Dicas para entrevistar especialistas

porDamian Radcliffe
Jan 25, 2021 em Jornalismo básico
Entrevista cara a cara: duas pessoas de frente uma para a outra

Como jornalistas, precisamos conversar com especialistas, mas estamos tirando o melhor proveito dessas conversas?

Depois de conversar com especialistas e refletir sobre minhas próprias experiências como entrevistado, identifiquei várias maneiras importantes de alguns jornalistas melhorarem suas entrevistas.

A reclamação mais comum que ouvi durante essas conversas foi que: “os jornalistas já sabem a história que querem escrever, eles estão apenas nos pedindo para preencher os buracos”. Isso pode não ser necessariamente verdade, mas muitas vezes é a conclusão que nossos entrevistados chegam.

Em um exemplo, minha colega Hadil Abuhmaid me contou recentemente sobre uma experiência que ela teve: "O jornalista basicamente me guiou para dizer o que ele queria". Ela se recusou a jogar esse jogo, questionando a abordagem e as conclusões que o jornalista já havia chegado.

Outros reclamaram que os jornalistas simplificam demais ou negligenciam as nuances. Como os repórteres raramente estão tão envolvidos em um assunto quanto seus entrevistados, pode não ser uma reclamação sem razão. No entanto, esta é uma percepção contra a qual os jornalistas devem se precaver.

Aqui estão seis sugestões para gerenciar melhor os relacionamentos com fontes especializadas e para garantir que o processo de entrevista seja mais tranquilo.

(1) Faça seu dever de casa

Isso deveria ser desnecessário dizer, mas, infelizmente, nem sempre é o caso. Sempre pesquise o entrevistado com antecedência. Veja seus perfis de redes sociais. Identifique e encontre pontos comuns ou algo interessante que eles tenham produzido recentemente. Sempre que possível, você pode fazer referência a isso no início da conversa.

Na minha experiência, você consegue uma entrevista muito melhor quando o entrevistado vê que você fez seu dever de casa. E, como entrevistado, estou muito mais inclinado a ir mais longe e a ser útil quando sei que o jornalista veio preparado.

[Leia mais: 5 dicas de entrevista que todo jornalista precisa]

(2) Explique seu propósito desde o início

Antes mesmo de se encontrar com seu entrevistado, explique a essa pessoa sobre o que é a matéria e o que você está procurando. Se sua publicação não for um nome conhecido, conte um pouco mais sobre o público-alvo e seus interesses.

Pessoas ocupadas não dirão “sim” a todas as oportunidades que surgem, então você deve argumentar com o entrevistado tanto quanto com seu editor. E quando o fizer, por favor, por favor, dê um prazo. Quando você precisa que o entrevistado ligue para você?

Um prazo final ajuda sua fonte a entender se ela tem tempo para se preparar e também pode ajudá-la a ter uma noção do nível de profundidade que você deseja atingir.

Quando estou sendo convidado para uma entrevista e o pedido tem que ser atendido em algumas horas, então posso supor que você está essencialmente procurando uma frase de efeito, em vez de um mergulho profundo. No entanto, não posso fazer nada disso se não houver detalhes sobre o prazo -- ou o propósito da entrevista -- em sua abordagem inicial.

(3) Explique o processo jornalístico

A maior parte do material de uma entrevista acaba no chão da sala de edição.

Uma entrevista de 30 minutos normalmente terminará com uma transcrição de 4.500 a 5.000 palavras, mas apenas uma fração disso terminará em um artigo de 800 a 1.000 palavras ou pacote de dois minutos. Se você não é um jornalista ou um entrevistado experiente, não sabe disso.

Você precisa preparar o seu entrevistado antes da entrevista. Os jornalistas devem, como padrão, gerenciar as expectativas de seus entrevistados.

Certa vez, dei uma entrevista de 15 minutos ao Marketplace Morning Report, um programa de oito minutos transmitido pela National Public Radio. Eles usaram cerca de sete segundos da entrevista. Se eu não tivesse entendido a duração do programa e a probabilidade de que a maior parte do que eu disse acabaria sendo cortada, então eu poderia ter ficado bastante surpreso, ou mesmo chateado, quando o segmento foi transmitido.

