na prática diária, incluindo um bom manejo da carga de imagens e histórias traumáticas, evitar o isolamento social e priorizar o sono, nutrição e exercícios.

A especialista em esgotamento nervoso, Christina Maslach, concorda que não há uma solução simples. "Eu não discordo de ter algum tempo livre para fazer coisas diferentes. Quero dizer, todos nós precisamos disso”, diz a professora de psicologia dea Universidade Berkeley. “[Mas] vai curar o problema do esgotamento? A resposta é não."

O esgotamento é uma resposta aos estressores crônicos no ambiente de trabalho que causam exaustão física, uma atitude cínica em relação ao trabalho e uma resposta negativa em relação a si mesmo, explica Maslach.

"As pessoas tendem a vê-lo como uma doença de um indivíduo: é o seu problema, sua fraqueza, seu tipo de incapacidade", diz ela. Essa abordagem não aborda os estressores principais que estão causando os problemas em primeiro lugar.

Segundo Shapiro, embora algumas organizações de notícias, como a rede ABC, BBC, Reuters e Associated Press, tenham começado a se comprometer com programas de conscientização sobre saúde mental e trauma, muitas organizações ainda negligenciam o problema.

Enquanto isso, muitos jornalistas não reconhecem a necessidade de diminuir a intensidade do trabalho, procurar ajuda ou fazer uma pausa. Para melhor informar os jornalistas sem programas de acesso que oferecem apoio de colegas e profissionais em suas redações, perguntamos aos especialistas sobre os sinais de estresse ou desgaste relacionados a trauma.

Alterações persistentes e involuntárias

Alguns importantes sinais de alerta de trauma secundário incluem memórias intrusivas ou imagens que são o resultado de cobrir histórias difíceis ou por vezes chocantes ou tarefas que interferem com o seu trabalho e o seu sono, explica Shapiro, do Dart Center.

Depois de cobrir uma história traumática, é comum sofrer alguns problemas de curto prazo. "Se você tem pesadelos por algumas noites, isso não significa que está indo pelo caminho do TEPT", diz Shapiro. "Mas se esses problemas durarem mais de um mês, é quando tendem a não melhorar sem alguns passos adicionais."

Se você perceber que não consegue cumprir prazos, está lidando com o trabalho com menos eficiência ou aumentando o uso de substâncias, e tudo está acontecendo há mais de algumas semanas, não deve ignorá-lo.

Distanciamento social e isolamento

“Há muitas evidências de que a conexão entre colegas e a conexão social são as fontes mais importantes de resiliência para jornalistas e outros tipos de profissionais na linha de frente”, diz Shapiro. O isolamento social é um importante preditor de dor psicológica, acrescenta ele.

Preocupar-se com o isolamento e recorrer às pessoas de sua confiança: um profissional, parceiro, membro da família, colega ou chefe. Seus colegas podem ter passado pelos mesmos desafios e conseguir entender você. Mesmo que você não se sinta confortável em compartilhar como está se sentindo, simplesmente falando sobre como o trabalho está indo e as lições que você está aprendendo podem ajudar, Shapiro sugere.

Resposta negativa aos outros e a si mesmo

Sofrer um esgotamento significa sentir-se mentalmente e fisicamente exausto e desenvolver uma atitude hostil em relação ao trabalho e a si mesmo também. Você pode questionar se é bom o suficiente, começar a se culpar por coisas fora de seu controle ou se sentir preso. “Isso só corrói a alma das pessoas e faz você perder a paixão que tinha e deixa de dar o seu melhor”, diz Maslach, descrevendo os efeitos do esgotamento.

Não é apenas uma questão pessoal, como muitas vezes é retratada, é muito social e organizacional. “O esgotamento tem efeitos negativos nos amigos das pessoas e na sua família. Tem efeitos negativos sobre as pessoas com quem você trabalha”, diz Maslach. "Isso também tem efeitos negativos para o resultado econômico, levando a mais absenteísmo."

De acordo com Maslach, o esgotamento é um sinal de que o local de trabalho não está funcionando bem para as pessoas que estão lá e não o contrário.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Maria Teneva