Jornalista do mês: Anna Cunningham

porChanté Russell
Sep 5, 2020 em Jornalista do mês
Foto de Anna Cunningham fazendo reportagem

Anna Cunningham, jornalista freelance e locutora de rádio, descreve sua introdução ao mundo da correspondência estrangeira como “batismo com fogo”, no qual ela teve que se adaptar rapidamente a ambientes caóticos de reportagem. Durante o caos, ela também encontrou sua paixão. Cunningham construiu sua carreira como repórter freelance cobrindo conflitos, direitos humanos, meio ambiente e questões de gênero em vários cenários, às vezes perigosos.

Sabendo que queria ser jornalista desde que concluiu o ensino médio, Cunningham, que atualmente mora em Londres, começou sua carreira em uma rádio estudantil na França. Desde então, ela trabalhou em Londres, Paris, Mumbai, Cabul e recentemente em Lagos.

“Eu entrei na esteira do noticiário e comecei debaixo como pesquisadora em programas de notícias, e então continuei avançando pouco a pouco”, disse Cunningham, cujo trabalho apareceu na CBC, TRT World Now e France 24

Através da IJNet, Cunningham recebeu uma oferta de subsídio de reportagem do Centro Pulitzer, que ela infelizmente nunca completou devido a uma lesão. O atraso, no entanto, acabou levando-a a publicar outro projeto com a Undark Magazine sobre poluição do ar na Nigéria.

Cunningham espera servir de exemplo para as jovens interessadas no setor. “Vinte anos atrás, e mesmo agora, nossa indústria era dominada por homens. Acho que não tive uma chefe até muito mais tarde”, disse ela. “Sempre foi muito difícil mostrar seu valor como mulher no jornalismo e acho que esse ainda é o caso agora.”

Como esposa de um colega jornalista e mãe de dois filhos, ela quer mostrar a outras mulheres que uma carreira gratificante no jornalismo e uma família podem coexistir. Cunningham tomou a decisão de fazer a transição para jornalista freelance porque a flexibilidade na localização permitiu que ela priorizasse sua família.

Durante o confinamento, Cunningham também lançou um podcast “The Checkpoint” com uma colega jornalista e mãe Linda Freund para dar às mães em todo o mundo uma plataforma para discutir os problemas que enfrentam como pais durante a pandemia.

Conversamos com Cunningham sobre seu caminho para se tornar freelancer, suas experiências como correspondente estrangeira e conselhos que ela dá a jovens jornalistas.

[Leia mais: Jornalistas compartilham dicas para começar uma carreira freelance de sucesso]

IJNet: Por que você escolheu seguir carreira em correspondência internacional?

Cunningham: Passei dez anos na BBC e trabalhei meu caminho através de notícias de rádio locais e notícias regionais para o que chamamos de “notícias da rede”, e depois passei para o World Service. Fiz uma das entrevistas mais poderosas e comoventes que já fiz em minha carreira no Afeganistão e, quando fiz isso, realmente me surpreendi que esse é o campo que desejava entrar.

Eu estava visitando uma clínica para mulheres, onde elas traziam bebês recém-nascidos de vilarejos distantes, a cerca de uma hora de carro de Cabul. Estávamos dirigindo por essas estradas, ou trilhas de terra, e íamos cruzar o leito de um rio quando alguém abriu as comportas da barragem. Uma parede de água desceu em nossa direção e quase nos carregou, mas o motorista rapidamente nos levou para um terreno mais alto.

Todos os homens desceram e havia uma mulher no carro [comigo]. Ela ergueu o véu de sua burca e disse: "Tenho que lhe contar minha história". Ela me contou sobre sua vida durante o Talibã, como perdeu a filha e o marido, que era professora e que precisava se esconder. Eu pensei: “Uau, isso é jornalismo. Isso é jornalismo de verdade ”. O objetivo do trabalho que fazemos é dar uma plataforma a outras pessoas, especialmente a essas mulheres cujas vozes foram tão reprimidas ao longo dos anos -- e em maior medida ainda o são em várias partes do mundo.

Essa foi a minha primeira experiência de ser o que chamamos de correspondente internacional.

