Bolsistas Knight do ICFJ oferecem dicas para jornalistas em 2020

porIJNet
Jan 2, 2020 em Jornalismo básico
2020

Está pronto para o novo ano e nova década? Em 2020, a indústria de notícias continuará sem dúvida a sofrer mudanças. Como você está preparado para o que vem pela frente?

Conversamos com atuais e ex-bolsistas Knight do ICFJ sobre seus conselhos para o próximo ano.

Janine Warner, bolsista ICFJ-Knight na América Latina e diretora executiva da SembraMedia

Não siga as últimas tendências apenas porque todo mundo faz.

Todos os anos, há uma nova tendência quente que parece estar na boca de todo mundo. Após uma extensa pesquisa sobre o que funciona (e o que não funciona) para centenas de empresas de mídia digital, estou cada vez mais convencida de que experimentar a “nova coisa quente” frequentemente é um erro.

Ao considerar a melhor maneira de investir seu tempo no próximo ano, veja além dos modismos mais recentes e considere se seria melhor refinar e melhorar algo que já está fazendo. Se você decidir tentar uma nova tecnologia, modelo de negócios ou melhores práticas, faça estas três perguntas primeiro: Vai bem para o meu público? Nossa equipe tem a experiência (e o tempo) que precisamos para ter sucesso? E essa nova ideia se encaixa em nossa missão principal, se baseia nas outras coisas que estamos fazendo ou agrega um novo valor significativo? Se a resposta para todos os três for sim, então vá em frente!

Pedro Burgos, coordenador do programa de jornalismo do Insper, consultor da Vortex Media e bolsista ICFJ-Knight

Entenda as necessidades de informação da sua comunidade antes de pensar em novos "produtos de jornalismo".

Ir a uma conferência de jornalismo é ouvir uma variação infinita da pergunta: "Como fazemos com que mais pessoas paguem pelo nosso produto?" As respostas envolverão estratégias em torno da atração e retenção de assinantes — ou membros, a nova tendência.

No entanto, uma pergunta deve ser apresentada antes dessa: “Por que alguém deveria pagar pelo que fazemos?” Meu conselho é fazer mais essa pergunta — e com mais frequência — para as pessoas que se envolvem com o que você já está fazendo, para aqueles interessado em sua editoria ou para uma comunidade que possa se beneficiar por causa de seu serviço.

Hoje, em muitos lugares, pouca atenção é dedicada à compreensão exata de quais problemas ou necessidades do mundo real nossos "produtos de jornalismo" (podcasts, boletins, sites ou até histórias) estão tentando resolver. Antes de lançar algo novo, tente abordar sua comunidade com uma mente aberta para entender melhor quais são as necessidades de informações dela. Você pode se surpreender e ter melhores ideias para oferecer um produto mais útil e valioso.

Catherine Gicheru, bolsista ICFJ-Knight no Quênia trabalhando para o Code for Kenya

Para criar confiança com seu público, os jornalistas precisam ser mais transparentes sobre seu trabalho.

A utilização disruptiva de tecnologias levou a um volume e velocidade cada vez maiores de conteúdo, incluindo informações errôneas e desinformação que contribuíram para a menor confiança do público na mídia. Para conter essa desconfiança, os jornalistas precisam melhorar o relacionamento que têm com o público. Eles podem fazer isso explicando melhor o contexto e a história dos eventos que cobrem e sendo mais transparentes com o público.

Os jornalistas precisam educar seu público sobre como trabalham, como as decisões são tomadas, como diferenciar fatos e opiniões, e o impacto que a publicidade (corporativa ou governamental) e os interesses políticos têm ou não na cobertura das notícias. Isso ajudará a conter os exércitos de trolls ou bots pagos que desacreditam e mancham os nomes das organizações de notícias e dos jornalistas.

James Breiner, consultor de mídia digital e ex-bolsista ICFJ-Knight 

A estratégia de negócios vencedora baseia-se no relacionamento com seu público, e não na escala.

A estratégia perdedora que busca o público em massa e a publicidade em massa, medida por usuários únicos e visualizações de páginas, levou muitos meios de comunicação a buscar cliques com conteúdo cada vez mais sensacionalista sobre celebridades, personalidades do esporte, políticos imprudentes e escândalos sexuais. Esses sites continuarão a perder receita e público-alvo para as plataformas sociais e de pesquisa, além de credibilidade e confiabilidade.

Se você construir um relacionamento com seu público, é mais provável que eles se tornem leais, confiem no seu trabalho, recomendem o seu trabalho e estejam dispostos a pagar para apoiar sua missão. O público total será menor, e a porcentagem disposta a pagar pelo seu conteúdo pode ser pequena, mas essa estratégia de serviço público e focada no usuário cria confiança e credibilidade a longo prazo. Exemplos são Mediapart na França, eldiario.es na Espanha, Animal Politico no México e The Texas Tribune nos Estados Unidos.

Aqui está uma dica: crie sua lista de assinantes de e-mail. Dessa forma, você possui um relacionamento com seus usuários e pode evitar o uso das plataformas de pesquisa e sociais como intermediário. Crie newsletters para esses assinantes de acordo com seus interesses e gostos. Outros exemplos de táticas de relacionamento incluem histórias de crowdsourcing, eventos presenciais e online, pesquisas de leitores, crowdfunding e bate-papos em grupo pelo WhatsApp e Telegram.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Jamie Street