Bolsistas Knight do ICFJ compartilham conselhos para jornalistas em 2021

porIJNet
Jan 2, 2021 em Jornalismo básico
2021

O ano passado foi desafiador para jornalistas em todo o mundo. Quando a pandemia de COVID-19 estourou, profissionais da mídia foram forçados a pensar fora da caixa para entregar às suas comunidades informações que salvam vidas.

Muitos ajustaram seus fluxos de trabalho e aprenderam novas ferramentas e habilidades para realizar suas reportagens.

Pedimos a bolsistas Knight do ICFJ atuais e do passado que refletissem sobre 2020, para colher uma visão de um ano caótico e difícil. A seguir, eles compartilham as lições que aprenderam e conselhos para outros jornalistas usarem à medida que avançamos para 2021.

Dada Lyndell

Europa Oriental

Muitos de nossos colegas neste ano tiveram que deixar seus empregos. Felizmente, muitos deles dedicaram tempo para estudar coisas novas. Continuamos profundamente convencidos de que vale a pena cada jornalista aprender a codificar e como trabalhar com dados abertos. Essas habilidades não apenas apoiam seu trabalho atual em notícias e investigações, mas também fornecem uma abordagem nova para qualquer tópico em que você trabalhe.

Esta pandemia deu a muitos de nós a oportunidade de aprender coisas novas e muitos dados para focar. Entrando no novo ano, vamos continuar abrindo espaço para aprender novas habilidades e continuar a desenvolver nosso jornalismo.

[Leia mais: Reportagens de destaque sobre COVID-19 em 2020 ao redor do mundo]

Jacopo Ottaviani

Nigéria

Eu diria que as mudanças climáticas serão muito mais importantes nos próximos anos — espero mais e mais cobertura. Trabalhei em um projeto de desmatamento este ano na República Democrática do Congo, e posso ver como as florestas estão ameaçadas. [Eu li] muitos dados e estatísticas sobre o impacto do desmatamento nas mudanças climáticas e no aquecimento global e o efeito que isso terá sobre um grande número de pessoas.

Após a COVID-19, a saúde pública pode ser outro tópico importante. Em um mundo globalizado, devemos também pensar sobre o papel da Organização Mundial da Saúde porque vivemos em um globo sem fronteiras — pelo menos partes dele não têm fronteiras — e todos impactamos uns aos outros se viajarmos. O jornalismo deve tentar dar continuidade ao trabalho iniciado em 2020.

Acho que cada vez mais jornalistas deveriam se familiarizar com inteligência artificial e processamento de linguagem natural porque são, na verdade, ferramentas que podem ser usadas para verificação e checagem de fatos. É quase impossível pensar que um único ser humano ou uma única organização pode verificar a grande quantidade de notícias falsas que circulam online, então tentamos usar a tecnologia para fazer isso.

Tente pensar fora da caixa. Tente ser o mais multidisciplinar possível. Tente se associar a pesquisadores e tecnólogos tanto quanto possível. É por isso que precisamos de mais dessas funções intermediárias nas organizações. Pessoas que podem mediar entre jornalistas, tecnólogos e designers, pessoas que vêm de diferentes estilos de vida, mas que têm uma missão comum, que é o jornalismo de qualidade e responsabilização dos poderosos.

Sérgio Spagnuolo

Brasil

Em 2020, muitos jornalistas passaram muito tempo fazendo suas reportagens de casa por causa da pandemia. Acho que no ano que vem, quando ou se as coisas voltarem ao normal, devemos fazer um esforço para sair de casa, voltar para a rua. Há boas reportagens para serem feitas de uma mesa, mas sabemos que o valor real da reportagem em jornalismo é sair na rua e ver em primeira mão o que está acontecendo na sociedade.

Dito isso, acho que em 2021 a reportagem assistida por computador será um tópico importante, com novas tecnologias e projetos que podem ser inovadores para ajudar jornalistas em tudo, desde a realização de tarefas insignificantes até a análise de dados e documentos com facilidade. Devemos ficar de olho na inteligência artificial e na automação no jornalismo.

[Leia mais: Dicas para jornalistas que cobrem as vacinas da COVID-19]

Fabiola Torres

América Latina

Em 2020, muitas equipes de jornalismo grandes e pequenas enfrentaram a cobertura mais importante de nossas vidas: uma pandemia que nos obrigou a mudar as estratégias de cobertura, buscar melhores formas de combater a desinformação e investigar em condições difíceis. Algumas dessas experiências foram muito valiosas e nos ensinaram boas práticas que devemos levar em consideração em 2021. O que aprendemos:

  • Vamos fazer mais notícias de saúde com foco em serviços. Este ano, devido ao coronavírus, muitos leitores se aproximaram do mundo da ciência e do jornalismo de saúde pela primeira vez. Vamos mantê-los nessa cobertura, disponibilizando conteúdos relevantes e, acima de tudo, mais utilitários para que possam aplicá-los no seu dia a dia.
  • Vamos continuar usando dados para informar melhor nossos leitores. Acompanhar os números e a evolução da pandemia foi um exercício agitado. Porém, aprendemos que o mais importante não é apenas mostrar gráficos com figuras, mas escolher os dados que melhor explicam o fenômeno. Os leitores querem se sentir mais confortados por, pelo menos, compreender a realidade que enfrentamos, em vez de apenas acumular mais medo do desconhecido.
  • Vamos continuar fazendo jornalismo colaborativo que inclui leitores, cientistas e, claro, jornalistas. A pandemia nos mostrou vários tipos de colaboração e solidariedade. Somente trabalhando juntos podemos chegar a melhores conclusões em nossas reportagens.
  • Vamos continuar experimentando mais formatos. Este ano foi a era do Facebook Live e dos podcasts. Vamos aproveitar esses espaços para termos uma melhor janela de comunicação com nosso público. Vamos estreitar os laços por meio de novos meios para cumprir nossa missão principal: o jornalismo é um serviço.

Janine Warner

América Latina

Invista na sua equipe: Trancados em nossas casas, vendo uns aos outros pela tela do Zoom, temos um novo vislumbre da vida um do outro este ano: nossos filhos, nossos animais de estimação, nossas responsabilidades pessoais. Um dos poucos aspectos positivos da pandemia é que muitas organizações estão explorando como apoiar melhor seus funcionários, oferecendo horários mais flexíveis ou acomodando as necessidades dos pais que trabalham.

Os investidores dirão que uma ótima equipe vale mais do que uma ótima ideia, porque ótimas equipes podem superar até os desafios mais inesperados. Na SembraMedia, contratamos um especialista em RH para consultar sobre como apoiar e capacitar uns aos outros de maneiras novas e inovadoras, como tornar as reuniões mais eficazes e como ter mais empatia uns pelos outros durante este momento desafiador. Se você ainda não está fazendo isso, meu melhor conselho ao encerrarmos este ano difícil é que você considere como pode investir para cuidar melhor de sua equipe.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Moritz Knöringer