Redação Criativa para Jornal

porijnet_admin
Jun 27, 2008 em Jornalismo básico

por Edem Djokotoe

1. Introdução: Uma Revisão da Redação para Jornal de acordo com o que sabemos

Se há uma coisa que muitos jornais em todo mundo parecem ter em comum, é a aderência rígida à Pirâmide invertida como um estilo de apresentação da notícia. Os editores justificam a Pirâmide Invertida como uma maneira eficaz de informar os leitores muito rapidamente sobre o quê aconteceu, quando, onde, porque, a quem aconteceu e como, sem perder seu interesse e atenção.

Embora não haja nada intrinsecamente errado com esta abordagem, esta criou a impressão que toda a notícia tem que ser relatada no primeiro parágrafo, por isso o uso de lides resumidos.

Infelizmente, poucos editores querem colocar a Pirâmide Invertida dentro do contexto de sua história e da finalidade que pretendia servir quando foi criada. Como um estilo, a Pirâmide Invertida foi derivada do "jornalismo telegráfico", onde a notícia tem que ser resumida e despachada rapidamente antes das linhas de telégrafo ficarem obstruídas e quebrarem. Previamente, os repórteres usavam de narrativas cronológicas para informar leitores sobre o que estava acontecendo. Mas eventualmente, os proprietários de jornal e os editores sentiram que embora a ordem cronológica fosse eficiente, tendia a obscurecer os elementos mais importantes da notícia. As apresentações cronológicas significavam que os leitores tinham que esperar para ler um texto longo antes que obtivessem a essência da notícia. Sentiu-se que já que os jornais eram para ser lidos depressa, a ordem cronológica não era a melhor maneira apresentar a notícia ao leitor. A ordem cronológica pode ser boa para um novelista e historiador, mas não para o jornalista que teve que anunciar a notícia tão rapidamente quanto possível.

Este é a história da Pirâmide Invertida.

2. Respostas Editoriais para as Variáveis Necessidades do Leitor

Com o tempo, a demanda pública para a notícia começou a mudar. Os leitores quiseram matérias mais informativas nos assuntos que os interessavam e os afetavam. Quiseram artigos analíticos sobre economia, negócio e política. Quiseram críticas de jogos, música e filme. Quiseram ler sobre as experiências de viajantes como descritas em relatos de viagem. Quiseram saber que princípios seus jornais sustentavam, que valores mantinham. Quiseram que seus jornais satirizassem assuntos, pessoas, desenvolvimentos, situações. Quiseram que seus jornais entretessem com artigos engraçados. Quiseram que seus papéis lhe ajudassem a refletir e a filosofar a realidade.

Todas estas necessidades significaram que os jornais tinham que ir além da mera reportagem dos eventos. Assim eventualmente, os jornais começaram a ampliar seu conteúdo e a incorporar estilos de escrita para satisfazer as necessidades informativas das pessoas.

É por isso que quando você pega um jornal em qualquer lugar do mundo hoje, você observará que, além da reportagem de notícia em Pirâmide Invertida, há uma variedade de produtos editoriais, cada qual visando uma finalidade diferente. Estes produtos editoriais são chamados amplamente de artigos do tipo “feature” para distinguí-los de puras reportagens de notícia. Entretanto, há tipos diferentes de matérias do tipo “feature” que têm funções editoriais diferentes. Estas incluem:

• O EDITORIAL: que é basicamente um argumento editorial em que o jornal expressa sua opinião em uma matéria de interesse público, justificando-o porque tomou esta posição. O editorial é a reação do jornal à notícia e é escrito na primeiro pessoa do plural ("nós") para mostrar que é a opinião coletiva da equipe de funcionários editoriais e de uma extensão da própria ideologia do jornal.

• O PERFIL: um discernimento descritivo e psicológico sobre pessoas na notícia. Dá aos leitores uma oportunidade de saber quem são, e "ouví-los" falar com sua própria voz.

• A “FEATURE” DE NOTÍCIA: um artigo que explora assuntos que a notícia gera e que não podem ser analisados e discutidos dentro do formato de uma matéria de notícia. Idealmente, as “features” de notícia servem para tornar a notícia melhor compreendida. Visto que uma matéria de notícia responderá as perguntas “o que, quando, onde, quem, como e por que”, a feature de notícia vai além para mostrar o que tudo significa, qual é o significado por trás dos eventos e dos desenvolvimentos.

