Jornalista do mês: Mostafa Darwish

por Katya Podkovyroff Lewis
Mar 3, 2020 em Jornalista do mês
Darwish aceitando um prêmio no MOJOfest

Graduado inicialmente em serviço social, o jornalista egípcio premiado Mostafa Darwish foi atraído por reportagens sobre questões de imigração e comunidades de migrantes, principalmente através das imagens.

"As matérias escritas ainda são importantes para uma situação", disse ele, "mas acredito que o conteúdo visual é muito importante para esta nova geração: a multimídia está em ascensão."

Hoje, Darwish faz mestrado na Universidade de Limerick, na Irlanda. Ele cobriu os principais eventos noticiosos do Egito para jornais locais e agências internacionais de notícias, trabalhando principalmente para a Associated Press. Como jornalista freelance em multimídia, Darwish também trabalhou para a BBC, Al-Jazeera, AJ+, ZoominTV, Mada Masr e mais.

Sua carreira começou no início da revolução egípcia em 2011, quando trabalhou para jornais locais no Cairo como fotojornalista enquanto terminava o curso de graduação. Ao mesmo tempo, Darwish era estagiário em um centro para pessoas cegas e ficou impressionado com a resiliência delas, apesar da falta de recursos. Com essa experiência, ele iniciou seu primeiro projeto de documentário, “Cegueira não se torna barreira para egípcios ambiciosos”, que foi concluído em apenas 13 meses.

 

Egyptian blind community
De uma série de fotos sobre a comunidade cega no Egito. Imagem de Mostafa Darwish.

 

Em 2015, Darwish decidiu se tornar um freelancer trabalhando em reportagens completas que incluem escrita, filmagem e edição. Desde então, ele produziu mais de 160 matérias de diferentes países, incluindo Sudão, Turquia, Suécia, Malásia, Geórgia, Irlanda e seu país natal, Egito.

Darwish viajou para a Letônia para cobrir uma conferência para o Climate Tracker, ganhou uma bolsa do Open Media Hub para produzir uma matéria na Geórgia e recebeu um prêmio de melhor reportagem do  MOJOfest da Thompson Foundation. Por tudo isso, Darwish disse ser grato à IJNet.

“O mais importante foi o MOJOfest, onde ganhei o prêmio, porque me levou à Irlanda em junho. Foi o melhor prêmio e a melhor oportunidade da IJNet ”, disse ele. "Acesso a IJNet a cada duas horas para verificar os prazos."

Darwish conducting an interview

 

Conversamos com Darwish sobre seu trabalho como freelancer, as dificuldades que os jornalistas enfrentam ao reportar sobre imigração e seus conselhos para outras pessoas no campo.

IJNet: Você trabalhou em uma variedade de tópicos e histórias. O que te inspira?

Darwish: As histórias que mais me interessam são sobre migrantes. Eu fiz muitas matérias sobre a comunidade no Egito. Quando viajei internacionalmente, estava me concentrando muito nos exilados egípcios que deixaram o Egito após o golpe militar, porque acredito que pertenço a essas pessoas. Como jornalista, posso ser um deles um dia: talvez não seja consiga voltar ao meu país.

Mas, ao mesmo tempo, acredito que a mídia local na Irlanda não está fazendo um ótimo trabalho cobrindo essas questões. Isso não afeta os cidadãos irlandeses e não faz parte dos problemas públicos. Por isso, estou tentando trazer esses problemas para a agenda.

Syrian refugees
Syrian community in Egypt
Da série de fotos "Pronto para ir. A comunidade síria tenta sobreviver no Egito". Imagens de Mostafa Darwish.

O que o levou ao jornalismo visual, como fotografia e videografia?

O que me interessou é que sou um artista. Eu acho que as histórias visuais são mais críveis do que as escritas. Nas mídias sociais, os vídeos de dois a três minutos contêm as mesmas histórias que você pode ler em 400 palavras.

Eu quero criar uma imagem para o que as pessoas estão dizendo. O que estou fazendo -- ou o que estou tentando fazer -- é combinar matérias escritas e em vídeo. Estou focando mais no conteúdo de vídeo, porque mais pessoas o assistirão para ver o que [a pessoa que está sendo entrevistada] está dizendo. Você vê quem é honesto.

[Leia mais: O papel do fotojornalismo na construção da paz em áreas de conflito]

Qual foi o seu maior desafio em sua carreira de jornalista?

Às vezes, como freelancer, é difícil cobrir histórias maiores. Também, ao mesmo tempo, algumas fontes têm medo de entrar em contato com jornalistas. Até os solicitantes de asilo na Irlanda, que são o foco das histórias, estão com medo. Eles acreditam que quando eu tentar entrar em contato com eles, eles poderão ser deportados se falarem com a mídia. Estou tentando convencê-los de que isso não acontecerá se eles apenas contarem sua história, mas muitos deles ainda acreditam que há corrupção aqui e que existem as mesmas ditaduras aqui que aquelas que deixaram para trás em seus países.

Agora, a situação melhorou muito desde que comecei, e eles viram reportagens sobre soliciantes de asilo. Fica mais fácil quando eu provo que fiz matérias sobre o assunto, e que [entrevistas] são coisas normais que não vão prejudicá-lo. Estou apenas tentando focar nos problemas deles.

Egyptian blind community
De uma série de fotos sobre a comunidade cega no Egito. Imagem de Mostafa Darwish.


Qual seria o seu conselho para jornalistas emergentes?

A maioria dos meios de comunicação vão querer contratar jornalistas com habilidades em todos os tipos de jornalismo, não apenas na escrita. Por exemplo, uma revista envia uma equipe de três pessoas para cobrir zonas de conflito: o principal repórter ou escritor, além de um fotógrafo e videógrafo. A maioria dos canais ou revistas de TV faz isso. Mas e se eles pudessem enviar apenas uma pessoa capaz de fazer tudo isso?

Meu conselho aos meus colegas e à nova geração de jornalistas -- e eu sou um deles, com 30 anos em abril -- é melhorar suas habilidades e aprender novos idiomas. Meu inglês não é o melhor, mas falo árabe e um pouco de turco, o que é bom para mim porque não preciso de um tradutor. Repórteres de língua inglesa que precisam ir ao Oriente Médio precisarão de um tradutor.


Todas as imagens são cortesia de Mostafa Darwish