Wearables: um sonho de distribuição de notícias

por Christopher Guess
Aug 10, 2015 em Jornalismo móvel
smartwatch-over-smartphone

É comum dizer que a pornografia é a primeira a adotar cada nova tecnologia. Dizem que a Internet não existiria sem a indústria pornô para fazer a velocidade de download mais rápida, os players de vídeo mais fáceis de usar e os navegadores mais rápidos.

O mesmo pode ser dito para revistas coloridas, VHS, TV a cabo e tantos outros (eu não acho que preciso explicar por que essas tecnologias foram vantajosas para o lado mais sórdido da mídia).

Agora, há uma nova fronteira tecnológica emergente e jornais e outros meios de comunicação estão finalmente em uma posição melhor do que os produtores de obscenidades para tirar o máximo proveito dela.

A tecnologia "wearable" (vestível) é um sonho de distribuição de notícias. Está sempre no usuário e as notificações são impossíveis de ignorar (na verdade, quimicamente viciantes). Os consumidores realmente não conseguem se controlar e leem todas as nossas notícias!

Tudo bem, isso é um pouco de exagero, mas em geral é verdade. Agências de notícias têm agora uma maneira de colocar as nossas notícias mais importantes na frente dos consumidores de uma forma que quase obriga-os a lê-las, não importa a hora do dia ou da noite.

O truque, e que deve ser feito com consideração cuidadosa, é fazer a curadoria corretamente. É fácil ignorar o telefone tocando dentro de uma bolsa ou bolso; um relógio em seu pulso não é. Quando o relógio, vibra é obrigatório virar o braço e dar uma olhada rápida.

Garantir que você diga aos usuários apenas o suficiente sem irritá-los a cada momento do dia é uma corda bamba estreita de andar. Basicamente, notificar um usuário da Apple Watch que a nova seção "Estilo" de domingo terá três páginas sobre sandálias de tiras, provavelmente, não vai ser o melhor uso de uma notificação.

Mas! Há um lugar onde essas torneiras de pings aleatórios vão brilhar, e é (meio que óbvio) notícias de última hora. Catástrofes mundiais, falhas do mercado de ações, prisões do Justin Bieber, estas são as coisas que as pessoas querem saber no momento, e a pequena tela de um relógio pode dar a maioria das informações que eles precisam rapidamente.

Além disso, significa que as organizações de notícias podem realmente trabalhar em sair na frente novamente. Em vez de um usuário verificar aleatoriamente seu telefone e ver 15 aplicativos diferentes postar a mesma coisa, a primeira organização que enviar a notificação capta a atenção.

Será preciso engenhosidade para realmente tirar proveito desta forma de distribuição de notícias. Você tem que dar ao povo o que ele quer (e talvez um pouco do que você acha que ele precisa) e para isso as sugestões têm que ser adaptadas.

Se você coordena um diário regional, é uma boa aposta que o vereador da cidade X ser preso por dirigir embriagado será muito interessante para as pessoas que vivem em X, mas desnecessário para qualquer um que vive na vila Y. Obviamente, você vai imprimir a história em todas as edições do jornal de amanhã, mas enviar uma notificação para cada leitor não traz nada de bom, mas sim mostra que o jornal não entende a realidade e pode se tornar irrelevante.

A resposta óbvia de ter pessoas indicando seus gostos quando se inscrevem é basicamente inútil. Ou as categorias são muito amplas ou as pessoas se inscrevem para tudo. Por exemplo, eu sou realmente interessado em notícias de viagens e atualizações, mas realmente, realmente, realmente, não me importo com o mais novo hotel resort. Em vez disso, eu quero ouvir sobre os novos aeroportos e que companhias aéreas estão comprando modelos Boeing e Airbus. Uma análise preditiva é uma opção muito melhor aqui.

Tomar nota do que as pessoas estão lendo depois de ler outras coisas em vários locais em vários momentos do dia significa que você pode começar a gerar um padrão do que virá a seguir (sim, como Netflix faz). Certamente não é o problema mais fácil ou mais barato para resolver, mas se fazer notificações direito é importante para você, então vale a pena contratar as pessoas para fazê-lo.

As organizações de mídia têm essa oportunidade rara. É realmente nossa para estragar. Infelizmente, a mídia tem um histórico que praticamente garante que interesses arraigados sejam um impecilho, pensando que é uma moda passageira e que iniciaremos as prensas para a edição da tarde novamente a qualquer momento.

Isso não pode acontecer. Há uma oportunidade ENORME aqui para conseguir leitores, obter seguidores, promover os anunciantes, para que as pessoas leiam as notícias finalmente em vez de artigos de listas. Se perdermos essa oportunidade, a culpa estará sobre os nossos ombros e provavelmente não teremos uma segunda tentativa.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Kārlis Dambrāns