Photos of Anna Cunningham

Como o fato de você ser freelancer influenciou seu trabalho cobrindo conflitos e direitos humanos internacionalmente?

A primeira coisa que realmente deve ser abordada quando você é freelancer é aceitar e reconhecer que nenhuma história vale sua vida. Existem perigos e riscos, e esses perigos certamente aumentaram ao longo dos anos.

Quando você é jovem e quer ser correspondente internacional, a tentação é fazer as malas e ir a algum lugar remoto. Os repórteres costumavam ir aonde ninguém estava cobrindo, reunir grandes histórias e as pessoas encomendavam seu trabalho. Agora, muitos editores não irão contratá-lo, a menos que você tenha passado por um treinamento em ambiente hostil.

Você tem que reconhecer que, como freelancer, os editores irão considerá-lo mais arriscado porque você não é funcionário e, portanto, não está sob a cobertura do seguro deles. Mas se você tem uma ótima história e tem o treinamento, pode provar que vale a pena ser contratado, então ainda é possível conseguir o trabalho.

[Leia mais: Ficar ou ir embora? Freelancers internacionais enfrentam desafios durante a pandemia]

Como a COVID-19 impactou seus projetos atuais?

Tem sido muito interessante porque voltei para o Reino Unido após dez anos no exterior como correspondente estrangeira freelance. Com a pandemia, acho que todo freelancer foi realmente atingido. Vimos que os orçamentos para freelancers foram os primeiros a desaparecer, e os empregos da equipe também estão diminuindo.

Fiz algumas entrevistas interessantes e brilhantes com mulheres que trabalham com parteiras independentes sobre como a pandemia afetou as mulheres que dão à luz, e não consegui nenhuma comissão por isso.

Eu dei um passo para trás em relação ao trabalho de reportagem de campo porque também tenho que fazer malabarismos para ser mãe. Eu comecei um trabalho freelance como apresentadora de notícias de rádio no Reino Unido com a Times Radio. É freelance, mas me dá estabilidade sabendo quando meu turno começa e quando meu turno termina, o que eu precisava com meus filhos fora da escola por causa da pandemia.

Qual é o seu conselho para jovens mulheres no jornalismo?

Meu primeiro conselho para as jovens que estão começando é não desistam! Se isso é realmente o que você deseja fazer e você aceita que nunca será um trabalho das 9h às 17h, continue. Sim, ainda trabalhamos em uma indústria dominada por homens, mas isso não mudará a menos que você seja a mudança. Aceite a rejeição se surgir em seu caminho, mas não desista. Em algum lugar, tenho uma pilha de cartas de rejeição. Elas são todas da mesma emissora com a qual acabei tendo um emprego por dez anos e continuei a trabalhar ad hoc desde que me tornei freelancer.

Prepare-se para ser tudo para todos e fazer tarefas diferentes. Melhore suas competências. É especialmente útil se você deseja se instalar no exterior. Se agora você quer pegar um avião e ir para o meio do nada para começar a trabalhar como correspondente estrangeiro freelance, e isso não é possível, então adquira experiência em qualquer lugar. Tenha algo que mostre sua paixão por esta carreira, mesmo que isso signifique ter que autopublicar no momento. É um começo e ajuda a aprimorar suas habilidades.

Certa vez, me perguntaram como lido com a maternidade e o fato de ser jornalista e alguém que às vezes cumpre missões perigosas. A realidade é que é um malabarismo, como mãe, suas responsabilidades e prioridades mudam, mas isso não significa que você não possa fazer seu trabalho. Meu marido está na mesma linha de trabalho, então, ao longo dos anos, fizemos tudo funcionar e se equilibrar. Você pondera os riscos, preenchendo longas avaliações de risco, provas de formas de vida e testamentos, tudo soa muito assustador, mas essas coisas são necessárias quando você vai para alguns trabalhos. Você toma suas decisões e, em última análise, há momentos em que decide que o risco não vale a pena.


Chanté Russell é recém-formada pela Universidade Howard e estagiária de programas no Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês).

Todas imagens cortesia de Anna Cunningham