Luto e COVID-19: Entrevistando familiares de vítimas

porAbby Geluso
Sep 8, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Estátua da dor

A COVID-19 devastou o mundo em menos de um ano, matando quase 900.000 pessoas e infectando mais de 27 milhões. Familiares são deixados para trás sofrendo suas perdas por um vírus que continuará a mudar nosso modo de vida.

Especialistas em luto e médicos têm prática na tarefa de falar com quem perdeu alguém em suas vidas. Agora, mais jornalistas estão assumindo esse manto.

O New York Times, Washington Post e CNN são apenas alguns dos veículos que publicaram séries de memória para homenagear as vítimas da COVID-19. Repórteres de diferentes editorias foram chamados para contribuir com artigos memoriais, que geralmente incluem entrevistas com amigos próximos e parentes da vítima.

O editor sênior do New York Times, Joshua Barone, escreve sobre artes e arquitetura. Em abril, o Times convocou Barone para cobrir a morte de várias figuras da indústria musical para sua série, Those We’ve Lost.

Barone já era familiarizado com a forma de abordar alguém em luto por um ente querido; ele começou sua carreira de jornalista escrevendo obituários no jornal da faculdade. Era uma missão que ele havia evitado desde então, até que a COVID-19 apareceu.

[Leia mais: Como escrever sobre perdas humanas durante pandemia de COVID-19]

 

“Normalmente eu escrevo sobre música e os obituários que escrevi foram no mundo da música. E essa é uma indústria como tantas outras que foi gravemente afetada pela pandemia”, disse Barone. “É uma conversa com um objetivo, mas eles entendem muito bem isso porque querem levar a história de seu ente querido para o mundo.”

A coisa mais importante que um repórter pode fazer é abordar a conversa com compaixão, como faria com qualquer pessoa que perdeu um ente querido.

“Seja paciente e deixe as pessoas falarem por muito tempo”, disse Barone, que entrevistou a viúva do maestro e líder do festival de música Joel Revzen pouco depois de sua morte. “É um choque tão novo para tantas pessoas que muitas vezes se esquecem de dizer coisas das quais se lembrarão mais tarde na conversa. É sempre bom no jornalismo calar a boca e ouvir. Mas, especialmente no caso de obituários, é crucial porque as pessoas se lembram de muito ao longo do caminho.”

Às vezes, pode ajudar falar com os entrevistados mais de uma vez. Se a pessoa parecer sobrecarregada ou relutante em falar, é importante sentir isso e determinar se um telefonema de seguimento seria apropriado e útil.

“No jornalismo, precisamos ouvir mais do que de fazer perguntas, e as perguntas devem ser feitas no momento apropriado”, disse a bolsista Knight do ICFJ, Fabiola Torres, diretora e fundadora do Salud Con Lupa, um site de notícias de saúde do Peru, que também iniciou seu próprio projeto memorial. “Tentamos determinar se é a hora certa para conversar ou se devemos ligar novamente mais tarde. Para ajudar os familiares que nos fornecem as informações a se sentirem bem, trocamos várias ligações e mensagens para deixar claro que usaremos os dados que eles nos fornecerem de maneira respeitosa.” 

[Leia mais: A perda por trás dos números: Como o jornalismo brasileiro está registrando as mortes por COVID-19]

 

A psicóloga Yasmine Saad aconselha jornalistas a se educarem sobre os cinco estágios do luto antes de abordar a família de uma vítima.

“Alguém pode estar em vários estágios diferentes ao mesmo tempo. Alguém pode negar pela manhã, ficar com raiva à tarde e negar novamente na manhã seguinte”, disse Saad. "Portanto, conhecer o estado é muito útil porque, no momento em que você encontra uma família, você pode sentir onde eles estão. E com base em onde eles estão, você pode ajustar sua abordagem.”

Como jornalistas, temos prática em nos relacionar com histórias e pessoas e podemos orientar as conversas com base em nossos instintos. Dessa forma, entrevistar para obituários não é tão diferente.

“O luto é um processo tão pessoal e a personalidade da pessoa, sua cultura e suas crenças se filtram tanto que o melhor conselho é usar sua intuição. Empatia é captar o que a pessoa está transmitindo, corresponder e sintonizar-se com ela", disse Saad.

Especialistas do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Universidade de Washington preveem que, muito provavelmente, 2,8 milhões de pessoas em todo o mundo morrerão de COVID-19 até 1º de janeiro. Isso significa que mais de 25 milhões de pessoas em todo o mundo terão sofrido perda de um ente querido devido ao coronavírus até o final do ano, de acordo com um estudo recentemente que estima que, para cada morte, nove parentes próximos são deixados para trás.

O isolamento sentido por causa dos bloqueios tornou a perda do vírus ainda mais impactante. As famílias não podem chorar juntas, algumas sentem o fardo da culpa se as recomendações de distanciamento social são desprezadas e muitas não podem estar ao lado de seus entes queridos devido a restrições. Como resultado, a perda durante a pandemia afetará os enlutados de uma nova maneira.

Tirar proveito de suas próprias experiências é útil para reconhecer e sentir empatia pelo luto, mas Saad desaconselha compartilhar diretamente sua própria história de perda.

“A história de cada pessoa é diferente e, ao compartilhar a sua, a pessoa vai sentir que a percepção não é a mesma. Não é útil porque se torna uma comparação quando você compartilha sua história: você convida a pessoa a sair de sua própria tristeza de sua própria história e entrar em sua história”, disse Saad. “Essa tática que visa a empatia pode realmente sair pela culatra.”

O luto é universal, mas assume uma forma diferente em cada pessoa. Embora nunca seja fácil sofrer ou falar, os jornalistas estão se esforçando para contar as histórias daqueles que se foram. Como Saad, Barone e Torres recomendam, certifique-se de abordar suas entrevistas e o próprio artigo com a compaixão, paciência e flexibilidade que eles exigem.


Abby Geluso é repórter freelance com base em Nova York.

Imagem sob licença CC no Unsplash via K. Mitch Hodge.