Combate a estereótipos de gênero na mídia exige regulamentações e educação, dizem especialistas

Apr 14, 2021 em Diversidade
Mãos diferentes num computador

Estereótipos de gênero na mídia têm um impacto significativo sobre como as mulheres e as minorias de gênero são percebidas. Entre outras consequências, afetam suas oportunidades de participar plena e efetivamente na vida pública. 

A falta de inclusão na mídia é uma das razões para os estereótipos de gênero generalizados. Recentemente, o Projeto de Monitoramento da Mídia Global 2020 confirmou que a mídia está longe de ser um espaço inclusivo para as mulheres, por exemplo. O estudo descobriu que as mulheres são assuntos ou fontes nas notícias apenas 26% do tempo, por exemplo, e que apenas 31% dos especialistas consultados para as pautas sobre COVID-19 na televisão eram mulheres. 

Para conversar sobre o que podemos fazer para combater os estereótipos contra mulheres e minorias de gênero na cobertura jornalística, a ONG CSW65, ligada à Comissão da ONU sobre as Condições da Mulher, convocou um painel de discussão, moderado pela presidente do ICFJ, Joyce Barnathan. O painel explorou o papel da mídia na mitigação dos estereótipos de gênero e o potencial das estruturas regulatórias para conter sua prevalência na mídia.

 

 

Os painelistas foram Chiara Adamo, chefe de “Igualdade de Gênero, Direitos Humanos e Governança Democrática” na Comissão Europeia; Motunrayo Alaka, fundadora do Centro Wole Soyinka para Jornalismo Investigativo na Nigéria; Brian Pellot, diretor fundador da Taboom Media; Victoria Sandino, senadora colombiana e ex-comandante das FARC; e Melanie Tobal, fundadora da Publicitarias.org. 

A sessão foi co-organizada pelo CFI, Fondation Hirondelle, Free Press Unlimited, Global Forum for Media Development, International Media Support e SembraMedia.

Aqui estão algumas dicas importantes.

Educação

A educação é a abordagem mais eficaz para combater os estereótipos de gênero na mídia, disseram os palestrantes. O objetivo é treinar as redações para que os repórteres se livrem conscientemente de seus próprios preconceitos. “Muitas vezes, a mídia corre para cobrir histórias porque quer cumprir um prazo e não há muito tempo para aprender as nuances do assunto”, disse Alaka.

As iniciativas de educação devem começar com o básico, disse Tobal. Muitos jornalistas pensam que levar o gênero em consideração ao cobrir uma história e tentar lutar ativamente contra os estereótipos que vêm com isso é uma tendência que eles podem dominar rapidamente, acrescentou ela. “Eles querem soluções mágicas, como uma lista de verificação ou um workshop rápido, ou uma conversa rápida e pronto”, disse ela. “Mas os problemas são muito complexos.” 

A Taboom Media de Pellot trabalha para melhorar a cobertura da mídia sobre os direitos de LGBTQI+. Sem treinamento, esses tópicos são frequentemente mal compreendidos e a falta de educação sobre as questões de LGBTQI+ pode levar a estereótipos de gênero ainda maiores. 

“Todo mundo já conheceu uma mulher na vida; conhece mulheres. Mas o mesmo não é necessariamente verdadeiro para as minorias sexuais e de gênero”, disse Pellot. Como tal, educar redações sobre a cobertura de LGBTQI + se concentra em aprender a terminologia básica e expandir a definição de gênero.

[Leia mais: O que está faltando na cobertura da COVID-19? Mulheres]

Incentivos

Redações e jornalistas muitas vezes têm pouco incentivo para mudar a forma como incorporam as perspectivas de gênero em suas reportagens. Os membros do painel concordaram que essas iniciativas precisam vir da liderança. 

Se ativistas e organizações puderem deixar claro que uma melhor cobertura de mulheres e minorias de gênero é essencial para a sustentabilidade, mais redações podem buscar treinamento e criar melhores incentivos para sua equipe. Como Barnathan apontou, se um meio de comunicação exclui 50% de seu público, terá dificuldade em prosperar por muito mais tempo.

Adamo pediu aos financiadores da mídia que usem seu poder para exigir mudanças. Por exemplo, a Comissão Europeia, da qual faz parte, gere o programa Creative Europe Media para apoiar o desenvolvimento, promoção e distribuição de trabalhos nos meios de comunicação europeus. “Nos próximos sete anos, vamos garantir que aqueles que solicitam fundos da Europa Criativa se comprometam com a igualdade de gênero nas estratégias de suas empresas”, disse ela.

Regulamentos

Regulamentação é um debate complexo e delicado, disse Adamo. Os reguladores precisam garantir que os diferentes direitos humanos em jogo não entrem em conflito. Por exemplo, as regulamentações não devem diminuir indevidamente a liberdade de expressão em prol da proteção da igualdade de gênero. 

Existem maneiras de fazer isso funcionar, disse ela. Em 2018, a Comissão Europeia introduziu uma diretiva para os meios de comunicação audiovisual que proíbe a transmissão de notícias de conteúdo que incite ao ódio ou à violência com base na raça, etnia, gênero ou orientação sexual, por exemplo.

“O conflito exacerba os estereótipos que levam à violência contra as mulheres e as minorias”, disse Sandino. A senadora colombiana elogiou as cotas de gênero na redação como uma opção, acrescentando que também deve haver um percentual mínimo de mulheres exigidas para cargos de chefia.

[Leia mais: Lições para aumentar a representação da mulher no jornalismo]

Liderança

Sandino considera a propriedade da mídia uma faceta fundamental da luta pela mudança. “Na Colômbia não há mulher dona de mídia. Todos os conglomerados são administrados por homens. Precisamos [de mulheres responsáveis] na gestão da informação, linguagem, eliminação de estereótipos e criação de espaço para as mulheres”, disse ela.

As mulheres responsáveis ​​também devem estar preparadas para afetar mudanças positivas também, observaram outros painelistas. “Não é apenas o fato de termos mais mulheres no espaço que é importante, é que as mulheres que estão entrando no espaço devem ter o entendimento correto do que estão fazendo no espaço, que poder têm e o que eles vão mudar”, disse Alaka. 

Fontes

Os painelistas concordaram com a necessidade de diversificar as fontes e citar mais mulheres especialistas em todas as questões. Muitas vezes, os jornalistas vão às mesmas fontes repetidamente, por conveniência. A mídia, no entanto, pode ajudar a transformar fontes femininas que geralmente não são consultadas em especialistas em seus campos ou para histórias específicas, observou Alaka. 

A redução dos estereótipos de gênero na mídia não resultará apenas em melhores reportagens, mas se irradiará para o resto da sociedade. “A vantagem da mídia é que ela vai além de se cuidar. Pode cuidar do resto da sociedade também, e é por isso que é importante fazer com que a mídia acerte, para que possamos ajudar o resto da sociedade”, disse Alaka.


Héloïse Hakimi Le Grand é membro do departamento de comunicações do ICFJ.

Foto por Alexander Suhorucov no Pexels