COVID-19: Um novo território para fotojornalistas

porNatalie Van Hoozer
Apr 21, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Médicos no espelho

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

Antes do início da pandemia de COVID-19, fotojornalistas de todo o mundo já enfrentavam condições desafiadoras de trabalho. A segurança no emprego estava diminuindo, o salário era baixo e a maioria se sentia fisicamente insegura pelo menos algumas vezes enquanto trabalhava, de acordo com um relatório de 2018 da World Press Photo.

Mais de 60% dos fotógrafos entrevistados no estudo se descreveram como autônomos e 66% relataram que sua renda anual com fotografia era inferior a US$30.000. Mais de 90% dos entrevistados disseram que se sentiam em risco enquanto trabalhavam como fotógrafos.

A atual crise da saúde só ampliou esses desafios. Conversei com fotojornalistas freelancers na Itália, México e Estados Unidos, que falaram de preocupações financeiras e de saúde como nunca antes. Eles compartilharam suas experiências e os recursos que consideraram úteis ao trabalhar para documentar a pandemia em evolução.

[Leia mais: Como escrever sobre perdas humanas durante pandemia de COVID-19]

Cobertura de uma pandemia histórica

O fotojornalista freelance italiano Michele Lapini fotografou em ambientes difíceis no passado -- tumultos e confrontos policiais, por exemplo --, mas nada como a atual pandemia de COVID-19. Sediado na cidade italiana de Bolonha, no norte da Itália, Lapini documenta a crise em um de seus epicentros. "Estive na unidade de terapia intensiva, onde a situação é muito difícil porque as pessoas estão entre a vida e a morte", disse ele.

In the intensive care unit of the Sant’Orsola Hospital in Bologna, Italy, a nurse updates the health data for patients who tested positive for COVID-19. (credit: Michele Lapini).
Na unidade de terapia intensiva do Hospital Sant'Orsola, em Bolonha, Itália, uma enfermeira atualiza os dados de saúde dos pacientes que apresentaram resultado positivo para COVID-19. (crédito: Michele Lapini).

 

"É importante cobrir a COVID-19 porque é um evento histórico, um dos maiores após as Guerras Mundiais", continuou Lapini. "Temos que ter cuidado com nossa saúde e a saúde de outras pessoas, mas é nossa responsabilidade documentar o que está acontecendo, para a história."

Há também uma motivação prática fundamental para os freelancers: "Seria difícil agora evitar cobrir o vírus da hepatite C", disse Lindsey Wasson, fotojornalista freelance sediada em Seattle, Washington, o primeiro estado dos EUA a ser severamente impactado pela COVID-19 . "Para ser sincera, este é o único trabalho que posso fazer no momento em que coisas como esportes, eventos e qualquer coisa 'normal' foram encerradas".

Christian Monterrosa, um fotojornalista freelance e presidente da Associação Nacional de Fotógrafos da Imprensa da Região Oeste, cobre os desenvolvimentos da COVID-19 ao longo da fronteira EUA-México, inclusive em abrigos para migrantes em Tijuana, México, quando a fronteira foi fechada. A COVID-19 ainda não é tão difundida no México quanto na Itália ou nos EUA, então Monterrosa disse que sente a responsabilidade de educar a comunidade de Tijuana sobre a seriedade da pandemia. "É uma ótima sensação saber que eu fui capaz de fazê-los pensar sobre isso", disse ele.

 

Servpro cleaning crew workers file in to begin a third day of cleaning at Life Care Center of Kirkland, a long-term care facility linked to several confirmed coronavirus cases, in Kirkland, Washington (credit: REUTERS/Lindsey Wasson).
Os trabalhadores da equipe de limpeza do Servpro entram para iniciar um terceiro dia de limpeza no Life Care Center de Kirkland, uma instituição de longa permanência ligada a vários casos confirmados de coronavírus, em Kirkland, Washington (crédito: REUTERS / Lindsey Wasson).

Segurança sanitária

Ao fotografar pacientes de COVID-19 dentro de hospitais, é importante seguir o protocolo estabelecido pelos médicos, disse Lapini. "Temos que fazer nosso trabalho, tirar fotos e escrever matérias", explicou. "Mas você sempre precisa agir com prudência, mais pelos outros do que por si mesmo."

"Eu acho que uma grande mudança é estar ciente da ameaça à saúde que você representa para as pessoas que está fotografando", observou Wasson. Os freelancers que cobrem COVID-19 costumam comprar suas próprias máscaras, luvas e suprimentos para higienizar seus equipamentos fotográficos. Enquanto Wasson disse que a Reuters forneceu a ela e a outros freelancers diretrizes de segurança e alguns equipamentos de proteção individual, como máscaras N95 e roupas Tyvek, é claro que fornecer esse equipamento não é uma prática padrão para os meios de comunicação.

Nurse Tina Nguyen dons protective gear at a coronavirus testing site in Seattle, Washington, United States, during the COVID-19 outbreak (credit: REUTERS/Lindsey Wasson).
A enfermeira Tina Nguyen veste equipamentos de proteção em um local de testes de coronavírus em Seattle, Washington, Estados Unidos, durante o surto de COVID-19 (crédito: Reuters/Lindsey Wasson).

