Como não cair em visualizações de dados enganosas

porCorinne Podger
Nov 20, 2019 em Jornalismo de dados
Homem olhando para o gráfico

Em seu novo livro, "How Charts Lie", Alberto Cairo não mede palavras quando expõe os perigos de visualizações de dados mal projetadas. Ele identifica cinco categorias de designs de gráficos que não são o que parecem à primeira vista: desde os que contêm dados insuficientes até os que ocultam ou enganam deliberadamente o leitor.

Veja, por exemplo, o risco de morrer de homicídio nos Estados Unidos. "Se você criar um gráfico que inclua apenas a taxa nacional de assassinatos, parece que os Estados Unidos estão se tornando mais perigosos — mas isso não é verdade", disse Cairo, que ocupa a Cátedra Knight de Jornalismo Visual da Universidade de Miami.

“A maioria dos lugares nos Estados Unidos tem taxas de assassinatos muito baixas, mas alguns têm taxas de assassinatos tão altas que distorcem a taxa nacional”, continuou ele. “Se você realmente deseja informar o público, precisa incluir dados locais e regionais.”

 

Alberto Cairo and the book "How Charts Lie"

Causas do design de baixa qualidade

Um design de gráfico ruim geralmente é o resultado de uma simplificação excessiva ao tentar facilitar a compreensão de informações complexas, de acordo com Cairo. No entanto, no extremo mais sinistro do espectro, existem gráficos que deliberadamente ocultam a complexidade ou sugerem padrões enganosos nos dados subjacentes. Esses gráficos podem tentar desacreditar evidências científicas, promover alegações falsas, significar causalidade quando não existe ou apoiar vieses específicos.

Como exemplo desse último, Cairo examina abertamente em seu livro a possível influência que gráficos enganosos distribuídos por grupos racistas nos EUA poderiam ter tido sobre Dylann Roof, que foi condenado pelo assassinato de nove fiéis afro-americanos em uma igreja da Carolina do Sul em 2015.

"Sou cuidadoso com a redação dessa seção porque [os gráficos] não são a razão pela qual essa pessoa cometeu esse ato terrível", disse Cairo. "Mas o que teria acontecido se esse tipo de pessoa não fosse exposto a essa desinformação?"

O papel dos jornalistas

Os jornalistas podem se proteger de serem “enganados” pelos gráficos, primeiro aceitando que são tão vulneráveis ​​quanto o público em geral quando se trata da qualidade persuasiva de um visual simples.

“Precisamos parar de acreditar — consciente ou inconscientemente — que gráficos são ilustrações. Eles não são. São argumentos formulados visualmente e precisam ser avaliados e verificados com o mesmo cuidado que qualquer outra coisa que colocamos ao escrever uma matéria”, afirmou.

A verificação deve descobrir em que dados um gráfico se baseia, se é de uma fonte respeitável, se é baseado em uma amostra representativa e se alguma informação foi deixada de fora ou encoberta, o que poderia tornar a visualização errada ou enganosa.

Os gráficos dos dados da pesquisa também devem deixar claro para o público se há alguma incerteza ou margem para erro, o que Cairo disse que deveria ser uma prática rotineira ao cobrir as eleições.

"Quantas vezes vi uma manchete dizendo que o candidato A está à frente do candidato B, mas depois li os números e são 45% versus 43%? Se a margem de erro é de quatro pontos, você não pode afirmar que está à frente”, afirmou.

"Você pode dizer que os candidatos parecem empatados ou sair e obter mais pesquisas e agregá-las, porque isso lhe dará uma imagem muito mais clara do que uma única pesquisa," afirmou.

Carlotta Dotto, jornalista de dados do First Draft News, disse que sua organização está cada vez mais preocupada com informações maliciosas ou enganosas apresentadas em gráficos. Ela disse que o livro de Cairo ajudará jornalistas a criar confiança nos gráficos que eles mesmos criam e verificar gráficos fornecidos por suas fontes.

"Estamos cada vez mais analisando isso e desenvolvendo treinamentos para redações, acadêmicos e estudantes de todo o mundo sobre como usar o jornalismo de dados para coletar e visualizar dados e identificar uma visualização ruim", disse ela.


Um dos gráficos de Cairo é este mapa que mostra os resultados das eleições de 2016 nos EUA.

Dicas práticas

O livro de Cairo está repleto de dicas práticas, tornando-o um ótimo recurso para criar melhores gráficos e interpretar os gráficos que você recebe de uma fonte. 

Aqui estão os cinco principais tópicos:

  1. Obtenha o máximo de dados possível e verifique se são confiáveis.
  2. Aprenda a diferença entre a média, que é a média de uma lista de números, e o mediano, que é o número no meio da lista.
  3. Escolha o design certo para o seu gráfico. Deve ser um gráfico de linhas, um mapa de calor, um gráfico de pizza ou algo mais? Esta postagem de blog de 2018 do HubSpot tem informações sobre os tipos de gráficos e como selecionar um para melhor visualizar seus dados.
  4. Pense com cuidado sobre o nome do seu gráfico. Um gráfico bem elaborado pode se tornar enganoso se o seu título apresentar alegações de que os dados subjacentes não são compatíveis.
  5. Esteja disposto a desafiar suas suposições. Os dados que você coleta podem não suportar um argumento que você planejava fazer e podem vir com nuances que precisam ser explicadas.

Para Cairo, um aspecto positivo é o crescente número de ferramentas de visualização de dados gratuitas e de baixo custo, como Datawrapper e Flourish, que tornaram a produção de histórias de alta qualidade e baseadas em dados acessíveis até mesmo para as redações menores.

"Pensamos no New York Times como o padrão-ouro de visualização de dados, mas na Flórida, o Tampa Bay Times tem apenas duas ou três pessoas produzindo esse tipo de trabalho e está fazendo matérias vencedoras do Pulitzer", disse ele. "Essas ferramentas estão tornando os gráficos mais parecidos de certo modo com a escrita, no sentido de que é algo que todos podem aprender e se beneficiar, e eu acho isso maravilhoso."


Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Frank Busch