Vai escrever um ensaio pessoal? Leia nossas dicas

por Cristiana Bedei
Feb 4, 2021 em Temas especializados
Silhueta da cabeça de uma mulher

Jornalistas buscam, encontram e cobrem histórias e, às vezes, eles próprios se tornam uma. De exposições intrigantes a ideias provocativas e memórias cruas, o ensaio pessoal (ou crônicas em primeira pessoa) é um gênero fundamental do jornalismo, desfrutando de ondas de popularidade, especialmente online.

Em 2015, um artigo da revista Slate destacou como o "complexo industrial de primeira pessoa" criou um mercado para pontos de vista pouco representados, mas alertou que sua economia poderia ser uma "força perigosa para as pessoas que dela participam". O sistema oferece uma plataforma para o que não se ouve, mas monetizar a divulgação pública da vida das pessoas – pelo menos suas partes mais ultrajantes ou terríveis – poderia encorajar uma exploração prejudicial da vulnerabilidade, ao mesmo tempo que desgasta emocionalmente os autores, deixando-os à carga das consequências.

Dois anos depois, a revista New Yorker declarou o fim do boom dos ensaios pessoais, mas em um ano como 2020, o gênero pode ter ressurgido. “O ensaio pessoal, francamente, nunca foi tão quente”, escreveu Nicki Porter, editora sênior da The Writer Magazine, em julho.

"A tendência de encomendar ensaios pessoais – que muitos disseram ter desaparecido há alguns anos – voltou e aumentou durante a pandemia", disse a jornalista freelance e editora Christobel Hastings. Por causa dos cortes no orçamento, matérias que normalmente seriam atribuídas a freelancers estão sendo escritas internamente, ela explica. Os poucos que estão sendo comissionados têm como objetivo atrair muito tráfego e maximizar as visualizações de página, incluindo ensaios pessoais provocativos com manchetes que chamam a atenção.

Geralmente vistos como uma forma de jornalistas com pouco ou nenhum contato e experiência entrarem na indústria, esses artigos profundamente íntimos podem ser libertadores e gerar uma ótima resposta dos leitores, mas representam desafios para editores e autores. É especialmente difícil quando muitos são escritos por mulheres e pessoas de grupos marginalizados devido a suas lutas sistêmicas e experiências individuais angustiantes.

“Espera-se que autores de cor, em particular, frequentemente escrevam sobre sua identidade em vez de outros interesses. É problemático”, diz Hastings.

Os jornalistas estão cada vez mais familiarizados em assumir um papel de protagonista nas redes sociais, blogs ou boletins informativos. Mas transmitir para um público potencialmente mais amplo de estranhos por meio de uma plataforma na qual eles têm menos controle representa um dilema sobre onde traçar a linha entre o empoderamento e a exploração.

"Nesta indústria, espera-se que as mulheres deem muito de si mesmas, frequentemente escavando histórias profundamente pessoais e/ou traumáticas para obter uma compensação mínima", disse Hastings, que escreveu alguns ensaios pessoais e matérias entrelaçadas com anedotas em primeira pessoa quando começou a fazer freelancer há cerca de cinco anos. "[A autora] Roxane Gay sempre fala sobre como se espera que as mulheres se 'canibalizem' por conteúdo, e isso é verdade. Há um duplo padrão enorme em jogo. As mesmas histórias são esperadas de autores homens? Raramente."

[Leia mais: Uma rede de apoio para jornalistas jovens]

 

Ansiosos para adicionar um artigo assinado ao seu portfólio, garantir um contato no setor e ganhar algum dinheiro, muitos jornalistas emergentes se pegam considerando histórias sobre eventos pessoais, relacionamentos ou opiniões. Pedimos a jornalistas experientes que compartilhassem seus conselhos com jornalistas que pensam em escrever ensaios pessoais. Aqui estão suas dicas para propor um artigo, definir expectativas e criar limites.

Considere o produto final

“Ensaios pessoais podem ser uma ótima opção quando você está começando, mas é fácil começar a escrever esses artigos sem questionar se é realmente como você quer que seu nome e seu trabalho sejam definidos”, diz Hastings. Pense bem em quanto de si mesmo deve doar e quanto deve conter, ela sugere.

"Escrever um ensaio pessoal pode parecer catártico no momento", acrescenta ela. "Mas você quer que isso viva na internet para sempre?"

Com o passar do tempo, os autores podem acabar tendo sentimentos diferentes sobre uma história pessoal de domínio público, mas, a essa altura, pode ser difícil ou até impossível removê-la do mundo digital.

Peça ajuda adicional

Não há vergonha em precisar e pedir apoio. Isso é particularmente verdadeiro se você estiver trabalhando em uma história pessoal delicada – e as redações precisam ser úteis. “Os editores devem ser solidários e cuidadosos quando os autores escrevem sobre tópicos delicados para eles”, diz Diyora Shadijanova, editora de artigos em primeira pessoa e opinião da gal-dem, uma empresa de mídia comprometida em compartilhar as perspectivas das mulheres e pessoas não brancas e não binárias. "Se você está encontrando algo difícil de escrever, é sempre bom pedir extensões de prazo ou qualquer ajuda adicional. É importante que os autores possam pedir ajuda, não importa o quão grande ou pequeno seja o pedido."

Esteja pronto para perguntas e edições

Prepare-se para algumas conversas potencialmente desconfortáveis. “Prepare-se para ficar um pouco chocado quando as edições vierem, pois podem ser feitas perguntas muito pessoais sobre um documento do Google com alterações de rastreamento”, diz a autora e editora Kate Lucey. Ela dá alguns exemplos: “Você pode expandir mais aqui sobre o desgosto? Como foi o seu choro? Onde você chorou? Foi o seu primeiro colapso nervoso?"

É crucial escolher a publicação ideal para sua pauta e ser transparente sobre os detalhes que você pode não querer incluir. Um bom veículo respeita seus limites.

[Leia mais: 4 jornalistas contam como é ser mulher no jornalismo]

Peça para aprovar o texto final

“Com ensaios pessoais, você tem todo o direito de solicitar a aprovação do texto antes da publicação”, diz Lucey. "Certa vez, uma amiga teve um ensaio pessoal editado dizendo coisas que ela absolutamente não concordava nem jamais diria, então ficou feliz por tê-lo revisado na segunda rodada de edições."

Autores, não sejam tímidos e peçam para ver a versão final de seu artigo, e editores, estejam dispostos a ceder essa aprovação final.

Saiba suas opções

Para alguns, ensaios pessoais são a opção perfeita para autoexpressão, conexão e construção de portfólio. “Mas jornalistas, especialmente mulheres, devem saber que podem escrever sobre o que quiserem, desde reportagens e artigos de opinião a matérias profundamente pesquisadas ​​e jornalismo investigativo”, diz Hastings. No entanto, ela admite que a indústria precisa fazer melhor para encorajar jornalistas de todas as origens e identidades a propor matérias diversas, e editores precisam ser proativos ao buscá-las.

“Também incentivo as pessoas a não se pressionarem para ganhar dinheiro [escrevendo sobre experiências pessoais]”, acrescenta ela. “Depois de ter garantido uma fonte estável de renda, você não é obrigado a explorar suas experiências para pagar o aluguel; então, quando chegar a hora de você querer escrever um ensaio pessoal, será por sua vontade própria.”


Cristiana Bedei é uma jornalista freelance italiana com experiência internacional. 

Imagem sob licença CC no Unsplash via Molly Belle