Sites de jornalismo científico que aceitam matérias de freelancers

porLungelo Ndhlovu
Feb 10, 2020 em Freelance
O céu noturno

Em uma era de mudanças climáticas, desafios ambientais, crises de saúde e epidemias, há uma necessidade crescente de jornalistas científicos em todo o mundo. No entanto, muitos jornalistas acham o jornalismo científico complicado, com grandes conjuntos de dados e tópicos complexos que precisam ser explicados para o público em geral.

Para Adele Baleta, jornalista científica, instrutora e consultora de mídia com sede na Cidade do Cabo, África do Sul, escrever sobre ciência pode ser um desafio, mas a recompensa vale a pena.

"Você pode conhecer cientistas que estão na vanguarda de uma descoberta, viajar para locais interessantes [e] testemunhar intervenções que mudam a vida das pessoas para melhor", disse ela, acrescentando que os jornalistas de ciência geralmente obtêm acesso a instituições e indivíduos geralmente restritos ao público.

"Através da sua redação – divulgando a ciência baseada em evidências – você pode causar impacto nas comunidades locais", acrescentou ela, lembrando aos jornalistas que é necessário escrever de forma simples para atingir um público amplo.

Baleta reconheceu que o jornalismo científico é um campo desafiador para se especializar, pois exige extensa leitura e pesquisa.

"Você não precisa ter um diploma em ciências, embora isso esteja se tornando mais importante", disse ela. "Alguns dos melhores jornalistas científicos não têm formação superior em ciências, mas o que eles têm é profissionalismo, comprometimento e uma prática de desacreditar declarações pseudocientíficas."

Na era da desinformação, os jornalistas científicos precisam se proteger da "ciência" baseada em evidências falsas ou distorcidas, que muitas vezes leva a alegações extraordinárias.

"Hoje existem muitos negadores da ciência, especialmente em torno das mudanças climáticas e vacinas, e os jornalistas de ciência precisam ter muito cuidado com eles", disse Baleta.

Para evitar informações errôneas, jornalistas científicos precisam entender métodos científicos e saber quais perguntas fazer, como investigar alegações e, o mais importante, como encontrar as fontes certas, disse ela.

[Leia mais: Diretrizes para determinar quando um estudo médico tem valor jornalístico]

 

A jornalista queniana Sophie Mbugua informa sobre mudanças climáticas, agricultura e questões energéticas. Ela observou que as reportagens científicas na África negligenciam uma série de questões críticas.

"Até as organizações que patrocinam jornalistas científicos na África se concentram em questões de saúde", disse ela. "Então descobrimos que outras questões da ciência são negligenciadas: por exemplo, mudanças climáticas, reportagens ambientais ou questões relacionadas aos oceanos."

Mbugua também acrescentou que financiadores como a Fundação Bill e Melinda Gates estão dispostos a bancar o jornalismo científico na África, para que haja várias oportunidades para jornalistas e organizações de mídia.

No entanto, mesmo que sua organização de mídia doméstica não se concentre em ciência – ou no tipo de ciência em que você está interessado –, sempre há uma chance de trabalhar como freelancer.

Para ajudar, Robin Lloyd, editora de jornalismo científico, criou um documento com uma lista de veículos que publicam matérias científicas em inglês (principalmente dos Estados Unidos e Canadá). Lloyd tem experiência em escrever para publicações como Scientific American, NPR,  e Undark, além de ensinar e orientar jovens jornalistas.

A lista, Science Media Outlets to Pitch, também inclui subseções:

Embora a lista seja composta por meios de comunicação em inglês, muitos deles na América do Norte, jornalistas internacionais não devem desanimar, pois várias aceitarão varias pautas de outros países, segundo Lloyd.

[Leia mais: Jornalistas compartilham dicas para começar uma carreira freelance de sucesso]

 

O documento inclui outras informações úteis para jornalistas, como taxas salariais, locais para encontrar fontes, oportunidades de concessão e workshops de treinamento. Há também uma lista de universidades nos EUA que oferecem treinamento em jornalismo de ciência e saúde para jornalistas ansiosos em aprimorar suas habilidades de reportagem.

"O objetivo do documento é tornar mais fácil para jornalistas científicos independentes e freelancers encontrar trabalho [e] compartilhar informações críticas para o sucesso na carreira", disse Lloyd. "Muitas vezes, é difícil obter informações, pois as pessoas relutam em compartilhar, ou de maneira mais geral, ajudar jornalistas científicos a prosperar em nossa linha de trabalho competitiva."


Imagem sob licença CC no Unsplash via Alexander Andrews