O mesmo pode ser dito de entrevistas impressas com duração de 45 minutos para uma ou duas citações simples, ou uma entrevista de 30 minutos na TV resultando em duas a três frases de efeito. Assim funciona o jogo, mas não presuma que seus entrevistados conheçam as regras. Certifique-se de explicar a eles.

[Leia mais: A arte da entrevista não editada]

(4) Cultive fontes para histórias futuras 

Os jornalistas querem fontes confiáveis. Mas esses não são apenas entrevistados confiáveis com uma boa compreensão dos fatos e argumentos. Eles também são pessoas que nos dão boas declarações, muitas vezes em uma crise de tempo. Esse tipo de fonte pode valer seu peso em ouro, embora os repórteres devam evitar a tendência de depender demais delas.

Ao mesmo tempo, muitos jornalistas podem fazer um trabalho melhor aproveitando essas fontes para a geração de ideias. Os repórteres fazem isso em campo o tempo todo, muitas vezes terminando as entrevistas perguntando "com quem mais devo falar?" ou "Que histórias você não vê ninguém cobrindo?"

Fazer essas perguntas de maneira autêntica pode resultar em grandes pistas para matérias futuras, além de ser um meio de desenvolver relacionamentos com suas fontes. Esta é uma ótima maneira de diversificar seu Rolodex, bem como de lançar uma série de histórias em potencial para cobrir no futuro.

(5) Se puder, verifique o material com as fontes antes da publicação

Muitos especialistas, especialmente aqueles que são novos em falar com a mídia, podem pedir para ver uma história antes de ser publicada. Na maioria dos casos, isso é uma proibição jornalística.

No entanto, não há nada que o impeça de verificar os fatos e verificar novamente as citações que atribuiu a alguém. Isso é particularmente importante quando se trata de assuntos delicados ou tópicos fora do seu campo de especialização.

Minha colega, Amanda Cote, tem conversado com vários jornalistas sobre problemas relacionados ao sexismo na indústria de jogos. Esse é exatamente o tipo de assunto em que você deseja ter certeza de obter as citações e fatos corretos.

Nessas circunstâncias, se você puder, vale a pena checar com seu entrevistado mais uma vez antes de publicar a matéria.

(6) Agradeça

Com a confiança no jornalismo em baixa, é responsabilidade de todos os jornalistas atuar como embaixadores da profissão em geral. Se uma fonte reserva um tempo para uma entrevista, agradeça seu tempo e seja grato por isso.

Uma maneira simples de fazer isso é garantir que você sempre envie aos entrevistados um link para a matéria para a qual contribuíram.

Isso levará apenas alguns minutos. Você pode até ter um modelo de e-mail na pasta de rascunhos, pronto para usar.

Ser notificado por um jornalista quando uma matéria para a qual você contribuiu foi ao ar é melhor do que descobrir o artigo por meio de um alerta do Google, uma pesquisa online ou quando outra pessoa o passa para você.

Nada disso é especialmente inovador, mas é muitas vezes esquecido ou negligenciado, especialmente quando corremos atrás de um prazo. Os jornalistas estão sob mais pressão do que nunca, mas isso não significa que a mídia não deva tratar melhor as fontes especializadas.

Colocar-se no lugar deles pode ajudar. Eu descobri que sentar em ambos os lados da cerca realmente me ajudou, acredito, a ser um melhor entrevistador e um melhor entrevistado. Pergunte-se: como você gostaria de ser tratado se um jornalista o entrevistasse?

Melhorar no tratamento com as fontes pode ser uma resolução de Ano Novo que todos nós podemos esperar manter.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Michael DeMoya

Damian Radcliffe é professor cátedra Carolyn S. Chambers de jornalismo da Universidade de Oregon, bolsista do Tow Center for Digital Journalism da Columbia University, pesquisador honorário da Faculdade de Jornalismo, Estudos de Mídia e Cultura da Universidade de Cardiff e bolsista da Sociedade Real para o Incentivo às Artes, Manufaturas e Comércio (RSA, em inglês). Ele também apresenta o podcast Demystifying Media em que ele entrevista jornalistas e estudiosos da mídia sobre o ofício do jornalismo. Siga-o no Twitter @damianradcliffe.