Da Rússia, dicas para reportagens esportivas durante COVID-19

porСофья Лопаева
Apr 22, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Vôlei feminino

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

Quando o primeiro caso de COVID-19 foi relatado em Wuhan, China, no final de 2019, ninguém poderia prever que levaria ao adiamento do maior evento esportivo do planeta: os Jogos Olímpicos de 2020.

Hoje, a pandemia está dominando as manchetes em todo o mundo. Os jornalistas estão trabalhando em excesso para enfrentar o desafio. Com os eventos esportivos cancelados em todos os lugares, o jornalismo esportivo, em particular, encontra-se numa posição incomum e desconfortável.

Como a mídia esportiva está lidando com sua nova realidade durante essa pandemia?

[Leia mais: COVID-19: Um novo território para fotojornalistas]

O jornalismo esportivo é guiado por eventos. As matérias são conduzidas por eventos ao vivo e competições. “Nosso mundo é muito especial. Tem um cronograma e planos muito rigorosos -- e eventos absolutamente imprevisíveis”, disse à IJNet Evgeny Zuenko, editor-chefe da МК Sport. “Ninguém sabe quem vai ganhar uma próxima partida; milagres e surpresas podem acontecer. Mas você conhece sua programação com anos de antecedência. Em setembro, começa a Liga dos Campeões, a Liga Nacional de Hóquei começa em outubro e as finais da Liga Europa em maio. A cada dois anos, temos a Copa do Mundo da FIFA ou o Campeonato Europeu de Futebol.”

A pandemia de COVID-19 dizimou o calendário esportivo. Quase todos os eventos esportivos nacionais e internacionais foram cancelados ou adiados. Nunca antes na história houve essa perturbação, observou Zuenko. Mesmo quando os EUA e mais de 60 outros países boicotaram as Olimpíadas em 1980, e quatro anos depois quando a União Soviética e 13 outras nações comunistas boicotaram os Jogos Olímpicos de 1984, os eventos continuaram. Jornalistas esportivos americanos compararam a situação atual ao impacto do 11 de setembro no mundo do esporte.

A Match TV, o único canal de esportes de TV da Rússia gratuito ao público, viu sua audiência cair, segundo o jornal russo Vedomosti

Enquanto isso, Dmitry Navosha, CEO da Tribuna Digital e cofundador da Sports.ru, disse que a audiência sofreu, mas a queda foi insignificante. "Sim, não há mais eventos esportivos, mas o interesse das pessoas em esportes e atletas ainda existe", disse Navosha à IJNet. "As pessoas também não podem passar o dia todo lendo apenas notícias e estatísticas sobre o coronavírus; sentem a necessidade ainda maior de outras notícias."

[Leia mais: Como servir melhor seus leitores durante a pandemia do coronavírus]

Zuenko disse que o declínio da MK Sport também tem sido administrável até agora. "Esperávamos perder cerca de 10% dos leitores, mas as notícias sobre o cancelamento das Olimpíadas ainda nos ajudaram a manter nosso público."

Sem nenhuma das histórias típicas a serem abordadas, os jornalistas esportivos descobriram novas maneiras de serem criativos.

Então, o que um repórter esportivo cobre na ausência de esportes? Aqui estão algumas ideias.

(1) Incorpore reportagens sobre a pandemia

Por exemplo, adicione um guia sobre "COVID-19" ao lado de guias sobre "hóquei", "futebol" e "basquete" no seu site. Lá, você pode enviar notícias sobre cancelamentos de jogos e eventos, histórias sobre personalidades do esporte com o vírus e suas famílias, cobertura da filantropia de atletas, entrevistas sobre auto-isolamento, estatísticas e assim por diante.

(2) Recorra à história

Dê uma olhada nos eventos impactantes do passado, como os dez melhores gols marcados ou os 15 melhores momentos da história do basquete. Conte sobre o escândalo de doping no biatlo de 2009 ou escreva sobre como era o futebol durante o surto de cólera.

(3) Torne-se analista

Revise a temporada, faça previsões e avalie implicações financeiras. Investigue quem ganha mais com a suspensão da Premier League russa, por exemplo, ou como a pandemia mudará o mundo dos esportes.

(4) Realize muitas entrevistas

Na forma de mensagens curtas com um atleta em auto-isolamento ou em uma entrevista completa e em grande escala, solicitando que o entrevistado revise, reflita e se abra.

(5) Explore novas formas de contar histórias

Atualize o canal do YouTube da redação ou inicie um novo podcast -- por exemplo, sobre os fundadores do clube de futebol Spartak.

(6) Olhe para outros esportes, em outros países

Escreva sobre a cultura do futebol na Belarus ou sobre e-sports. Por exemplo, um torneio de videogame com atletas de alto nível ou um campeonato russo de basquete online.

(7) Divirta

Com jogos e filmes. Faça um teste sobre termos do futebol ou peça sugestões de livros a um atleta durante a quarentena.

Para onde tudo isso está indo?

Analistas de mídia dizem que é muito cedo para avaliar o impacto a longo prazo da crise de COVID-19 no jornalismo esportivo. Alguns editores de esportes estão mostrando otimismo, no entanto. "A Match TV tem muitos programas próprios e conteúdo exclusivo, por isso esperamos que a situação melhore", disse um representante da Match TV.

Navosha concordou com o otimismo de que a situação está sob controle. “É claro que a paralisação esportiva sem precedentes e as questões econômicas no país serão difíceis. Mas nossos projetos de mídia têm um público fiel e somos muito resistentes a esse tipo de situação”, disse Navosha. "Lançamos o Sports.ru durante a crise de 1998, portanto, a capacidade de manter o equilíbrio e até crescer em tempos difíceis faz parte do nosso DNA."

Ainda assim, é difícil prever quando a paralização esportiva terminará. A previsão da receita de anúncios e a sustentabilidade dos anunciantes também adicionam incerteza aos planos editoriais das redações.

Alguns membros da comunidade jornalística são mais pessimistas, esperando um colapso total da mídia esportiva na Rússia se o atual bloqueio for estendido. "A base de todos os nossos planos de negócios, de nossos modelos de monetização de conteúdo, foi o fato de 2020 ser o ano de dois grandes eventos: o Campeonato Europeu de Futebol e os Jogos Olímpicos", disse Zuenko. "É crucial para a mídia esportiva: nos anos pares, ganhamos muito mais do que nos anos ímpares, porque um grande número de anunciantes, pelo menos na Rússia, aparece bem a tempo das Olimpíadas e dos principais torneios de futebol. Hoje, temos que reescrever todos esses planos.”

Desde o início da pandemia de COVID-19, a vida de um jornalista esportivo mudou significativamente. Tudo começou com a restrição de acesso aos vestiários e continuou no completo silêncio do mundo dos esportes, pegando jogadores e fãs de surpresa.

Não há precedentes, nem existe um guia sobre como trabalhar nessas circunstâncias. Os repórteres de esportes tiveram que se adaptar, ajustando fundamentalmente a natureza de sua cobertura. Eles trabalharam rapidamente para criar abordagens novas e criativas para seu ofício, para cobrir um mundo sem jogos ou eventos esportivos -- nem mesmo Jogos Olímpicos ou Campeonato Europeu de Futebol. Essa é sua nova realidade.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Vince Fleming