10 dicas para ensino online

por Rick Dunham
Mar 16, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Universidade Tsinghua, Beijing

No final de janeiro, quando a maioria das pessoas em todo o mundo via o novo coronavírus como uma crise médica remota, percebi que minha vida profissional e pessoal mudaria significativamente.

Como codiretor do Global Business Journalism, um programa de mestrado criado pelo Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês) e pela Universidade Tsinghua em Pequim, eu sabia que precisaríamos planejar conduzir nosso semestre virtualmente por meio de uma plataforma online, em vez das aulas presenciais na China. Como muitos de nossos estudantes internacionais, eu estava fora da China e não consegui retornar ao campus fechado.

Para o meu programa, essa crise se tornou uma oportunidade e o Global Business Journalism começou o novo semestre com todos os alunos presentes via Zoom: uma plataforma de videoconferência online. Agora que a COVID-19 é considerado uma ameaça global, muitas outras universidades estão respondendo da mesma forma. Mais de 200 universidades nos Estados Unidos e mais de 1.000 em todo o mundo passaram de aulas presenciais para online nas primeiras semanas de março.

Essa interrupção imprevista não precisa ser um fardo, se você é adaptável e inovador. “A educação online é uma oportunidade de tornar os cursos mais personalizados e flexíveis”, escreve a jornalista e educadora Lisa Waananen Jones.

Aqui estão 10 dicas para tornar uma experiência de aprendizado online mais gratificante:

[Leia mais: Empreendedorismo não é prioridade em faculdades de jornalismo. E agora?]

(1) Escolha a plataforma de ensino certa           

Antes de iniciar sua aula online, considere suas necessidades e determine a plataforma de aprendizado online mais adequada. Seu site de ensino online deve dar conta do número de pessoas em suas aulas ou reuniões, quanto tempo você planeja usá-lo e mais.

Muitas plataformas custam dinheiro, especialmente para planos "premium", portanto, considere seu orçamento e se você deseja aceitar as limitações dos sites gratuitos, que geralmente limitam o número ou os participantes ou limitam o tempo de suas sessões. Sites diferentes oferecem recursos diferentes, incluindo recursos de bate-papo para todo o grupo ou membros individuais e reuniões de grupo que ocorrem ao mesmo tempo, dentro da sessão da classe.

Além do Zoom (que estou usando), outras plataformas recomendadas pelo TechRadar incluem Docebo, Udemy, Skillshare, WizIQ, Adobe Captivate Prime e SAP Litmos. Outras alternativas com opções gratuitas incluem Moodle, ezTalks Webinar, Fastmeeting e Articulate Storyline. Algumas plataformas estão oferecendo descontos para escolas e organizações sem fins lucrativos, o que pode tornar as opções caras mais acessíveis.

(2) Faça um teste beta de sua plataforma

Enquanto trabalhava com meus colegas da Faculdade de Jornalismo e Comunicação de Tsinghua para montar nossas salas de aula virtuais, as assembleias democratas de Iowa demonstraram ao mundo os riscos de adotar novas tecnologias sem testes beta suficientes. Fizemos rapidamente testes beta em pequena escala de várias plataformas, e foi por isso que escolhemos o Zoom. Seguimos com um teste beta de cinco membros da equipe e, em seguida, com nossos alunos de primeiro ano. Cada teste foi bem-sucedido, então ficamos prontos para o lançamento oficial: tudo dentro de uma semana.

(3) Concentre-se em sua comunidade

Se você ainda não possui um grupo de bate-papo em mídia social para sua turma, crie um. Minha turma na Tsinghua usa WeChat, mas WhatsApp, Facebook, Slack e outras plataformas podem funcionar para você. Interajo com meus alunos com muito mais frequência durante esse período de aula online do que quando estávamos no campus juntos, respondendo perguntas rápidas e oferecendo dicas e sugestões.

Rick Dunham teaching an online class

(4) Pense visualmente

A maneira mais chata de ensinar é falar, por isso é importante adicionar elementos visuais à sua aula. Comecei modificando a aula virtual. Como filho de um designer de cenários da Broadway e ópera, criei um cenário para minhas palestras. Em uma nota mais substantiva, vario as imagens na tela a qualquer momento, sejam com fotos ou vídeos. Como a maioria das plataformas de videoconferência permite que você compartilhe sua tela, eu mostro exemplos de práticas recomendadas e até conduzi pesquisas ao vivo de bancos de dados online.