• O SITUADOR: um tipo de artigo cujo o intuito principal é descrever uma situação em que determinados eventos ocorreram como um suplemento aos relatórios sobre eventos e desenvolvimentos. Por exemplo, foi dito muito sobre a participação da Zâmbia em tráfico de armas para a UNITA. O governo angolano denunciou publicamente a Zâmbia e advertiu que agiria nos interesses de sua própria segurança. O governo zambiano, por outro lado, disse que lançou investigações para estabelecer se há alguma verdade nas acusações de que está ajudando a UNITA. De encontro ao cenário de todos estes eventos, seria necessário para um jornal, no interesse do povo zambiano que não quer uma guerra em suas mãos, avaliar ao público o estado do caso com relação aos dois países.

• O CONTEXTUAL: este tipo de artigo do tipo “feature” volta no tempo para fornecer o contexto histórico por trás da notícia. Como o situador, é publicado como uma coluna lateral, como um suplemento para tornar os desenvolvimentos atuais compreendido no contexto das realidades passadas.

Um exemplo. Chinsali foi sempre considerado uma fonte de política de oposição. Simon Mwansa Kapwepwe veio de Chinsali. Mais recentemente, um outro produto de Chinsali Dr. Nevers Mumba emergiu em cena com seu próprio tipo deoposição política. Conversando com as pessoas de Chinsali, você tem a impressão distinta que há um machado a ameaçar o governo do dia. De onde tudo começou? A resposta poderia encontrar-se com Alice Mulenga Lenshina e como o governo de UNIP lidou com o levante de Lumpa que reivindicou milhares das vidas, muitas originadas de Chinsali. Há anos desde que tudo isto aconteceu, mas as feridas se fecharam? Seria interessante descobrir.

• POR COLUNAS MARCADAS: onde o jornal confia em seus escritores estrelares ou colunistas convidados para escrever artigos opinativos ou artigos muito personalizados para quebrar com a monotonia da reportagem do jornal ou seu próprio ponto de vista. As colunas assinadas podem ser satíricas ou especializadas em uma maneira técnica, tratando de assuntos tais como medicina, lei, etc.

• RELATOS DE VIAGEM: as características deste tipo fornecem um estudo sociológico de outras culturas e povos como experienciado em curso. Essencialmente inclinados ao interesse humano, relatos de viagem focalizam aspectos incomuns, interessantes ou memoráveis da cultura de um povo, e os choques culturais que o escritor passa ao tentar se adaptar em um ambiente novo assim como em uma maneira de vida nova.

• CRÍTICA DE ARTES: produções novas no mundo das artes (isto é filme, teatro, música, livros etc..) requerem avaliação, e é este a finalidade desta. Com a crítica, o jornalista informa o público sobre estes trabalhos de arte. Entretanto, ele/ela usa de redação especial para conseguir esta finalidade.

John Hollowell explica como os jornalistas e novelistas responderam igualmente às mudanças sociais dos anos sessenta nos EUA com uma variedade de experiências em não-ficção no livro intitulado Fato & Ficção: O Jornalism Novo e o Romance de Não-Ficção. 1977. De acordo com ele, os repórteres que escreveram para jornais e revistas principais, e os novelistas que criaram não-ficção do tamanho do livro como alternativas à ficção, causaram duas mudanças principais no jornalismo americano. Primeiramente, afirmaram a validez da própria voz do escritor na reportagem de eventos.

Em segundo lugar, criaram uma forma narrativa escrita com cenas dramáticas com diálogo inteiramente gravado que substituiu os formatos e as fórmulas usuais do artigo de notícia.

Ou seja, a escrita que reflete a influência da ficção na organização e na movimentação narrativa mas que continua ainda como reportagens factuais dos eventos, situações e personalidades que descrevem.

Pelo que eu sei, a influência da ficção foi derivada da reação pública à palavra escrita. Uma pesquisa mostrou que enquanto as pessoas lêem romances repetidamente por seu conteúdo, estilo e técnica, elas não transferem o mesmo entusiasmo literário aos jornais. De fato, o jornal de ontem tem muito pouco interesse para muitos leitores. E assim, o jornalismo teve que reformular-se e para ser mais agradável ao leitor.

