Pontos-chaves para reportagem sobre variantes da COVID-19

por Lucía Ballon-Becerra
Feb 2, 2021 em Reportagem sobre COVID-19
Máscaras e luvas

Em parceria com nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redações por meio de uma série de webinars sobre a COVID-19. A série faz parte do ICFJ Global Health Crisis Reporting Forum.

À medida que governos em todo o mundo implementam campanhas de vacinação contra a COVID-19, as cepas recém-descobertas do vírus alimentam preocupações crescentes entre os especialistas.

Cientistas relacionaram uma variante no Reino Unido a uma disseminação mais rápida da infecção, por exemplo, o que levou o país a um bloqueio mais estrito. Outra variante relatada na África do Sul também parece ser mais transmissível do que as formas anteriores.

O que sabemos sobre essas variantes? As novas cepas respondem de maneira diferente às vacinas? A incerteza por trás da COVID-19 e a natureza contínua da situação prepararam melhor os especialistas e os sistemas de saúde para surtos futuros?

“[O surto de coronavírus] foi uma grande experiência de aprendizado sobre a rapidez com que a situação pode mudar e como precisamos nos adaptar conforme ela avança”, disse o zoólogo Bernardo Gutierrez durante um webinar do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde em inglês.

Gutierrez é pesquisador do Departamento de Zoologia da Universidade de Oxford, onde se especializa em transmissão de vírus. Ele se juntou a Patrick Butler, vice-presidente de conteúdo e comunidade do ICFJ, para discutir a ciência por trás das mutações, detectar variantes e se preparar para surtos futuros.

 

 

Aqui estão algumas declarações importantes e lições de Gutierrez durante a sessão:

Sobre o surgimento de mutações do vírus

  • As mutações do vírus ocorrem naturalmente e são bastante comuns. À medida que o vírus é transmitido e circula nas populações locais, ele faz cópias de si mesmo e acumula mutações.
  • As mutações do genoma ocorrem aleatoriamente, então existe a possibilidade de que uma das mudanças aleatórias possa melhorar a capacidade de propagação do vírus. No entanto, a maioria das mutações é silenciosa, ou seja, as mudanças não afetam o comportamento do vírus, o tipo de doença ou a velocidade de transmissão.
  • As linhagens do Reino Unido e da África do Sul têm nomes específicos, B.1.1.7 e B.1.351, respectivamente. A diferença nos nomes resulta do fato subjacente de que essas variantes surgiram de origens totalmente independentes.

[Leia mais: Dicas para jornalistas que cobrem as vacinas da COVID-19]

Sobre as taxas de transmissibilidade

  • As duas novas variantes têm mutações diferentes e podem se comportar de maneira semelhante até certo ponto em termos de taxas de transmissibilidade, mas não deixam de ser versões diferentes do vírus. A variante sul-africana tem duas mutações específicas — compartilhando uma com a variante do Reino Unido — em uma parte importante do vírus que pode estar potencialmente associada à sua transmissibilidade.

  • É difícil determinar se um aumento nos casos é causado diretamente por uma nova variante. Correlação não significa causalidade; um incremento no número de casos não deve ser necessariamente interpretado como o produto de uma nova variante. Ainda está em estudo se a variante do Reino Unido contribuiu fortemente para o aumento de infecções.

  • Há estimativas de transmissibilidade 30% a 70% maior para a variante do Reino Unido, mas há um certo grau de incerteza quanto a esses números. A média geral dessas estimativas parece estar em torno de 50%, razão pela qual a variante do Reino Unido é considerada 50% mais transmissível do que as formas anteriores do vírus. A identificação de toda a gama de possíveis implicações resultantes dessa mudança na transmissibilidade ainda está em andamento.

Sobre a detecção de variantes e diferenças entre países

  • No momento em que os casos são detectados em alguns países, já existe um certo grau de circulação em suas comunidades. A identificação de novas variantes exige o sequenciamento genético, uma técnica ainda incomum em todo o mundo. Existem países com um nível mais alto de especialização e recursos disponíveis, mas existem alguns países que ainda estão no processo de construção de sua vigilância genômica — uma análise necessária para a detecção oportuna de patógenos.

  • A variante do Reino Unido foi descoberta em pelo menos 45 países até agora, mas diferentes abordagens científicas e circunstâncias geram resultados de detecção diferentes, portanto, provavelmente está presente em muitos outros. Quando o vírus começou a chegar a outros países, os recursos disponíveis e a configuração de cada sistema de vigilância afetaram a capacidade de identificar os casos. Algumas agências de saúde pública não tinham capacidade, tecnologia ou recursos necessários para detectar os casos precocemente.

  • O Reino Unido está há muito tempo avançado no sequenciamento genômico, enquanto os Estados Unidos ainda não são tão experientes, o que significa que a nova variante pode estar mais difundida do que atualmente se registrou. Para um país tão grande como os Estados Unidos, e que gerencia a vigilância e os dados etimológicos em nível estadual, a implementação de uma única estratégia coordenada é um desafio.

  • O Reino Unido implementou uma das estratégias de vigilância etimológica mais desenvolvidas, produto do apoio governamental e da coordenação eficaz entre muitas agências de saúde pública e instituições acadêmicas e de investimentos iniciais de recursos e tempo.

[Leia mais: Cobrindo duas pandemias: COVID-19 e racismo]

Sobre novas variantes e eficácia da vacina

  • Quando um corpo desenvolve uma resposta imune a um vírus, ele não produz necessariamente anticorpos que visam especificamente uma pequena parte da proteína do vírus que reveste o envelope da partícula do vírus. Em vez disso, o corpo desenvolve diferentes versões de anticorpos que se ligam de maneiras ligeiramente diferentes através da proteína, tornando os anticorpos e vacinas resistentes a pequenas mutações.

  • A análise até agora sugere que as variantes, particularmente a variante do Reino Unido, não devem afetar a eficácia das vacinas. A variante sul-africana pode ter um efeito maior sobre o comportamento do vírus e pode até representar resistência à vacina, mas devido à natureza contínua do desenvolvimento não é certo se essa conclusão se manterá. 

Sobre futuros surtos e preparação

  • Dadas as tendências de crescente globalização e viagens, os sistemas de saúde e pesquisadores em todo o mundo precisam de recursos, protocolos e investimentos monetários robustos adequados para conter futuros surtos locais.

  • Realizar a vigilância do genoma — que requer infraestrutura e experiência — seria a abordagem ideal para se preparar adequadamente para surtos potenciais, mas a disponibilidade de recursos pode representar um desafio em diferentes partes do mundo. Ainda existem diferentes níveis de pesquisa e recursos disponíveis em diferentes países.

  • O novo coronavírus forneceu muitas lições para a comunidade científica. Agora, temos mais conhecimento sobre as abordagens de controle da pandemia, como os esquemas de diagnóstico são implementados, como a informação se espalha e o papel das diferenças políticas. Com esta experiência, os sistemas de saúde e pesquisadores estarão melhor posicionados para planejar estratégias e comunicar informações de desenvolvimento em tempos incertos.


Lucía Ballon-Becerra é assistente de programa do ICFJ.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Ibrahim Boran