Se você precisa de ajuda para projetar conteúdo inovador, a Torrey Trust, da Universidade de Massachusetts em Amherst, montou um deck do Google Slide com ideias inovadoras, links para plataformas de tecnologia visual e outros conselhos para o ensino online.

Claro, sempre existe o risco de um dos seus exercícios visuais dar errado, mas isso faz parte da emoção da TV ao vivo.

[Leia mais: Como não cair em visualizações de dados enganosas]

(5) Diminua suas expectativas 

Inevitavelmente, algo dará errado em tempo real: o streaming de vídeo, o áudio de alguém, a conexão com a internet de alguém, as conversas ao vivo ou algo que você nem sequer considerou. Paciência é importante. Quando seus alunos entenderem que essa sala de aula virtual pode não ser perfeita, todos ficarão um pouco menos ansiosos se sofrerem algum tipo de mau funcionamento.

(6) Adapte seus materiais de aula

Não basta transferir suas anotações de aula ou apresentações do PowerPoint para um formato online. Você precisa se comunicar de maneira diferente da aula. Online, não há interação natural de professores e alunos, e os alunos online não levantam as mãos nem dão a você uma pista não verbal de que gostariam de participar de uma discussão. Em vez disso, você precisa convidá-los para a discussão por meio de bate-papos de mídia social simultâneos ou pesquisas online.

(7) Perdoe as complicações de seus alunos

Minha experiência de ensino remoto é incomum, pois meus alunos estão distribuídos em 22 fusos horários. Minha aula começa às 9 horas na costa leste dos Estados Unidos, o que significa 22 horas no Japão e na Coréia, às 17 horas em Omã, 15 horas na África do Sul e assim por diante. Alguns alunos, enclausurados na casa dos pais, precisam sussurrar para não acordar parentes dormindo, assim tenho permitido que apresentem trabalhos "orais" por meio da função de bate-papo em grupo.

Lembre-se: não é culpa dos alunos que o semestre tenha se tornado tão complicado.

(8) Dê atenção individual a seus alunos

É importante criar ou manter relacionamentos com todos da turma, o que se torna particularmente importante quando você não pode se envolver nas interações sociais básicas de uma sala de aula. Em vez de ter meu horário regular de escritório semanal, ofereço horários virtuais de trabalho nos horários que eu pré-agendo com cada aluno. Como alguns alunos são tímidos, procurei agendar reuniões antes das principais tarefas. No final de cada palestra, deixo alguns minutos para os alunos que desejam ficar na sala de aula virtual e me fazerem perguntas.

Também respondo a mensagens de mídia social ou e-mails de meus alunos dentro de um dia -- ou mais cedo, se possível -- porque acredito que é importante mostrar aos alunos que você se importa com a experiência e o progresso de sua aprendizagem. Isso nem sempre é possível, dependendo do tamanho da turma, mas priorize as necessidades dos alunos e responda o mais rápido possível.

(9) Faça atividades físicas

Nas primeiras semanas de ensino online, me senti sozinho ou irritado. Eu estava acostumado às interações com os alunos e à camaradagem social no meu escritório. Para lidar com isso, faço questão de me exercitar regularmente. Outros na China e na Itália desenvolveram mecanismos de enfrentamento muito mais criativos durante as semanas de quarentena. Aqueles que são livres para se deslocar em nossas cidades devem agir com responsabilidade, mas não queremos nos enclausurar e viver em um mundo de medo irracional.

(10) Confie no seu auxiliar de ensino ou na equipe do escritório

Ensinar remotamente requer mais trabalho do que ensinar na sala de aula. Requer mais coordenação, comunicação e planejamento logístico do que os cursos normais, e pode ser um desafio no dia a dia. Treine seu auxiliar de ensino ou a equipe do escritório para lembrar os alunos de tarefas futuras, palestras e alterações de horário e lembre-se sempre de dizer "obrigado" à equipe que o ajuda.

Nenhum de nós está nisso sozinho. A presidente do Amherst College, Biddy Martin, estava falando comigo quando ela informou seus alunos e funcionários em 9 de março de uma mudança temporária para ensino online.

“Será difícil abster-se, mesmo que temporariamente, da estreita conversa e atenção individual que define o Amherst College”, escreveu ela, “mas nossos professores e funcionários farão com que essa mudança seja recompensadora à sua maneira e estamos agindo no interesse de todos.”

Recursos adicionais:


Rick Dunham é codiretor do programa Global Business Journalism e professor visitante de jornalismo na Universidade Tsinghua em Pequim. Repórter de Washington por 29 anos e ex-presidente do National Press Club, ele é autor do livro de jornalismo“Multimedia Reporting” (Springer, 2019).