Jornalista Roman Anin lança luz sobre corrupção na Rússia

porDavid Maas
Oct 7, 2020 em Jornalismo investigativo
Roman Anin

Aprenda a interpretar registros financeiros, codificar e colaborar. Se a carreira do jornalista investigativo Roman Anin na Rússia serve de exemplo, é assim que você vai expor corrupção, descobrir crimes transnacionais e fazer com que líderes mundiais prestem contas.

Anin é o vencedor do Prêmio Knight Trailblazer de 2020 do ICFJ, que ele recebeu por lançar seu mais recente empreendimento jornalístico, IStories (ou "histórias importantes") O jornalista de 33 anos passou mais de uma década lançando luz sobre a corrupção. Ele faz isso na Rússia de Vladimir Putin, um país onde a corrupção generalizada dessensibilizou tanto os cidadãos que poucos leitores se chocam.

“A corrupção geralmente envolve lavagem de dinheiro e geralmente envolve empresas de paraísos offshore”, disse Anin. “Você tem que explicar tudo isso para seus leitores, então tentamos ser criativos e simplificar as coisas. Mesmo assim, é difícil surpreender o público russo quando o assunto é corrupção.”

Aprender a contar essas histórias complexas representou um desafio e uma oportunidade para Anin. Ele aprendeu sozinho os meandros da análise contábil e financeira para entender melhor como reconhecer a corrupção.

“É extremamente importante que todo repórter que escreve sobre corrupção desenvolva habilidades [financeiras]”, disse ele. “Sem elas, é simplesmente impossível encontrar suas histórias e provar o que você diz.”

[Leia mais: Conselhos de jornalista premiado para investigar crime e corrupção]

 

Para tornar a situação mais desafiadora, a Rússia é um ambiente notoriamente hostil para jornalistas. Na maior parte de sua carreira, Anin foi repórter da unidade investigativa do jornal Novaya Gazeta, onde cinco jornalistas foram assassinados por seu trabalho desde 2000. “Basta se acostumar com essa ideia de que é perigoso e você tem que conviver com isso, porque senão não conseguirá fazer o seu trabalho”, disse. “Todos nós, repórteres investigativos na Rússia, fizemos nossa escolha e somos adultos e entendemos os riscos.”

Anin descreveu sua investigação de 2016 sobre o vasto império offshore do renomado violoncelista russo Sergey Roldugin, por meio do qual o músico lavou bilhões de dólares, como talvez sua reportagem mais importante até o momento. Roldugin é um amigo próximo de Putin e padrinho da filha de Putin.

A reportagem, publicada como parte dos Panama Papers, inspirou investigações semelhantes sobre a lavagem de dinheiro no resto da Europa. Também gerou uma resposta do próprio Putin, disse Anin. “[Putin] disse, entre aspas, 'Parece que esta história foi escrita por um advogado e não por um jornalista', o que eu pessoalmente adorei, porque significa que fiz um trabalho profissional, porque não havia um único fato que ele pudesse argumentar.”

Antes de Anin começar a estudar registros financeiros para produzir investigações inovadoras, ele era jogador de futebol profissional na Moldávia — um sonho que foi interrompido quando sua família se mudou para a Rússia em busca de uma vida melhor.

“Eu estava meio deprimido e pensando:‘ O que devo fazer a seguir? ’Estava deitado no sofá assistindo a um jogo de futebol na TV e o comentarista estava muito mal. Então eu pensei, ok, esse cara não sabe nada sobre meu jogo favorito. Eu poderia ter feito isso provavelmente melhor do que ele”, lembrou.

[Leia mais: Jornalista queniana: 'Às vezes, como jornalistas, somos ativistas']

 

Anin se matriculou na Universidade Estadual de Moscou para estudar jornalismo. De lá, ele conseguiu um emprego como repórter esportivo na Novaya Gazeta em 2006. Dois anos depois, quando a Rússia entrou em guerra contra a Geórgia, uma pequena equipe da Novaya Gazeta enviou Anin para cobrir a guerra. Satisfeito com seu trabalho, os editores do jornal o transferiram para a unidade de investigação da redação quando ele voltou.

Uma década depois de trabalhar na unidade investigativa da Novaya Gazeta, Anin recebeu uma bolsa Knight de jornalismo na Universidade Stanford em 2018. Em Stanford, ele adicionou codificação -- Javascript e especialmente Python -- ao seu conjunto de habilidades, o que inspirou sua visão para o IStories.

Após 14 anos no jornal, Anin deixou a Novaya Gazeta no início de 2020 para lançar seu novo projeto.

O IStories é um meio de comunicação colaborativo e investigativo que usa codificação para realizar suas reportagens com mais eficiência. Por exemplo, Anin desenvolveu aplicativos para a redação para facilitar a análise das negociações das empresas, contratos estaduais e licitações, explicou. “Vejo como me tornei eficiente e gasto menos tempo em algumas das tarefas repetitivas que temos que cumprir ao fazer as investigações.”

O ponto central da missão do IStories é seu compromisso de colaborar com a mídia regional e internacional. “Tentamos publicar todas as nossas matérias em cooperação com a mídia regional, central e internacional”, disse Anin. A IStories já colaborou com os Arquivos FinCen, uma investigação colaborativa e multinacional sobre bancos globais e lavagem de dinheiro em grande escala, coordenada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, envolvendo mais de 100 parceiros da mídia, com reportagens publicadas até agora em mais de 80 países.

“Acho que investigações como Panama e Paradise Papers mostram que o verdadeiro poder do jornalismo está em unir forças, e não em competir entre si”, disse Anin. “Estou muito orgulhoso de ter participado de importantes investigações internacionais nos últimos dez anos.”

Anin lançou o IStories há apenas cinco meses: exatamente quando o mundo estava começando a enfrentar a COVID-19. O novo coronavírus forçou ele e sua equipe a mudar de curso antes mesmo de começar. Eles abandonaram suas reportagens planejadas originalmente e voltaram a se concentrar na pandemia.

“Fomos os primeiros a reportar que os ventiladores [pulmonares] comprados pelo Estado russo eram realmente ruins e que foram vendidos para hospitais”, disse Anin. “Havia uma cadeia de empresas falsas e, depois que nosso estudo foi publicado, alguns desses ventiladores queimaram nos hospitais, matando pelo menos seis pessoas. E então o Estado teve que cancelar todos os contratos. ”

Conforme Anin continua a desenvolver o IStories, ele planeja permanecer fiel ao nome do canal — trazendo aos russos as histórias importantes de que eles precisam para responsabilizar seus líderes. Ele também está construindo uma plataforma educacional no site para equipar colegas jornalistas com habilidades essenciais para a reportagem investigativa hoje.

“Meu conselho é: aprenda a codificar, aprenda a ler dados financeiros e aprenda psicologia para poder obter tudo das fontes.”


David Maas é o gerente da IJNet

O ICFJ também está reconhecendo a jornalista egípcia Lina Attalah, cofundadora e editora-chefe do Mada Masr, no seu Tributo a Jornalistas 2020.