5 iniciativas de reportagem na América Latina que estão transformando suas comunidades

por Camila Hernández Corena
Feb 3, 2021 em Diversos
Mapa da América Latina

Em toda a América Latina, os participantes do programa Um Caminho Digital para o Empreendedorismo e a Inovação para a América Latina do ICFJ lideraram iniciativas únicas de reportagem. De verificação de fatos e podcasts a design thinking, acesso a informações e boletins informativos, estes vários esforços visam informar melhor as comunidades que procuram servir.

Falei com cinco desses jornalistas para obter uma compreensão mais profunda de seus projetos de reportagem inovadores e seus resultados. Aqui está o que aprendi.

Combatendo desinformação

O jornalista guatemalteco Luis Assardo assumiu a missão de difundir conhecimentos e habilidades de checagem de fatos em seu país. Fundador da plataforma colaborativa de checagem de fatos Confirmado.org, Assardo ampliou o escopo de seu trabalho em 2020 para lidar com a desinformação sobre a COVID-19.

Confirmado logo

Ele e sua equipe lançaram treinamentos digitais e cursos educacionais, por meio dos quais jornalistas podem aprender inteligência de código aberto (OSINT, em inglês), análise de desinformação e segurança digital. O projeto evitou ataques cibernéticos para entregar o material de treinamento em demanda em todo o país, incluindo na Guatemala rural, onde a acessibilidade pode ser limitada.

Milhares de usuários aproveitaram as informações disponibilizadas, disse Assardo: “Queríamos que esses cursos fossem atemporais. [Queremos] oferecer as ferramentas que permitirão aos cidadãos e jornalistas gerar os critérios apropriados para verificar e neutralizar a desinformação.”

[Leia mais: Uma técnica do jornalismo de soluções para cobrir temas polarizantes]

Melhorando a qualidade do áudio em podcasts

Faz muito tempo que a colombiana Laura Rojas Aponte virou seus olhos — ou melhor, seus ouvidos — em direção a uma desvantagem de uma indústria de podcast democratizada na Colômbia: a baixa qualidade de som. Embora qualquer pessoa possa iniciar um podcast se quiser, isso também fomentou uma proliferação de produções de baixa qualidade.

Rojas Aponte, que é consultora de desenvolvimento de negócios na DianaUribe.fm e co-apresentadora do Cosas de Internet, ambos podcasts em espanhol, apontou para o podcast do New York Times, The Daily, para enfatizar seu ponto. “Somente quando foram capazes de realmente capturar e compartilhar as vozes das crianças migrantes detidas na fronteira dos Estados Unidos é que sua história realmente chamou a atenção”, disse ela.

Cosas de internet logo

Determinada a resolver o problema, ela decidiu melhorar seu podcast, Cosas de Internet, e capacitar outros podcasters independentes em Bogotá. Depois de receber treinamento de especialistas nos EUA, incluindo o produtor de podcast e designer de som, Levi Sharpe, Rojas Aponte e sua equipe montaram um guia de produção de áudio gratuito de 18 páginas intitulado Sonido Grandioso ou "Som Magnífico".

Milhares de jornalistas, podcasters, profissionais da mídia e estudantes também acessaram o Sonido Grandioso. “É realmente surpreendente quando você considera o sucesso que um PDF cheio de informações alcançou”, disse Rojas Aponte.

Design thinking para jornalistas

As jornalistas colombianas Angélica Cuevas e Karen De La Hoz lançaram um curso de design thinking virtual para jornalistas. A série de treinamento, liderada pela professora da Universidade de Stanford Leticia Britos Cavagnaro, capacita jornalistas na abordagem quase experimental de contar histórias promovida por pensadores design.

O processo de aprendizagem “faça conforme o uso” envolve a publicação de conteúdo não polido e o rastreamento do envolvimento do público e das respostas a ele. Usando esses insights, os jornalistas podem ajustar seu trabalho de acordo.

Design thinking course logo

“A experiência foi maravilhosa. Uma lição importante disso é que é mais do que possível aplicar métodos de aprendizagem envolventes, colaborativos, significativos e dinâmicos em meio a uma pandemia”, disse Cuevas. “Mais do que tudo, permitiu ver a nós mesmos mais como que criadores de conteúdo e compreender as formas como podemos integrar a nossa profissão.”

O workshop produziu uma variedade de recursos e ferramentas práticas que Cuevas e De La Hoz coletaram em um guia valioso, que você pode acessar aqui.  

