Lições da cobertura da pandemia na Itália

porTedi Doychinova
Oct 12, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Vista panorâmica de Roma, Itália

Em parceria com nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redação por meio de uma série de seminários online sobre a COVID-19. A série faz parte do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ.

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

Na Itália, a COVID-19 infectou mais de 333.940 pessoas e tirou a vida de 36.061 pessoas. Em março, o país foi o epicentro da pandemia.

Em resposta, o governo implementou um bloqueio rigoroso, restringindo o movimento de seus cidadãos. À medida que a segunda onda da pandemia atinge o país, o governo está considerando estender o estado de emergência até janeiro de 2021.

Dois jornalistas investigativos do programa investigativo mais importante da Itália, Report (RAI), receberam permissão para viajar regionalmente e fazer uma reportagem sobre o impacto da COVID-19 no país. Em um webinar do ICFJ, esses jornalistas, Cataldo Ciccolella e Lucina Paternesi, compartilharam o que aprenderam no início de suas reportagens sobre a crise.

Sobre medidas de segurança

Ciccolella disse que ele e sua equipe só se encontraram pessoalmente usando equipamentos de proteção completos. Eles higienizam seus equipamentos, como microfones, câmeras e discos rígidos ao retornar da rua.

Sem transporte público operando, Paternesi passou muitos longos dias dirigindo pelo país em seu veículo pessoal. A equipe também se certificou de que cada um tivesse uma sala privada onde pudesse ficar imediatamente em quarentena se alguém estivesse infectado.

[Leia mais: Combatendo a COVID-19 na Alemanha]

Sobre a cobertura de tópicos difíceis

Eles descobriram que o gerenciamento dos pacientes estava cheio de erros. Um hospital local, eles descobriram, mentiu e disse que seus pacientes doentes não estavam realmente infectados com o vírus.

Ciccolella e sua equipe conversaram com virologistas para garantir que eles evitassem erros baseados em fatos em suas reportagens. “A mídia tem muitos inimigos e não podemos cometer erros”, disse ele.

Enquanto estava na estrada, Paternesi buscou histórias no norte e centro da Itália, as regiões mais populosas do país. Ela conduziu uma pesquisa sobre rastreamento de contatos, contatando parceiros em toda a Europa para saber o que os governos estavam fazendo para proteger a privacidade dos cidadãos depois que usuários baixam o aplicativo Immuni no telefone — um aplicativo usado em todo o continente para rastrear infecções.

“É bom para nossos governos dar tanto poder a grandes empresas de tecnologia como o Google? Estão monopolizando nossos dados? Que tipo de dados estão coletando?” ela pergunta. “Para começar, para que o aplicativo funcione, precisamos ativar nossa localização.”

As investigações de Ciccolella tomaram um caminho diferente, revelando as principais deficiências das principais agências de saúde responsáveis ​​pela proteção dos cidadãos, como a OMS e o Ministério da Saúde italiano. Por um lado, muitos países não atualizaram seus planos de prevenção de pandemia, o que se esperava que fizessem a cada três anos. Tal negligência significou que os sinais de alerta de uma pandemia global foram ignorados e as vacinas não foram reabastecidas desde 2006.

Autoridades italianas mentiram para o Centro Europeu de Controle de Doenças e disseram que atualizaram o plano em 2016. Ciccolella descobriu o contrário. Usando o Wayback — um site que arquiva a internet — Ciccolella descobriu que nenhuma frase do documento havia sido atualizada desde 2006.

Se o plano de prevenção da pandemia tivesse sido atualizado, Ciccolella disse que pelo menos 10.000 vidas poderiam ter sido salvas. O plano deveria ter fornecido informações sobre o número de leitos de unidades de terapia intensiva ou médicos e um plano de triagem. Mas todas essas informações estavam faltando.

“Ninguém estava realmente se certificando de que fosse atualizado”, disse Ciccolella. “Nem a OMS ou nem as outras autoridades internacionais.

Furiosas com a descoberta, as autoridades italianas ameaçaram a equipe da RAI com um processo.

[Leia mais: O papel fundamental dos jornalistas locais durante a pandemia]

Sobre  colaboração

Para Ciccolella e sua equipe, a colaboração não foi um problema. Eles estavam acostumados a permanecer em contato e dividir sua atenção entre várias histórias ao mesmo tempo.

Sobre planejamento editorial

Como muitos jornalistas investigativos sabem, as histórias levam meses para serem desenvolvidas e o conteúdo é planejado com antecedência. No entanto, em março, a atenção do público se voltou para apenas um tópico: COVID-19.

Ciccolella e sua equipe rapidamente voltaram seu foco para a investigação de questões relacionadas à pandemia. Eles ficaram de olho nos principais jogadores, como a Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde italiano e hospitais locais.

Ele também aconselhou reenquadrar e reaproveitar histórias sob as lentes da COVID-19.

Sobre histórias não contadas

Às vezes, as fontes vêm até você com suas histórias. Paramédicos e médicos se conectaram com as equipes da RAI em grande número para permitir que os repórteres soubessem o que estavam vendo nas linhas de frente e que protocolo deveriam seguir. Muitos não tinham acesso a equipamento de proteção individual (EPI), enquanto outros foram instruídos no início da pandemia a não usar EPI para evitar assustar o público.

A equipe de Ciccolella fez uso de registros públicos para rastrear remessas de EPI provenientes da China. Eles descobriram que os contratos de aquisição apresentavam enormes margens de lucro.

No entanto, nem todo mundo vive em um país com acesso à informação pública. Paternesi aconselhou rastrear informações em nível regional ou local, se não estiverem disponíveis em nível nacional.

“Olhe para a contradição na narrativa do governo”, disse Ciccolella. Ele também sugeriu usar as redes sociais para encontrar histórias interessantes.


Tedi Doychinova é oficial de programas do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês).

Imagem sob licença CC no Unsplash via Julia Solonina.