Jornalistas compartilham dicas para começar uma carreira freelance de sucesso

por Taylor Mulcahey
Jun 26, 2018 em Freelance

Mais de 100 pessoas se conectaram à nossa comunidade no Slack para um recente bate-papo da IJNet Live sobre jornalismo freelance. Os freelancers internacionais Mridu Khullar Relph, Jacob Kushner, Olivia Crellin e Farahnaz Mohammed responderam a perguntas sobre como criar um site, encontrar oportunidades de frila, negociar pagamentos, enviar sugestões de pautas, colaborar com colegas freelancers e muito mais.

A maioria dos participantes enviou perguntas antes do início do bate-papo pelo formulário de inscrição e redes sociais. Essas perguntas forneram um guia para a conversa, mas todos puderam fazer perguntas, o que manteve a conversa fluindo.

Primeiro passo para fazer frila

Começamos a conversa com uma pergunta que muitos leitores perguntaram de antemão: como se inicia uma carreira como freelancer?

Os líderes do chat concordaram que é melhor começar a trabalhar como freelancer enquanto você ainda tem um emprego estável, ou pelo menos uma grande soma de dinheiro economizada, já que o trabalho freelance (especialmente quando você está começando) não é financeiramente estável. Eles explicaram que seu foco principal deve ser o máximo de experiência possível. Embora fazer marketing pessoal seja importante, Kushner aconselha freelancers em início de carreira a não ficarem preocupados demais com a aparência do seu site.

Quando perguntado sobre qual site é o melhor para mostrar seu trabalho, Mohammed respondeu quase que imediatamente: "WordPress". A chave é ter um portfólio online simples e direto para enviar aos editores quando você estiver tentando fazer um novo trabalho. Se você precisar de ajuda para fazer um, a IJNet tem um post dedicado a criar um portfólio fácil e gratuito.

Negociando pagamento

Dada a pressão para criar um portfólio, muitos participantes perguntaram sobre a possibilidade de escrever para uma publicação que não oferece compensação.

“Eu pessoalmente não recomendo escrever de graça. Eu acho que há maneiras muito melhores de conseguir trabalho”, disse Relph. “Se isso ajuda você a conseguir o primeiro artigo, ótimo. Mas, em geral, como prática, não é uma boa estratégia, na minha opinião, e muitas vezes não leva a um trabalho pago pelo cliente."

Kushner concordou com isso, acrescentando que a falta de vontade de pagar demonstra falta de respeito pelo trabalho dos freelancers.

Valentina e Vladimir, usuários do Slack, perguntaram sobre pagamentos de freelancers e como saber se você está sendo pago o suficiente pelo seu trabalho. Os líderes de bate-papo compartilharam links para o Who Pays Writers e Contently’s Rates Database. Esses sites rastreiam quanto organizações pagam a freelancers para que você possa ver se seu pagamento se compara aos padrões do setor.

Também é importante discutir as taxas de desembolso, como transporte, antes de começar a trabalhar. Não assuma que esses custos serão reembolsados, disse Mohammed.

"Você é o seu próprio negócio e deveria estar tratando a si mesmo como um", disse Mohammed. "Controle suas despesas, acompanhe suas faturas e não aceite pagamentos baixos sem uma boa razão."

Para mais informações sobre este assunto, confira o curso online de Relph sobre freelancing como um negócio.

Enviando sugestões de pauta

Uma carreira de freelancer significa que você precisa aprender a enviar sugestões de pauta e muito bem. Muitos participantes do chat perguntaram alguma variação de uma questão muito geral: como você desenvolve boas ideias de reportagem?

"Esteja interessado em pessoas e o que está acontecendo ao seu redor", disse Mohammed. "Você não costuma encontrar histórias ótimas lendo matérias que já foram publicadas."

Outros líderes do bate-papo sugeriram a leitura de notícias locais e a certeza de que suas ideias são realmente adequadas para as organizações de mídia a quem você está oferecendo.

Alguns leitores perguntaram sobre tentar vender matérias já terminadas para publicações; os líderes alertaram contra essa prática. A maioria dos editores quer ter uma participação na definição da direção da matéria, disseram eles. Em vez disso, faça sua pesquisa para criar um ótimo argumento, mas aguarde o feedback de um editor antes de começar.

Fazendo freelance no exterior

Todos os líderes de bate-papo trabalharam como freelancers fora de seus países de origem, o que atraiu muitos dos participantes do bate-papo.

Para que os editores se interessem por suas reportagens do exterior, é preciso vender sua habilidade linguística ou área de especialização, aconselharam os líderes. Ao destacar suas habilidades exclusivas, você demonstrará para as publicações e editores que é a melhor pessoa para contar uma história específica em um outro país.

Kushner também recomendou colaborar com os jornalistas locais, tanto como um método para começar como uma maneira de melhorar qualquer história que você produza.

“Sempre que chego em um lugar novo, sempre leio as notícias locais, pelo menos no começo”, disse ele. “Quando vejo uma história fascinante que acho que pode interessar a mídias internacionais, eu entro em contato com o autor para perguntar se ele ou ela gostaria de colaborar em um mergulho mais profundo. [Nós poderíamos] compartilhar a assinatura da matéria para um meio estrangeiro e dividir o pagamento.”

Colaboração entre jornalistas, fotógrafos e/ou videomakers também é uma ótima maneira de construir uma rede e ajudar outros freelancers.

Se você vai fazer uma viagem de reportagem, pode ser útil obter várias matérias em uma única viagem. Não venda a mesma matérias duas vezes, aconselhou Kushner, mas aborde o mesmo tópico de vários ângulos e sugira-o para meios de notícias diferentes.

Planejamos ter mais chats ao vivo da IJNet no futuro sobre diferentes tópicos nos quais nossos leitores estão interessados. Esses eventos acontecerão em nossa comunidade no Slack, onde você pode participar a qualquer momento seguindo este link.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Dương Trần Quốc