Monitorando equipamentos de COVID-19 e auxílio emergencial no Zimbábue

Apr 15, 2021 em Jornalismo investigativo
Lupa e computador

O jornalismo investigativo no Zimbábue desempenhou um papel crítico na descoberta de corrupção no governo no ano passado — especialmente no caso da aquisição de equipamentos para a COVID-19 e da distribuição do auxílio emergencial.

Recursos são essenciais para a realização de uma investigação completa, disse o premiado jornalista investigativo, delator e documentarista Hopewell Chin'ono, que no ano passado descobriu corrupção na aquisição do governo de equipamentos para COVID-19. Sua investigação levou à demissão do ministro da Saúde e Assistência Infantil do Zimbábue, Obadiah Moyo

“O jornalismo investigativo requer recursos; pude fazer minha matéria do corona [vírus] porque tinha recursos”, disse Chin’ono. “Tive de fazer seguimentos na Namíbia [e] em Dubai, e se você não tiver ninguém para verificar as pistas para você nesses casos, torna-se um desafio.”

Muita corrupção no país passa despercebida porque muitos jornalistas não têm acesso a esses mesmos recursos, continuou ele. “O jornalismo investigativo está morto no momento porque não há recursos para reportagem. Se a corrupção está acontecendo na [mineradora local] Hwange Colliery, por exemplo, os jornalistas precisam ir lá e passar vários dias, o que exige um dinheiro que não existe ”, disse ele.

[Leia mais: COVID-19 na Europa: investigação revelou irregularidades nos gastos]

 

Com bilhões de dólares em doações e fundos de socorro circulando para combater a COVID-19, monitorar seu uso é de suma importância.

A Transparência Internacional do Zimbábue (TIZ), uma coalizão que combate a corrupção, compilou um Rastreador de Recursos da COVID-19 online, que jornalistas investigativos podem usar para ajudar em suas reportagens. “No ano passado, a TIZ iniciou um litígio público contra o Ministério da Saúde, solicitando uma matriz de distribuição de todos os recursos da COVID-19”, disse Thubelihle Ncube, estagiária de advocacia e jurídico da TIZ. “A TIZ ganhou o caso e o Ministério foi ordenado pelos tribunais para nos fornecer essa informação.”

O Rastreador de Recursos da COVID-19 contém os seguintes dados:

(1) Resumo de doações
  • Esta página rastreia as doações recebidas pelo Governo do Zimbábue para responder à pandemia de COVID-19.
(2) Resumo de aquisições
  • Esta página contém uma lista de empresas e instituições que receberam fundos pelo Governo do Zimbábue para a compra de bens e serviços em resposta à pandemia de COVID-19.
(3) Recibos e detalhes de distribuição

“Jornalistas investigativos [podem] visitar [nosso site] para tentar verificar se o que o governo diz que foi divulgado realmente chegou aos destinatários pretendidos”, disse Ncube.

Da mesma forma, o Conselho Voluntário de Mídia do Zimbábue, uma organização que busca defender a ética do jornalismo profissional no país, criou um fundo para monitorar a corrupção relacionada à pandemia.

[Leia mais: Como uma investigação expôs preços inflados de equipamentos de proteção em El Salvador]

 

“O fundo de jornalismo investigativo que lançamos visa monitorar o que o governo e as partes interessadas estão contribuindo para a gestão da COVID-19”, disse Loughty Dube, diretor da organização. “As investigações devem se concentrar na mobilização de recursos, utilização de recursos [e] processos de licitação, porque muita corrupção ocorreu nos primeiros estágios da pandemia no Zimbábue.”

Dube observou que, quando grandes quantias de fundos estão envolvidas, podem ocorrer transgressões ou manuseio incorreto. Garantir a transparência é fundamental. “Por exemplo, as pessoas ouviram falar de uma doação de equipamentos de proteção individual e outras remessas por Jack Ma, mas ninguém sabe como foram distribuídos. Idealmente, quando você tem essas doações, você deve ter um plano de distribuição que deve ser divulgado publicamente”, disse ele.

Os esforços investigativos também destacaram a importância da análise e visualização de dados para comunicar as descobertas aos leitores.

“Usando dados brutos fornecidos por agências doadoras, organizações cívicas [e] até mesmo de vários departamentos do governo, posso analisar uma situação e compilar uma imagem do que está acontecendo no local. Em seguida, apresento essas informações visualmente usando ferramentas como Flourish ou Tableau para tornar os dados mais atraentes e mais simples para o público”, disse Lulu Brenda Harris, jornalista investigativa e política sênior. “No momento, estou investigando a compra de vacinas pelo governo do Zimbábue, por meio da análise dos dados fornecidos. Observei que havia uma lacuna, pois os números que foram lançados não batem.”

Apesar das consequências negativas da COVID-19 para muitos aspectos do setor de notícias, a pandemia ressaltou a necessidade de um jornalismo investigativo de qualidade, disse Limukani Ncube, editor do Sunday News. 

“Há espaço para o jornalismo investigativo porque a vida não parou nem mesmo durante o período de confinamento”, disse ele. “Havia muitas atividades acontecendo e muitas promessas feitas pelas autoridades que precisam ser investigadas.”


Lungelo Ndhlovu é um premiado jornalista baseado em Bulawayo, Zimbábue, especializado em redação de notícias, fotografia e produção de vídeo.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Agence Olloweb