Cobrindo os protestos nos EUA? Forneça reportagens imparciais

por Danielle Kilgo
Jun 3, 2020 em Diversidade
Protesto

Uma adolescente manteve o telefone firme o suficiente para capturar os momentos finais da vida de George Perry Floyd, enquanto seu pescoço era sufocado pelo peso do joelho de um policial de Mineápolis. O vídeo se tornou viral.

O que aconteceu a seguir se desenrolou várias vezes em cidades americanas, após casos infames de suposta brutalidade policial.

Vigílias e protestos foram organizados em Mineápolis e outras cidades nos Estados Unidos para exigir a responsabilização da polícia. Mas enquanto investigadores e funcionários pediam paciência, a agitação fervia. Os noticiários logo exibiram imagens de destruição de propriedades e policiais em equipamento anti-motim.

As opiniões do público em geral sobre os protestos e os movimentos sociais são formadas em grande parte pelo que eles leem ou veem na mídia. Isso dá aos jornalistas muito poder quando se trata de dirigir a narrativa de uma manifestação.

[Leia mais: Dicas para cobrir os protestos contra a violência policial nos EUA e ao redor do mundo]

Eles podem enfatizar a interrupção que os protestos causam ou destacar a incitação velada de políticos que classificam os manifestantes como "arruaceiros". Mas também podem lembrar ao público que, no centro dos protestos, está a morte injusta de outra pessoa negra. Isso tiraria a ênfase da destruição dos protestos e colocaria nas questões de impunidade policial e efeitos do racismo em suas diversas formas.

O papel dos jornalistas pode ser indispensável para que os movimentos obtenham legitimidade e avancem. E isso pressiona bastante os jornalistas a acertar na reportagem.

Minha pesquisa descobriu que alguns movimentos de protesto têm mais dificuldades do que outros para obter legitimidade. A co-autora da pesquisa, Summer Harlow, e eu estudamos como os jornais locais e metropolitanos cobrem protestos. Descobrimos que as narrativas sobre a Marcha das Mulheres e os protestos anti-Trump deram voz aos manifestantes e exploraram significativamente suas queixas. Do outro lado do espectro, os protestos contra o racismo anti-negro e os direitos dos povos indígenas receberam uma cobertura menos legitimadora,  mais frequentemente vistos como ameaçadores e violentos.

Décadas atrás, os estudiosos James Hertog e Douglas McLeod identificaram como a cobertura noticiosa dos protestos contribui para a manutenção do status quo, um fenômeno conhecido como "paradigma do protesto". Eles sustentaram que as narrativas da mídia tendem a enfatizar o drama, a inconveniência e a interrupção dos protestos, e não as demandas, queixas e agendas dos manifestantes. Essas narrativas banalizam protestos e acabam prejudicando o apoio público.

[Leia mais: Startup holandesa abre caminho para mulheres não brancas no jornalismo investigativo]

Aqui está como isso se desenvolve teoricamente hoje. Os jornalistas prestam pouca atenção aos protestos que não são dramáticos ou não convencionais. Sabendo disso, os manifestantes encontram maneiras de capturar a mídia e a atenção do público. Eles vestem gorros cor de rosas ou se ajoelham durante o hino nacional. Eles podem até recorrer à violência e à ilegalidade. Agora, os manifestantes têm a atenção da mídia; mas o que os jornalistas cobrem é geralmente superficial ou deslegitimista, concentrando-se nas táticas e nas rupturas causadas e excluindo discussões sobre a substância do movimento social.

Queríamos explorar se essa teoria clássica se encaixa na cobertura de 2017: um ano de protestos em larga escala que acompanharam o primeiro ano da presidência de Donald Trump. Para isso, analisamos o enquadramento das reportagens de protesto em jornais no Texas. O tamanho e a diversidade do estado o tornaram um bom modelo para comparação com o país em geral.

No total, identificamos 777 artigos pesquisando termos como "protesto", "manifestante", "Black Lives Matter" e "Marcha das Mulheres". Isso incluiu reportagens escritas por jornalistas em 20 redações diferentes do Texas, como o El Paso Times e o Houston Chronicle, além de artigos sindicalizados de fontes como a Associated Press.