Segurança financeira

"Ser freelancer na Itália tem um alto risco para nós", disse Lapini. "Se você ficar doente e não trabalha, não tem dinheiro. Eu tenho o mesmo orçamento diário -- com vírus ou não vírus, recebo o mesmo dinheiro”. Essa insegurança financeira pressiona os freelancers a reportar sobre COVID-19, apesar dos sérios problemas de saúde.

Monterrosa é um fotógrafo experiente em incêndios florestais, sediado em Los Angeles, Califórnia. Como os bombeiros, ele gostaria que os fotojornalistas recebessem compensação adicional ou pagamento de risco ao trabalhar em situações perigosas. "Você pode perguntar, mas a cultura do trabalho freelance é agradecer que você recebeu a tarefa em primeiro lugar e não pedir mais", disse ele. Alguns editores oferecem remuneração adicional para compensar o risco, acrescentou, mas ainda há muito espaço para melhorias.

People wait in line at the San Ysidro border crossing hours after the US and Mexican governments announced travel restrictions between the two countries to prevent the spread of COVID-19 (credit: Christian Monterrosa).
As pessoas esperam na fila na passagem da fronteira de San Ysidro horas depois que os governos dos EUA e do México anunciaram restrições de viagem entre os dois países para impedir a propagação da COVID-19 (crédito Christian Monterrosa).

Recursos

Devido à natureza de proximidade da fotografia, muitos fotojornalistas estão sentindo os efeitos de eventos e sessões de fotos canceladas devido a COVID-19. Outros têm que deixar passar tarefas de fotografia devido a problemas de saúde pessoal.

Iniciativas como a Juntos Photo Coop se formaram para promover a segurança dos jornalistas enquanto cobriam a COVID-19. Fundos como o Format Photographer Fund foram lançados para fornecer apoio financeiro aos fotojornalistas que enfrentam dificuldades à luz do surto de COVID-19. A National Geographic, o Africa-China Reporting Project e o Internews também estão financiando repórteres que cobrem COVID-19 em nível local. Para fotógrafas mulheres, trans e binárias, a International Women’s Media Foundation possui um fundo de emergência e a Women Photograph está solicitando doações para fornecer apoio financeiro a fotógrafas.

[Leia mais: Jornalistas de favelas informam e fazem ações de prevenção contra o novo coronavírus]

Existem recursos disponíveis para ajudar os jornalistas a usar as melhores práticas para sua segurança quando trabalhando na rua e para receber informações atualizadas sobre a COVID-19. Nos EUA, a Associação Nacional de Fotógrafos de Imprensa possui um guia de recursos, com materiais como um boletim de notícias semanal para fotojornalistas que cobrem COVID-19.

Lapini, Wasson e Monterrosa também enfatizaram seu apreço pelo fato de a comunidade de fotojornalismo se unir durante a COVID-19, à medida que o vírus progrediu e as condições de trabalho mudaram rapidamente.

"O primeiro apoio foi para fotojornalistas e jornalistas conversarem, trocarem conselhos e informações", disse Lapini. Ele e outros fotojornalistas fundaram o Arcipelago 19, um coletivo de fotos no Instagram. "É um ponto de união e apoio", disse Lapini. "Queríamos criar um ponto de encontro para fotógrafos italianos". Ele espera que o Arcipelago 19 não ofereça apenas uma janela para o público para os desenvolvimentos na Itália, mas também ajuda fotojornalistas freelancers que cobrem COVID-19 a se sentirem menos solitários e aumentar sua visibilidade com possíveis editores.

 

Migrant parents and children at a migrant shelter in Tijuana, Mexico, wear surgical masks to protect against contracting COVID-19 (credit: Christian Monterrosa).
Pais e crianças migrantes em um abrigo para migrantes em Tijuana, México, usam máscaras cirúrgicas para se proteger contra a COVID-19 (crédito: Christian Monterrosa). 

Olhando para o futuro

"Há muita ansiedade sobre o futuro em geral, para todos", disse Wasson. Ela admite que, pessoalmente, não teve muita oportunidade de pensar no futuro por causa da cobertura diária que está fazendo.

Monterrosa vê potencial para mais apoio entre os fotojornalistas. "Um registro de fotojornalistas que estão ativamente por aí cobrindo COVID-19 seria útil", disse ele. Uma fonte centralizada de informações como essa permitiria aos fotojornalistas apoiarem-se mutuamente e dar visibilidade aos fotojornalistas que buscam trabalhos.

Lapini e Monterrosa estão de olho no seguro de saúde e no apoio financeiro. "Vivemos da precariedade dos contratos e da colaboração, e esses podem mudar de um dia para o outro", disse Lapini. Ele acrescentou que a crise de COVID-19 gerou discussões sobre como o trabalho de fotojornalistas freelancers é reconhecido e valorizado pelos meios de comunicação.

"Acabamos de começar a discutir como podemos tornar nossa profissão uma prioridade no mundo do jornalismo", disse Lapini. "Talvez esse seja um dos pontos a discutir quando a emergência terminar."


Imagem principal: Equipe médica se veste para entrar na unidade de terapia intensiva do Hospital Sant'Orsola em Bolonha, Itália. (crédito: Michele Lapini).

Natalie Van Hoozer é uma jornalista freelancer multimídia sediada em Reno, Nevada.