Eu penso que é muito importante que firmas editores e editores de jornal estejam cientes destas realidades. Eles têm que compreender a psicologia dos leitores a fim de servir-lhes um produto que apreciam. Infelizmente, muitos editores isolam-se de contra estas realidades, mas dizem fazer o que fazem "no interesse público". Pelo que sei, a circulação de queda do jornal não é um resultado do clima econômico pobre. É um voto de nenhuma confiança pelo público leitor de jornal que é o mesmo público que assina às publicações mais extensamente compradas na Zâmbia hoje: Drum, Thandi, You, Readers' Digest, Cosmopolitan, International Express, todas estas custam muito mais do que os jornais locais. O imposto do governo que atingiu publicações importadas não pode necessariamente parar as pessoas de comprá-las. Nem fará com que a imprensa local seja apreciada mais.

3. Fazendo Reportagem e Escrevendo para Jornais: Algumas Idéias

No que é a primeira parte de uma série de duas partes da palestra intitulada A ESCRITA CREATIVA PARA O JORNAL eu enfocarei principalmente na matéria de notícia e como melhorar a sua escrita. Eu revisitarei:

• estilo de redação de notícia

• lides básicos de notícia (e alternativas ao lide resumido)

• estrutura de um artigo de notícia

• citações e atribuições

Eu examinarei a estrutura de redação de notícia no estilo “copo de vinho”, que é uma modificação da Pirâmide Invertida. Na segunda parte desta série de palestras, eu tratarei de formas mais estilizadas de escrita.

ESTILO DE REDAÇÃO DE NOTÍCIA

O jornais servem a uma audiência em massa, e os membros desta audiência possuem capacidades diferentes, níveis diferentes de compreensão e interesses diferentes. Para transmitir a informação a esta audiência em massa, os jornalistas devem apresentá-la da maneira mais simples quanto possível.

Esta é uma das primeiras regras que todos nós aprendemos na escola de jornalismo, muito para a nossa decepção, especialmente já que muitos de nós somos atraídos ao jornalismo porque nós éramos bons em língua na escola e nossos professores de redação sentiram que nós poderíamos carvar uma carreira para nós em jornalismo impressiondo o público com nossas habilidades expressivas e palavras difíceis que nós sabemos!

Na África especialmente, onde não há nenhuma distinção entre a imprensa de qualidade (como o Times of Londen e o Observer) que serve aos leitores elitistas, esnobes, intelectuais e a imprensa popular, que cabe mais ao gosto plebeu, os jornais têm que ser todas as coisas a todos as pessoas. Assim, os jornais como o Times of Zambia e o Post são um acordo editorial, alcançando através de níveis intelectuais diferentes.

Conseqüentemente, o estilo de redação de notícia é simplista. A melhor maneira de manter a escrita simples é evitar palavras longas, estranhas. "Cerca de" faz melhor sentido do que "aproximadamente". "Fazer" é muito mais simples do que a "construir", assim como a "chamar" é muito mais preciso do que "convocar". A lista de alternativas mais simples é infinita.

As palavras longas não são os únicos obstáculos à escrita simples e concisa. A linguagem técnica e o jargão confundem a linguagem do jornal. A maioria do jargão é complicada e abstrata. A imprensa zambiana está cheia de exemplos tiradas de formas de expressão que eu escolho descrever como o "fala das ONGs". Frases como "sócios cooperantes", "sujeitos afetados", "ambiente propício". O que significa em termos menos abstratos? Isto é o que os jornalistas têm que se perguntar.

Os jornalistas também têm que se perguntar quais outras formas de expressão eles poderiam usar além dos clichês ou expressões usadas em excesso e frases de bordão que muitas pessoas usam sem pensar. 5

Expressões e frases de bordão tais como:

Benefício da dúvida; pego de mãos abanando; dura batalha; erro gritante; caixinhas de surpresa; importância vital; perda irreparável; respirar aliviaco; via de regra; visivelmente emocionado; aplausos calorosos; vitória esmagadora; em nível de

A boa escrita do jornal está na voz ativa ao contrário da voz passiva.

"Os Chefes de Estado do SADC emitiram uma declaração afirmando seu apoio para o governo de Laurent Kabila" faz mais sentido editorial do que

"Uma declaração foi emitida pelos Chefes de Estado do SADC afirmando seu apoio para o governo de Laurent Kabila"

porque deixa claro quem fez o quê (voz ativa) em vez do quê foi feito por quem (voz passiva).

