Aprendendo o papel do jornalismo na era da desinformação

porKorey Matthews
May 08 em Fact-checking e verificação
Redação

Os desafios da desinformação na mídia são preocupações fundamentais para leitores e jornalistas no mundo de hoje, mas ainda são amplamente mal compreendidos por muitas pessoas ao redor do mundo. Organizações e bolsas surgiram em um esforço para ajudar os profissionais de mídia de todos os níveis a entender melhor o fenômeno, sua história e mecanismos para combatê-los.

Em maio de 2018, viajei com jornalistas dos Estados Unidos e da Alemanha para Washington, Charlottesville, Virgínia, e Nova York, como parte da Bolsa de Jornalismo na Era da Desinformação, oferecida pela Cultural Vistas. Visitamos diferentes redações, incluindo o New York Times e a Associated Press (AP), e falamos com especialistas em mídia sobre como os jornalistas podem usar histórias verdadeiras e impactantes para combater a saturação de desinformações --e como esses esforços diligentes têm funcionado.

De acordo com a historiadora e autora Dr. Cindy Gueli, que nos falou durante o programa no escritório da Cultural Vistas em Washington, as questões de hoje no jornalismo não são novidade. Um dos primeiros exemplos mais eficazes de desinformação política veio de Napoleão III.

"Os boletins que ele divulgava diretamente ao público continham alegações grandiosas e muitas vezes falsas promovendo seus sucessos profissionais e sua superioridade pessoal", disse Gueli à IJNet.

Gueli também observou que muitas pessoas na época acreditavam na informação porque ela reforçava o que já pensavam ser verdade: algo que foi comprovado em muitos estudos modernos sobre o fenômeno.

"Embora muitos questionassem a veracidade das alegações de [Napoleão], muitas vezes eles estavam dispostos a deixar de lado porque estavam alinhadas com suas expectativas ou avançavam suas próprias agendas", disse Gueli.

Os jornalistas que buscam combater a desinformação hoje não precisam olhar para Napoleão e podem obter um exemplo mais recente. Durante o escândalo de Watergate no governo do presidente Richard Nixon, os jornalistas se basearam nos fatos e responsabilizaram o poder para revelar a verdade.

"As sólidas técnicas investigativas e o corajoso desafio à autoridade que tornou a imprensa tão importante por revelar a rede de mentiras e encobrimentos de várias camadas do governo Nixon continuam sendo a melhor defesa dos jornalistas", disse Gueli.

Muitas organizações nacionais estão tomando medidas para combater a atual crise da informação em nível organizacional. A AP, por exemplo, posiciona seus repórteres e editores em uma ampla variedade de locais em todo o mundo para produzir conteúdo original. Isso permite que eles confiem em suas próprias reportagem, em vez de recebê-los de veículos externos. Eles operam atualmente em 263 localidades em todo o país, e mais da metade da população mundial vê seu conteúdo diariamente, de acordo com seu site. A AP também se esforça para corrigir erros de maneira rápida e eficiente, e publica correções na internet e nas redes sociais, em um esforço para ser transparente.

Embora defender esses princípios básicos do jornalismo seja fundamental na luta contra a desinformação, esses esforços recorrem apenas à mídia para combater a crise da informação. Várias organizações não acham que o bom jornalismo é suficiente e estão ensinando o público a consumir notícias de maneira adequada. O NewseumED é um deles, fornecendo planos de aula sobre educação midiática para instrutores usarem na sala de aula. Outro é o MediaSmarts do Canadá que desenvolve campanhas de conscientização pública, como a “Semana de Educação de Mídia”, para promover a importância do conhecimento da mídia.

A Associação Nacional de Educação para a Educação de Mídia (NAMLE, em inglês) define a literacia midiática em seu site como “a capacidade de acessar, analisar, avaliar, criar e agir usando todas as formas de comunicação.” De acordo com a diretora executiva da NAMLE, Michelle Ciulla Lipkin --outra palestrante da nossa bolsa-- várias formas diferentes de mídia devem ser levadas em conta ao avaliar a mídia.

"Não é mais suficiente apenas falar sobre educação fundacional, [como] imprimir, escrever e consumir texto", disse Lipkin em entrevista ao PBS NewsHour. "Certamente essa é a base, mas precisamos ir além disso e garantir que estamos integrando todas as mídias em nossas conversas de literacia."

Através de programas como a Bolsa do Jornalismo na Era da Desinformação, jornalistas aprendem novas maneiras de combater a desinformação, enquanto desenvolvem uma rede de colegas ao redor do mundo que estão lidando com questões semelhantes. O TruthBuzz Fellowship do ICFJ e os John S. Knight Journalism Fellowships em Stanford são outros programas que permitem a jornalistas descobrir formas de combater a desinformação.


Imagem "New Set" por queenkv sob licença CC BY-NC-SA 2.0