Práticas de fotojornalismo recomendadas durante COVID-19

por IJNet
Apr 2, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Fotojornalista em equipamentos de proteção

Fotojornalismo pode ser uma linha de trabalho perigosa, especialmente quando se trata de cobrir eventos e desenvolvimentos críticos no local. Ambientes de alto risco para fotógrafos podem incluir zonas de conflito e países passando por distúrbios civis e instabilidade. Os exemplos atuais incluem conflitos na Síria, Palestina e Iêmen, entre outros.

Crises de saúde, como os recentes surtos do ebola, SARS e H1N1, apresentam preocupações de segurança especiais para fotojornalistas. Durante a pandemia de COVID-19, é imperativo apoiar e proteger os fotojornalistas -- incluindo freelancers -- para que eles possam lidar melhor com os riscos da crise de saúde.

Reuni dicas de segurança de fontes especializadas, incluindo eu mesmo, para fotojornalistas enquanto continuam a reportar sobre o novo coronavírus hoje:

Boas práticas de segurança

Acima de tudo, os fotojornalistas devem garantir sua segurança e bem-estar durante suas reportagens sobre o novo coronavírus. O jornalista e instrutor de segurança de jornalismo Sami Abu Salem descreve os procedimentos mais importantes a serem seguidos:

  • Reduza o tempo gasto com reportagens no local; cubra pessoalmente quando for absolutamente necessário. Concentre-se em fotografar eventos e desenvolvimentos importantes, estritamente relacionados à disseminação do vírus. Considere renunciar à cobertura presencial de eventos de rotina que podem ser de menos importância para o público.
  • Certifique-se de esterilizar cuidadosamente todo o seu equipamento fotográfico. Isso inclui câmeras, lentes, telefones celulares, unidades de iluminação, tripés e mais. Proíba terceiros de usar ou tocar em seu equipamento, exceto quando absolutamente necessário.
  • Mantenha-se atualizado sobre os estudos, pesquisas, notícias e informações mais recentes sobre a disseminação do vírus, tanto em nível local quanto internacional. Atualize continuamente suas próprias práticas recomendadas de acordo com informações confiáveis.
  • Mantenha uma comunicação consistente com organizações de apoio e médicos especializados credenciados pelo departamento de saúde local. Faça uma lista de contatos de emergência, incluindo nomes de especialistas e suas especialidades, com suas informações de contato.

[Leia mais: COVID-19: Um novo território para fotojornalistas]

 

Mahmoud Al-Hams, fotógrafo da Agence France-Presse, ofereceu o seguinte conselho de segurança:

  • Certifique-se de planejar todos os riscos potenciais durante o trabalho e desenvolver um plano de emergência de acordo.
  • Use lentes de longa distância focal ou lentes telefoto. Isso permitirá que você tire fotos eficazes enquanto mantém distâncias seguras.
  • Evite entrar em centros de saúde, unidades de terapia intensiva e locais de quarentena.
  • Veja se consegue tirar fotos de fora.
  • Use seu crachá de imprensa quando estiver em locais oficiais. Isso reduzirá o questionamento ao qual você pode estar sujeito no local.
  • Reduza o deslocamento de transporte público. Se você usar um carro para reportar, estacione-o a uma distância segura dos locais de alto risco.

Dr. Magdi Dhuhair, presidente do Comitê de Controle do Coronavírus na Faixa de Gaza, deu as seguintes dicas:

  • Certifique-se de que tem uma boa saúde e não sofre de problemas de saúde que o tornam mais vulnerável ao vírus. Cuide do seu sistema imunológico dormindo e descansando o suficiente, e coma alimentos saudáveis com vitaminas e proteínas.
  • Use o equipamento de proteção adequado, como máscara facial e luvas. É importante trocar continuamente as máscaras e luvas também. Se possível, use equipamentos de proteção adicionais, como óculos de proteção e sapatos de couro.

[Leia mais: Protestos e coronavírus: risco duplo para fotojornalistas]

O Sindicato de Jornalistas Palestinos publicou um guia para jornalistas e organizações de imprensa ao cobrir a COVID-19. Inclui as dicas abaixo:

  • Siga as diretrizes do departamento de saúde sobre o contato direto com os doentes. Tenha cuidado ao interagir com pessoas em campo que apresentam sintomas como febre e tosse, principalmente em hospitais, postos de saúde, postos de fronteira, aeroportos e portos. Siga as melhores práticas de higiene pessoal e use equipamentos de proteção para reduzir o risco de infecção.
  • Mantenha um kit totalmente abastecido de suprimentos médicos e preventivos durante a reportagem. Certifique-se de embalar materiais de esterilização em seu kit de primeiros socorros. Sempre traga isso com você ao reportar em campo.
  • Evite entrar em contato físico -- apertos de mão e abraços, por exemplo -- com colegas. Mantenha uma distância de pelo menos dois metros entre você e outras pessoas, especialmente em coletivas de imprensa e locais de trabalho.
  • Esterilize suas mãos e rosto antes, durante e depois de realizar reportagens no local e antes de retornar ao escritório.
  • Não hesite em pedir ao seu empregador ou organização de imprensa para adquirir equipamentos de proteção. Esteja ciente de que mesmo as melhores práticas e os equipamentos mais sofisticados podem, no entanto, ser ineficazes em casos graves.
  • Evite estar em locais lotados e reuniões públicas, pois podem expô-lo ao contato com pessoas que podem ser portadoras do vírus.
  • Lembre-se de que algumas situações podem ser simplesmente perigosas demais para fazer sua reportagem.

Melhores práticas de fotografia

  • Tire fotos dos afetados de uma forma que proteja sua identidade, privacidade e dignidade. As fotos devem mostrar preocupação e empatia por eles. Evite momentos intrusivos de tristeza e pesar de familiares e amigos próximos.
  • Concentre-se em retratar histórias e tópicos que ajudem a informar as pessoas sobre os perigos da pandemia e as medidas que podem ser tomadas para mitigá-los.
  • Evite fotografar cenas que mostrem pessoas com problemas de saúde, como alguém com dores ou sofrendo. Essas imagens podem causar pânico nas pessoas e podem deixá-las ansiosas e com medo.
  • Preste atenção especial a equipes médicas que prestam serviços às pessoas durante a pandemia. Isso pode incluir a documentação dos esforços de equipes médicas e pessoal de apoio, como pessoal de segurança, para ajudar os doentes e fornecer cuidados de saúde.
  • Não hesite em informar seu empregador ou organização de imprensa relevante se estiver se sentindo mal. Isso inclui a exibição de sintomas como febre, tosse e falta de ar. Se você se sentir doente, coloque-se em quarentena para não expor outras pessoas.

Por fim, se você é um fotojornalista freelance interessado em reportar sobre a COVID-19, certifique-se de primeiro contatar um editor para ter certeza de que você tem um veículo interessado na história ou tema e averigue o montante de apoio institucional que poderá lhe fornecer.


Naaman Omar é o fundador do site de fotojornalismo independente com sede em Gaza, APAimages. Ele foi um participante do Centro de Mentoria da IJNet 2019-20 para Empreendedores de Mídia no Oriente Médio e Norte da África.

Imagem principal licenciada para uso por APAimages


Leia mais artigos de