Uma rede de apoio para jornalistas jovens

porIris Pase
Jan 7, 2021 em Jornalismo colaborativo
Home office com um laptop, Apple Watch e fones de ouvido

A pandemia de COVID-19 teve um grande impacto nas redações de todo o mundo: os jornalistas viveram um ano repleto de notícias, mas cheio de desafios. Enquanto a indústria da mídia desempenha um papel fundamental no combate à desinformação, jornalistas em todo o mundo sofreram tanto mental quanto financeiramente.

A pesquisa Jornalismo e a Pandemia do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês) do Tow Center for Digital Journalism da Universidade Columbia descobriu que 65% dos entrevistados disseram ter menos segurança no emprego agora do que antes da COVID-19.

Nesse cenário, construir uma carreira na jornalismo tornou-se cada vez mais difícil. Muitos decidiram trabalhar como freelancers, muitas vezes sem realmente saber como fazer contatos ou achar oportunidades, ou mesmo como escrever uma proposta de pauta. Não é incomum que aspirantes a jornalistas em busca de emprego enfrentem rejeição tantas vezes que consideram desistir da profissão.

Esta é a razão pela qual a estudante Asyia Iftikhar, em Londres, criou a Young Journalist Community (YJC). Fundado em maio passado, a YJC é um grupo do Facebook voltado para jornalistas aspirantes e em início de carreira. Lá, as pessoas podem trocar conselhos, encontrar oportunidades de emprego e promover o seu trabalho.

[Leia mais: Dicas para focas no jornalismo durante a pandemia]

 

Agora ela mesma uma jornalista freelance, Iftikhar construiu uma rede de apoio internacional liderada por colegas. Ela explicou em entrevista que o projeto nasceu de sua própria experiência ao tentar entrar sem sucesso na indústria do jornalismo no início do ano.

“Eu participava de muitos webinars e eventos do Zoom, mas muitas vezes descobri que eram jornalistas bem velhos dando conselhos”, disse ela. “Senti que eles estavam tratando de problemas que não existiam mais. Eles simplesmente não entendem muito bem como é tentar entrar na indústria da mídia hoje em dia.”

Graças à parceria com o PressPad UK, uma empresa social premiada que visa diversificar a mídia, a comunidade de jovens jornalistas preencheu a lacuna de gerações, transformando os conselhos de seus membros em recursos gratuitos. Isso inclui, entre outros, um "banco de propostas de pauta de sucesso" e uma planilha com os contatos e pagamentos de editores.

Charlotte Colombo, jornalista de Londres e membro do grupo, disse à IJNet: “Isso realmente me ajudou a fazer contatos e conhecer novas pessoas, o que foi especialmente útil durante o bloqueio, quando todos nos sentíamos um pouco isolados”. Colombo disse que recebeu seu primeiro trabalho pago pelo jornal britânico Metro usando recursos oferecidos pelo grupo.

O networking dentro da YJC também permitiu que comunidades sub-representadas e jornalistas interessados ​​em especialidades particulares criassem redes separadas. “Houve muitos grupos derivados que gostei de ver e também eu mesma criei”, disse Iftikhar.

[Leia mais: Com aulas online, jornais estudantis se adaptam ao trabalho remoto]

 

Por ser uma mulher negra, ela buscava conversar com seus colegas para trocar experiências e conselhos comuns. “Agora eu tenho um bate-papo realmente bacana no Twitter com alguns jornalistas incríveis e somos todos bons amigos. Isso tem sido muito útil porque significa que dentro da comunidade eu encontrei uma comunidade de pessoas com quem conversar. ”

Os integrantes também foram inspirados pelo grupo a criar seus próprios projetos, ampliando a voz de uma nova geração de profissionais da mídia. Sophie Kiderlin, uma jovem jornalista que trabalha na Alemanha e o Reino Unido, iniciou e promoveu seu próprio podcast graças à comunidade. “Recebi uma resposta incrível e encontrei um co-apresentador para o podcast, bem como muitos convidados legais ​​que estamos entrevistando”, disse ela.

Em um campo conhecido por sua competitividade, a comunidade de jovens jornalistas provou ser um lugar seguro para interagir com outros jornalistas. “Provavelmente minha maior conquista foi conseguir manter --- até agora, cruzando os dedos-- um espaço muito positivo”, disse Iftikhar.

Kiderlin concordou: “Nunca tive uma experiência negativa com ninguém do grupo. Todos com quem entrei em contato foram realmente abertos, prestativos e me apoiaram.”

Devido à pandemia, as redes online tornaram-se particularmente importantes para jornalistas que estão dando seus primeiros passos na indústria. Agora sendo replicada em uma base local, esta iniciativa é um passo em direção a um cenário de jornalismo mais acessível.

Os planos de Iftikhar para o futuro são organizar mais eventos da comunidade para as pessoas fazerem contatos, que ela espera que acabem virando offline. “Ser estudante e freelancer pode isolar tanto que você se sente a única pessoa”, disse ela. “Não há um escritório ou um espaço onde você esteja apenas sentado, então seria bom poder fazer um fórum onde possamos [criar] oportunidades pessoais.”

A comunidade de jovens jornalistas conta atualmente com mais de 3.500 membros de todo o mundo e está crescendo continuamente, oferecendo a ainda mais jornalistas a chance de começar sua carreira.

“Eu realmente espero que a comunidade continue a crescer e alcançar mais pessoas”, disse Iftikhar. “Eu sinto mesmo que agora tenho pessoas para me apoiar e a quem acudir, o que eu não tinha antes. Espero que o espírito de comunidade continue e que possamos continuar a quebrar as barreiras tóxicas.”


Iris Pase é jornalista freelance residente em Glasgow.

Imagem sob licença no Unsplash via Major Tom Agency