O papel fundamental dos jornalistas locais durante a pandemia

por Devin Windelspecht
Sep 28, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Jornal sendo impresso

Quando a COVID-19 começou a se espalhar pelos Estados Unidos no início do ano, jornalistas locais estavam na linha de frente fazendo reportagens sobre o vírus. De Santa Fé, Novo México, a Columbus, Geórgia, redações locais americanas têm servido como a primeira fonte de informação para muitas comunidades que tentam navegar pela vida em meio a uma pandemia.

Enquanto as redações locais lutam para se manter à tona em meio às mudanças contínuas do setor, entrevistamos jornalistas de veículos locais nos Estados Unidos para saber como cobrem a COVID-19 em suas comunidades e como o vírus está mudando o jornalismo local além da pandemia.

Embora os primeiros casos de COVID-19 tenham chegado aos EUA em janeiro de 2020, só em março que o vírus começou a se espalhar pelo país. Para muitos jornalistas locais, foi nessa época que o coronavírus se tornou a história dominante em suas redações, à medida que os primeiros casos começaram a surgir em seus respectivos estados.

“Começamos logo em março. A gente se perguntava como ia fazer nossa reportagem regular e de repente me ocorreu, esta é a história, não há outra história agora", disse Sara Solovitch, diretora executiva do Searchlight New Mexico em Santa Fé. Solovitch e sua equipe dedicaram todos os seus recursos para cobrir o vírus em seu estado, mesmo que isso significasse fechar a porta para outras investigações.

[Leia mais: COVID-19 agravou a crise da mídia. Aqui estão 6 soluções possíveis:]

 

“Tínhamos histórias prontas para começar que, quando a pandemia realmente explodiu, de repente pareciam irrelevantes”, disse Ed Williams, redator da publicação. Um exemplo foi uma matéria sobre o distrito escolar local quando as escolas fecharam rapidamente.

Romy Ellenbogen, repórter de notícias de saúde do Tampa Bay Times, vivenciou uma corrida semelhante para cobrir o vírus nos primeiros meses, após os dois primeiros casos na área de Tampa Bay no início de março. “Tínhamos gente trabalhando até tarde da noite nas primeiras semanas porque o estado divulgava seus primeiros números às 11h ou 12h”, disse Ellenbogen.

Tanto em Tampa quanto em Santa Fé, a pressa inicial para cobrir o que originalmente parecia ser uma história que duraria dois ou três meses se transformou em uma cobertura muito mais sustentada à medida que o vírus continuou durante o verão americano. Foi também um período em que os jornalistas foram obrigados a se adaptar a métodos e técnicas de reportagem remota, já que muitos escritórios fecharam para permitir o distanciamento social.

Para a equipe do Columbus Ledger-Enquirer em Columbus, Geórgia, a mudança para trabalhar remotamente ocorreu imediatamente após os primeiros casos ocorridos em março. Muitas pessoas também tiveram que se virar para cobrir a história em desenvolvimento de outras editorias. Para Nick Wooten, redator da equipe da publicação, a transição de repórter cultural para repórter de saúde envolveu aprender como entrar em contato com especialistas em saúde e doenças remotamente, geralmente por meio do Twitter.

[Leia mais: 9 dicas práticas para fazer entrevistas remotas]

 

“Você pode extrair os dados, mas a parte mais difícil é a análise”, disse Wooten. "Esse é o ponto principal: as pessoas que têm esse conhecimento e estão dispostas a compartilhá-lo conosco estão prontamente acessíveis durante esta pandemia."

Reportar remotamente afetou a saúde mental dos repórteres. “No início, pensamos que isso duraria talvez um mês e então a vida ia seguir em frente”, disse Lauren Gorla, editora sênior do Columbus Ledger-Enquirer. Depois de perceber que iria durar muito mais tempo, o isolamento de cobrir o vírus em casa tornou-se uma grande fonte de dificuldade.

"Somos uma redação de amigos e perder isso e agora estar aqui [isolada] sete meses depois foi muito difícil para nós", disse Gorla.

Em Tampa, Ellenbogen passou por desafios semelhantes. "O isolamento pode levar a uma sensação de esgotamento", disse ele. "Não temos as ferramentas que tínhamos na redação."

No Novo México, Solovitch e Williams descobriram que cobrir a pandemia frequentemente exigia viajar pessoalmente para os pontos críticos do vírus. “Nesse caso, o jornalista é igualmente vulnerável”, disse Solovitch. “E eles têm medo de trazer de volta essa doença, essa coisa invisível para dentro de sua casa e família, se têm filhos e cônjuge -- é uma coisa muito difícil pedir a seus repórteres e fotógrafos que saiam e façam seus trabalho."

Para Solovitch, pesar o perigo de reportar em pontos críticos significava muitas vezes decidir não colocar a saúde de seus próprios jornalistas em risco, mandando-os para o campo. Apesar disso, algumas histórias ainda precisam ser feitas pessoalmente.

“Às vezes, para contar a parte humana da história, você não pode fazer isso sem estar lá. Portanto, há momentos na apuração em que você tem que ir. Essa é a verdade”, disse Williams.

Seja lidando com o trabalho mental de isolamento, os riscos por trás da reportagem em pessoa ou a política em torno de medidas de vírus, como máscaras e bloqueios, os repórteres locais também tiveram um impacto real em suas reportagens.

Na Geórgia, Wooten também descobriu uma nova apreciação da comunidade que não existia antes da pandemia. “Nos últimos meses, recebi uma quantidade incrível de e-mails de pessoas dizendo:‘ Obrigado por escrever sobre isso. Esta matéria influencia o que vou fazer hoje'”, disse ela. “Pessoas nos reconhecendo, nos apoiando, apoiando nosso trabalho e enviando mensagens como essa tem sido muito importante. Isso meio que restaurou minha fé na profissão."

“Isso mostra algo em que acredito fundamentalmente há anos, que as notícias locais precisam ser apoiadas e financiadas. Você precisa saber o que está acontecendo em sua comunidade -- somos mais afetados pela área mais imediata ao nosso redor”, disse Ellenbogen.

Conforme os jornalistas passam a cobrir a próxima fase do vírus -- questões como a crise econômica ou impactos de longo prazo na educação das crianças -- eles também descobrem que ter repórteres locais no local que conhecem uma área intimamente não é apenas importante, mas necessário para as histórias que cobrem.

“Quando você tem um repórter que é de lá, que realmente tem as rédeas para escrever sobre isso de uma maneira realmente precisa, acho que simplesmente fascina as pessoas em todo o mundo”, disse Solovitch. "Não é informação mais apenas para os habitantes locais."

Por exemplo, uma matéria do Searchlight New Mexico sobre a insegurança alimentar entre idosos navajos circulou em todo o mundo, mas não teria sido possível sem um repórter da comunidade Navajo em sua equipe fazendo a reportagem em sua própria comunidade. “Você não pode realmente substituir alguém que tem os relacionamentos e a compreensão de todas as dinâmicas dentro de uma determinada comunidade, e isso é o mais importante no momento para entender como uma comunidade está lidando com esta crise”, disse Williams.

Jornalistas dizem que o vírus mostrou a importância da reportagem local para suas comunidades, mas enfatizam que a confiança recém-adquirida na reportagem local ainda permanece frágil.

“À medida que saímos disso, será mais importante manter essa confiança e, depois que a crise sanitária passar, tentar demonstrar às pessoas que ainda temos valor, mesmo quando o mundo não estiver pegando fogo ao nosso redor", disse Gorla.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Bank Phrom