Como fazer reportagens de qualidade sobre temas de saúde

por Sam Berkhead
Feb 5, 2017 em Temas especializados

De surtos repentinos como os vírus zika e ebola aos efeitos de longo prazo da poluição na saúde, os jornalistas de saúde de hoje cobrem uma grande variedade de histórias.

Priyanka Vora, vencedora do Concurso Johnson & Johnson de Reportagem de Saúde Global de 2014, e Mini Thomas, vencedora de 2015, conhecem bem estes tópicos. Na Índia, seu país de origem, elas cobrem regularmente questões desafiadoras como saúde materna e infantil, tratamento de doenças e mais.

Em um bate-papo ao vivo realizado pelo Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), elas compartilharam dicas para produzir reportagem de saúde da qualidade que informa, engaja e impulsiona uma mudança positiva:

Verifique sua pesquisa

Um dos maiores desafios enfrentados por repórteres de saúde, como Vora, jornalista de saúde do Scroll.in, e Thomas, correspondente sênior da The Week, é a falta de vontade das fontes de falarem publicamente. De acordo com Vora, muitos especialistas em saúde na Índia só falam com jornalistas "off the record", hesitantes em criticar o governo.

"Eu entendo que as pessoas não podem falar abertamente e criticar o governo porque estão trabalhando muito de perto, mas há uma necessidade de investigação adequada sobre isso", disse Vora. "Depois de um ponto, você não pode continuar escrevendo coisas com base em relatos e fontes não confirmados."

Em casos como esses, fazer pesquisa pode ser necessário, explicou a Dra. Anant Bhan, gerente sênior da International AIDS Vaccine Initiative (IAVI), que também participou do bate-papo.

"Certificar-se de que todas as alegações que você está ouvindo de um pesquisador ou de um comunicado de imprensa são realmente validadas pela ciência... seria realmente importante", disse. "A outra questão é estar ciente de que, às vezes, na pressa de publicar, você pode pular a fila e não gastar tempo suficiente em aprofundar o tema."

Fale com os especialistas certos 

Dr. Bhan também observou que encontrar as fontes certas pode fazer ou quebrar uma matéria, especialmente para reportagens de saúde e ciências.

"O que é importante é que você faça pesquisa de fundo suficiente e fale com pelo menos algumas pessoas que possam ser capazes de lhe dar percepções críticas", disse Bhan. "Em um mundo onde estamos cercados por muita informação, ir além da busca no Google é importante, porque muitas vezes muitas informações que recebemos também são, em muitos aspectos, desinformação."

Para jornalistas de saúde nas áreas rurais, isso às vezes é mais fácil falar do que fazer. Vora disse que viu alguns jornalistas da saúde que buscam citações dos mesmos especialistas para cada matéria que escrevem.

Felizmente, o advento das plataformas sociais como o WhatsApp tornaram mais fácil entrar em contato com especialistas em qualquer parte do mundo.

"Antes, era difícil conseguir o especialista certo, mas agora por causa da penetração da internet e Facebook e porque você pode escrever para os especialistas e eles respondem prontamente, o acesso ao recurso certo realmente melhorou", disse Vora.

Encontre um ângulo humano

Dr. Bhan disse que, embora matérias de saúde podem se concentrar em ciência e medicina, os jornalistas devem se esforçar para encontrar um ângulo humano.

"O que [sua matéria] realmente significa para uma pessoa na rua, seja ela um paciente ou uma comunidade? Que tipo de implicações tem?", ele disse.

Este ângulo humano pode ser difícil de encontrar se uma organização de mídia não tem os fundos necessários para enviar repórteres para áreas mais remotas e falar com aqueles afetados por certas políticas de saúde. Vora disse que isso é especialmente verdadeiro na Índia. E quando os meios de comunicação ignoram as pessoas em áreas remotas ou rurais, é mais fácil para os formuladores de políticas ignorá-los também.

"Muitos dos principais jornais não se concentrarão na reportagem rural, provavelmente porque assumem ou sentem que o leitor não está interessado em entender ou conhecer as dificuldades que a Índia rural enfrenta", disse ela.

Dr. Bhan concordou, mas disse que o problema não é intransponível.

"No mundo de hoje, mesmo na Índia rural, mais e mais pessoas estão em plataformas como o WhatsApp, que podem compartilhar informações, fotos e vídeos", disse ele. "Essas são histórias interessantes e há uma enorme quantidade de interesse nelas se forem bem reportadas."

Imagem principal sob licença CC no Flickr por Jamie. Imagem secundária sob licença CC no Flickr via Nick Kenrick.