Iniciativa visa aumentar diversidade na redação e fontes de reportagem

por Naomi Ludlow
Mar 20, 2021 em Diversidade
Várias mãos se juntam

A conversa sobre raça nas redações não é nova. Na verdade, há mais de 40 anos, a Sociedade Americana de Editores de Redação (ASNE, em inglês) prometeu que, no ano 2000, as redações seriam tão diversificadas quanto a maior parte da população dos Estados Unidos. No entanto, esta promessa não foi cumprida e agora o atraso é de mais de 20 anos.

As organizações de notícias hoje continuam a não refletir a diversidade do país como um todo, de acordo com um estudo de 2018 do Pew Research Center. Enquanto 65% da força de trabalho geral nos EUA é de brancos não hispânicos, por exemplo, esse número sobe para 77% nas redações.

Pew Research graph on newsroom diversity
Graph pulled from Pew Research Center report on newsroom diversity.

 

Três jornalistas experientes — todas mulheres não brancas — lançaram recentemente uma nova iniciativa para abordar essa lacuna na indústria da mídia. É a mesma experiência que sentiram as cofundadoras Selymar Colón, presidente e editora-chefe da Frame ONE Strategies, Ana Campoy, vice-editora de finanças e economia do Quartz, e a produtora do "Nightline" da ABC, Jasmine Brown. Chamado de Diversifying Journalism, ou DiJo, o projeto visa promover a inclusão de vozes negras e pardas em redações e fontes nas reportagens.

“[A diversidade] tem um impacto direto no jornalismo que produzimos em nossas redações e em quem o escreve. Precisamos ter vozes e perspectivas diversas para dar ao leitor um relato completo do mundo”, disse Campoy. “Não vai acontecer espontaneamente. Esta é uma forma concreta em que podemos ajudar.”

[Leia mais: Lições para aumentar a representação da mulher no jornalismo]

 

Como veteranas de redação, Colón, Campoy e Brown estão bem familiarizadas com as pesadas cargas de trabalho e os prazos apertados que muitos de seus colegas repórteres têm. É uma realidade que pode levar jornalistas a buscar fontes fáceis de encontrar e especialistas para incorporar em sua cobertura, levando a diversidade a uma consideração secundária, explicaram. Elas testemunharam como essa falta de diversidade só piora, quanto mais você sobe na redação. Uma pesquisa de 2018 da ASNE revelou que, embora os jornalistas não brancos representassem apenas 22% da força de trabalho em publicações impressas e digitais, isso cai para 18% em cargos de liderança.

A equipe DiJo deu o pontapé inicial em seu trabalho, lançando duas pesquisas para jornalistas não brancos. A pesquisa com equipes  de redação visa ajudar os gerentes de contratação a encontrar jornalistas experientes e qualificados. A pesquisa de especialistas ajudará jornalistas a identificar especialistas não brancos para incluir como fontes em suas reportagens.

A equipe examinará os nomes que receberão por meio das pesquisas e montará dois bancos de dados para jornalistas usarem como recurso. Os bancos de dados servirão não apenas como uma ferramenta para jornalistas e gerentes de contratação, mas também como um meio para que outros jornalistas iniciem orientação e networking.

Seus esforços surgem em meio a um impulso cada vez maior da indústria de notícias para abordar questões de diversidade, equidade e inclusão na redação. O Spotlight PA criou um banco de dados para jornalistas na Pensilvânia. Em uma escala maior, o Fundo para a Democracia criou o recurso Journalism DEI Wheel para ajudar financiadores a informar as doações para diversidade, equidade e inclusão.

“Desde meados de 2020, muitas redações começaram a avaliar e anunciar publicamente iniciativas de diversidade. Alguns estavam fortalecendo o que tinham, outros estavam começando do zero”, disse Colón.

[Leia mais: Washington Post quer que redação se pareça com povo americano]

 

Colón, Campoy e Brown se conheceram durante uma bolsa de estudos da Fundação Nieman no ano passado. “Tive um vislumbre de como a diversidade pode ser orgânica e autêntica”, escreveu Campoy sobre sua experiência. “Durante o ano que passamos juntas, nossas diferenças tornaram nossas discussões mais ricas, mais matizadas e, sim, mais complicadas. Era como espiar por um caleidoscópio que constantemente mudava minha perspectiva, me fazendo refletir sobre meu preconceito.”

As três jornalistas retornarão como membros visitantes da Neiman este ano para desenvolver sua iniciativa. Elas planejam desenvolver uma interface para seus bancos de dados durante a bolsa de 2021 e sair com um protótipo que podem fazer um teste beta com empresas de mídia. Após o período de testes, as redações em todo o país terão acesso aos bancos de dados para ajudar a adquirir fontes diversificadas e confiáveis.

Em última análise, para a equipe DiJo, a diversidade é mais do que apenas números: é a capacidade de entender as diferenças entre si para melhorar sua comunidade em geral.

“A maior preocupação como jornalistas é que queremos que as redações nos EUA sejam representativas das comunidades sobre as quais relatam”, disse Colón. “Falta diversidade porque não vamos lá procurar esses profissionais. Eles estão por aí, você só precisa dar um passo a mais para encontrá-los.”


Naomi Ludlow é estagiária da IJNet.

Foto por fauxels no Pexels