Analisamos como os artigos concebiam os protestos no título, na frase de abertura e na estrutura da história e classificamos a reportagem usando quatro quadros reconhecidos de protesto:

  • Motim: enfatizando o comportamento perturbador e o uso ou ameaça de violência.
  • Confronto: descrevendo os protestos como combativos, concentrando-se em prisões ou "confrontos" com a polícia.
  • Espetáculo: concentrando-se no vestuário, sinais ou comportamento dramático e emocional dos manifestantes.
  • Debate: mencionando substancialmente as demandas, pautas, objetivos e queixas dos manifestantes.
Chart of protest coverage
Gráfico: The Conversation, CC-BY-ND  Fonte: Danielle K. Kilgo, Indiana University Get the data

 

Também ficamos de olho nos padrões de fornecimento para identificar desequilíbrios que geralmente dão mais credibilidade às autoridades do que manifestantes e defensores.

No geral, a cobertura de notícias tendia a banalizar protestos, concentrando-se com maior frequência em ações dramáticas. Mas alguns protestos sofreram mais que outros.

Reportagens focaram no espetáculo com mais frequência do que na substância. Muito se falou sobre o que os manifestantes usavam, tamanho das multidões, grandes e pequenas, envolvimento de celebridades e temperamentos intensos.

A substância de algumas marchas ganhou mais força do que outras. Cerca de metade das reportagens sobre protestos anti-Trump, comícios de imigração, manifestações de direitos das mulheres e ações ambientais incluíram informações substanciais sobre as queixas e demandas dos manifestantes.

Coverage by Texas newsrooms in 2017: data
Gráfico: The Conversation, CC-BY-ND  Fonte: Danielle K. Kilgo, Indiana University  Get the data

 

Em contraste, os protestos relacionados ao oleoduto Dakota Access e ao racismo anti-negro obtiveram cobertura legitimadora apenas em menos de 25% das vezes. Eles também eram mais propensos a serem descritos como perturbadores e conflituosos.

Em uma matéria da AP que cobria um protesto de St. Louis sobre a absolvição de um policial que matou um homem negro, violência, prisão, inquietação e perturbação foram os principais termos de descrição, enquanto a preocupação com a brutalidade policial e a injustiça racial foi reduzida a apenas algumas menções. Escondido 13 parágrafos abaixo, estava o contexto mais amplo: "Os recentes protestos de St. Louis seguem um padrão visto desde o assassinato de Michael Brown, em agosto de 2014, nas proximidades de Ferguson: a maioria dos manifestantes, embora furiosos, cumprem a lei."

Como consequência das variações na cobertura, os leitores de jornais do Texas podem formar a percepção de que alguns protestos são mais legítimos que outros. Isso contribui para o que chamamos de "hierarquia da luta social", em que as vozes de alguns grupos de defesa são elevadas sobre outras.

Os jornalistas contribuem para essa hierarquia aderindo às normas da indústria que trabalham contra movimentos de protesto menos estabelecidos. Em prazos apertados, os repórteres podem optar por fontes oficiais para declarações e dados. Isso dá às autoridades mais controle da narrativa. Essa prática se torna um problema especialmente para movimentos como o Black Lives Matter que estão contrariando as declarações da polícia e de outros oficiais.

O viés implícito também se esconde nesse tipo de reportagem. A falta de diversidade é um problema nas redações. Em 2017, a proporção de jornalistas brancos no Dallas Morning News e no Houston Chronicle era mais do que o dobro da proporção de brancos em cada cidade.

Os protestos identificam queixas legítimas na sociedade e geralmente lidam com questões que afetam pessoas que não têm o poder de resolvê-las por outros meios. É por isso que é crucial que os jornalistas não recorram a narrativas superficiais que negam espaço significativo e consistente para expor as preocupações dos aflitos, além de confortar o muito confortável status quo.


Danielle Kilgo é professora de jornalismo na Universidade de Indiana.

Este artigo foi publicado originalmente no The Conversation sob licença Creative Commons e é uma atualização de um artigo de janeiro.  

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Max Bender