Our.News cria extensão de navegador que identifica desinformação

por Marcela Kunova
Aug 10, 2020 em Fact-checking e verificação
Frutas ao lado do computador

Quando checamos fatos, geralmente começamos verificando a fonte, seu histórico, localização e credenciais. Embora eficiente, esse processo leva tempo, pode ser tedioso e atrasar a publicação de uma matéria.

Um dos problemas é que a desinformação online raramente é uma mentira pura e se espera que os checadores de fatos reconheçam todos os tons imprecisos, impulsionados por interesses, adulterados ou totalmente fabricados.

São essas nuances que tornam o trabalho do jornalista uma dor de cabeça. Mesmo entre os colegas mais céticos, você terá dificuldade em encontrar alguém que nunca tenha sido enganado por um artigo, um vídeo adulterado ou um tuíte que à primeira vista parecia genuíno.

[Leia mais: A desinformação russa do movimento Black Lives Matter]

 

Agora imagine como é difícil para seus leitores identificar falsidades quando dezenas de histórias aparecem em seus cronogramas e caixas de entrada todos os dias. Lembre-se de que eles não têm treinamento ou experiência em checagem de fatos.

Para simplificar a verificação de conteúdo online, a startup Our.News, sediada nos EUA, criou uma extensão de navegador que oferece checagens de fatos semelhantes a rótulos nutricionais encontrados em alimentos. Mas, em vez da contagem de calorias e conteúdo de gordura, os leitores podem ver quem é o autor da postagem, a localização da editora e outros 'ingredientes' que os ajudam a entender o que estão consumindo e fazer melhores escolhas na dieta de notícias.

Isso parece bastante simples. O problema é que ninguém gosta de ouvir que está errado. Rotular um conteúdo ou publicação como totalmente falso pode ter o efeito oposto, especialmente entre as pessoas que, por padrão, não confiam nas instituições e na mídia convencional.

Em vez de categorizar o conteúdo como verdadeiro ou falso, quando a extensão do navegador Our.News detecta um conteúdo não confiável, ele exibe um aviso laranja que diz ‘Cuidado: editor problemático. Saiba por quê'.

'Newstrition' Label
Exemplo do rótulos de 'Newstrition'.

 

É a parte ‘Saiba por quê’ que faz toda a diferença.

A ferramenta reúne dados, como a localização e o histórico do editor, bem como checagens de fatos de organizações reconhecidas, como FactCheck.org e Poynter. Atualmente obtém dados de nove signatários do código internacional de princípios e deseja expandi-los para 21. Isso aumentará a probabilidade de a história ter sido verificada por um checador de fatos reconhecido, o que é especialmente importante durante as notícias de última hora.

Richard Zack, CEO da Our.News, disse que sua empresa levou três anos para descobrir o que deveria estar nesses rótulos de "Newstrition" [nutrição de notícias].

"Você não pode combater a desinformação dizendo às pessoas o que é verdadeiro ou falso", diz ele, acrescentando que a participação do público é fundamental para construir confiança. E assim, junto com as informações sobre o editor e as contribuições dos checadores de fatos, há um espaço para que os usuários avaliem uma história com base em critérios, como confiança, precisão ou relevância.

[Leia mais: Coletivo de jornalistas brasileiros checa veracidade de notícias religiosas]

 

Isso é útil para ajudar o leitor a entender por que uma parte do conteúdo ou um site foi rotulado como problemático e ajudá-lo a decidir se deve confiar ou não.

A ferramenta pode ser baixada como uma extensão do navegador Google Chrome ou Firefox  ou como um aplicativo. Também pode ser integrado por um editor ou agregador de notícias para mostrar os rótulos aos usuários de maneira proativa. Funciona melhor com texto, embora alguns recursos como classificação pública ou origem possam ser aplicados a conteúdo multimídia.

Mais recentemente, Our.News também lançou um componente alimentado por inteligência artificial que permite aos editores descobrir instantaneamente se uma parte do conteúdo foi verificada por um checador de fatos. Isso pode ser exibido internamente ou na página pública.

Mas como esses esforços de verificação podem se tornar mais difundidos? Tal como acontece com os fabricantes de alimentos, os rótulos nutricionais não se tornaram comuns devido à boa vontade das corporações em ajudar os consumidores a entender o que estão comendo: eles foram impostos pelas autoridades públicas.

No mesmo sentido, os rótulos de verificação de notícias precisam ser obrigatórios para abordar a "infodemia?" Zack disse que gostaria de uma demanda mais forte por verificação, mas, como a maioria dos empresários de tecnologia, ele é contra a intervenção do governo.

Embora esses rótulos de notícias sejam claros e os dados transparentes, sua leitura e compreensão ainda requer um certo nível de educação midiática. É fácil para jornalistas, mas muitos leitores com acesso limitado à educação formal ainda podem ter dificuldade de entendê-los.

Pelo menos, ao olhar o rótulo, os leitores farão uma pausa importantíssima antes de clicarem no botão de compartilhamento. Se todos nós pudéssemos pensar duas vezes antes de compartilharmos, a disseminação da desinformação poderia ser interrompida. 


Este artigo foi publicado originalmente no site Journalism.co.uk e reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Pineapple Supply Co.