[Leia mais: 4 alternativas para financiar um jornalismo em crise]

Acesso à informação e transparência

O jornalista brasileiro Luiz Toledo promove a pesquisa de dados e acesso a informações públicas. Após uma bolsa que Toledo recebeu da ProPublica, ele lançou a newsletter da agência de dados Fiquem Sabendo, chamada Don’t LAI to Me, para entregar dados públicos e documentos a jornalistas (LAI, ou Lei de Acesso à Informação). A newsletter tem mais de 5.000 assinantes hoje.

“Nosso objetivo é simples: promover a transparência da informação”, disse Toledo. “Atualmente existem inúmeras barreiras à acessibilidade de dados no Brasil, mas há uma forte vontade de lutar contra isso.”

Os jornalistas não utilizam a LAI tanto quanto poderiam, disse Toledo: “Poucos jornalistas estão empregando esta lei e sua implementação é irregular em todo o país, especialmente em cidades periféricas menores.”

Toledo publica artigos e vídeos junto com a newsletter para ajudar no esforço. Ele também se associou ao site de notícias colaborativas sem fins lucrativos MuckRock para traduzir para o português artigos em inglês sobre transparência de dados e acessibilidade de informações.

 

Fiquem sabendo logo

O foco da Fiquem Sabendo sobre o acesso à informação ajudou a diversificar seu público e promover maior responsabilidade governamental. Ao conscientizar e fornecer ao cidadão comum as ferramentas e técnicas necessárias para combater a inacessibilidade da informação ou a supressão total de dados, Toledo e sua equipe criaram uma rede crescente de pessoas pró-transparência que já começaram a transformar o cenário do jornalismo no Brasil.

“Os resultados têm sido incríveis”, disse ele. “Há apenas algumas semanas, fomos convidados a participar de um encontro organizado pela secretaria de serviços públicos do governo brasileiro para atuar como consultores na melhoria do acesso à informação para os cidadãos. Conversamos diretamente com o órgão responsável pela acessibilidade e transparência da informação.”

Unindo as comunidades de Nosara

O vilarejo de Nosara, na província de Guanacaste, na Costa Rica, há muito vive uma divisão entre os costarriquenhos nativos e uma grande comunidade de estrangeiros.

A editora-chefe María Fernanda Cruz Chaves e a jornalista Yamlek Mojica, do La Voz de Guanacaste lançaram uma newsletter para abordar o assunto e capacitar os Nosarans a se tornarem cidadãos mais ativos nessa região bicultural. O boletim informativo tem se concentrado fortemente na COVID-19 e seu impacto prejudicial na economia baseada no turismo de Nosara.

Elas criaram uma estratégia de conteúdo e reestruturaram La Voz de Guanacaste para atender às necessidades e interesses de seus leitores — até mesmo alcançando leitores em comunidades remotas com acesso desigual à tecnologia. “Isso representa uma oportunidade única de estudar como podemos estabelecer da melhor forma esses sistemas de comunicação e abrir o acesso à informação — não apenas na Costa Rica, mas em toda a América Latina. Nesse caso específico, é a chance de conectar e ampliar a voz de uma comunidade historicamente segregada e abandonada”, disse Cruz Chaves.

La voz de guanacaste logo

Usando lições aprendidas durante as sessões de orientação com o The Colorado Sun, La Voz de Guanacaste se concentrou em quatro áreas principais para impulsionar seus esforços: pesquisa de usuário, estratégia de conteúdo, construção de habilidades e infraestrutura técnica.

“Com a população de Nosara de apenas 3.000 habitantes, estabelecemos uma meta conservadora de 80 assinantes para os primeiros meses de implementação do projeto. Ficamos surpresas quando, antes mesmo de lançarmos o boletim informativo, La Voz de Guanacaste conquistou mais de 150 assinantes da Costa Rica e do exterior ”, disse Cruz Chaves. Graças a este sucesso, a equipe foi convidada para o NoForo 2020 em novembro para discutir modelos inovadores de newsletter para comunidades menores na América Latina.

Cruz Chavez disse: “Esta iniciativa tem sido tremendamente gratificante porque temos visto um meio de comunicação totalmente liderado por mulheres executar um projeto eficaz e significativo que trouxe os interesses da comunidade para a linha de frente da cobertura jornalística de Guanacaste.” 


Camila Hernández Corena é assistente de programa do ICFJ.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Leon Overweel

O programa do ICFJ, Um Caminho Digital para o Empreendedorismo e a Inovação para a América Latina, foi financiado pelo Departamento de Estado dos EUA, Bureau de Assuntos Educacionais e Culturais (ECA, em inglês).