O estilo de redação de notícia é preciso, particularmente na escolha das palavras. Alguns repórteres podem achar duro acreditar, mas "senhora" não é um sinônimo para a "mulher" e não deve conseqüentemente ser usado permutavelmente. "Mulher" que significa que "adulta" é muito diferente do significado de "senhora" que é "uma mulher de boas maneiras e comportamento ou de posição elevada". Em conversação, as pessoas usam "senhora" como uma referência educada a uma "mulher", mas quando se trata de redação precisa de notícia, isto deve ser evitado, porque levanta perguntas subjetivas sobre o que constitui boas maneiras e comportamento. Visto que uma palavra como "baixinho" pode ser usada como um sinônimo para a "criança" na conversação informal, não deve ser usada na escrita do jornal. Um " baixinho ", de acordo com o dicionário é "uma pessoa de baixa estatura". 6

Um outro exemplo: Muito freqüentemente, as pessoas usam eufemismos, isto é, "Expressões vagas usadas no lugar das palavras mais ásperas, mais ofensivas". Mas os eufemismos, por sua natureza são indiretos e completamente inexatos. Por exemplo, um homem emprega os serviços de um trabalhador comercial de sexo. Eu recuso acreditar que os dois "fazem amor". Eles "fazem sexo" é mais exato, mesmo que algumas pessoas possam pensar que soa demasiadamente direto. "Calcinhas" e "cuecas" são mais precisos do que " roupas de baixo".

Há uma regra na redação de notícia sobre evitar adjetivos no interesse da objetividade. É uma regra, acredito, que deve ser aderida porque ajuda o jornalista a se manter aos fatos e evitar colorir estes com opinião. "O goleiro salvou o pênalti brilhantemente" escreveu no repórter. Eu não estou certo o quê constitui "brilhantemente ". Poderia ser que o chute ao gol foi fraco ou mal feito. O que quer que seja a situação, a bola não entrou na rede. Este é o valor de verdade, ou o fato, se você gostar. Quando os jornalistas escrevem sobre "homens lindos" e "mulheres bonitas", estão fazendo julgamentos de valor sobre coisas que não são qualificados a fazer, porque a qualidade da beleza é relativa. É por estas razões que as regras de redação de notícia requerem que jornalistas se restrinjam aos fatos e deixem de fora suas opiniões.

LIDES BÁSICOS DE NOTÍCIA

A parte mais importante de toda a história noticiosa é o lide ou a introdução porque é o lugar onde o leitor deve ser confrontado com a notícia. Tradicionalmente, o lide resume a história inteira de modo que os leitores possam se decidir em um olhada se querem a ler ou não. Desta maneira, os leitores não têm que desperdiçar nenhum tempo ou esforço lendo algo que não os interessa.

Fred Fedler escreve em seu livro, Reporting For The Print Media/ Relatando para a mídia imprensa (1989):

Antes que os repórteres possam escrever um lide eficaz, devem primeiramente aprender a reconhecer a notícia do tipo “e daí”. Lides que falham em enfatizar a notícia... não podem ser usados, não importando se estão bem escritos. Após decidir-se sobre que fatos são os mais noticiosos, um repórter deve então fazer um sumário daqueles fatos em sentenças afiadas, claras.

Para determinar que perguntas são as mais importantes para uma matéria que pediram para você escrever, considere os seguintes pontos:

(i.) qual é a informação mais importante, qual é o ponto principal da história?

(ii) o que aconteceu ou qual ação foi tomada?

(iii) qual fato é mais provavelmente afeta ou interessa os leitores?

(iv) quais fatos são mais incomuns?

Com base nestas perguntas, considere o valor da notícia do lide da matéria que apareceu no Times of Zambia na quarta-feira, 10 de fevereiro de 1999 intitulado "Zambianos assegurados”:

A verdade será logo estabelecida sobre a muito falada venda de armas para rebeldes da UNITA em Angola, o portavoz principal do governo, Newstead Zimba disse.

Até onde eu sei, se o governo não estabelecer ainda a verdade sobre a venda de armas para ba UNITA, então não há nenhuma notícia importante a relatar. Assim a "segurança" referida no título é enganadora e brutalmente inexata. O lide acima é um bom exemplo de um mal lide.

É tão ruim quanto o lide que apareceu no mesmo jornal no mesmo dia.

O suposto assassino em série foi mostrado ontem perante cinco testemunhas na Delegacia de Polícia de Woodlards mas a matéria terminou inconclusivamente já que mais testemunhas têm que ser chamadas hoje.

A semente real da notícia é contida no segundo parágrafo, que lê:

As testemunhas trazidas de Leopards Hill onde a matança mais recente do portavoz suplente, Leonard Kombe, e sua esposa ocorreu, e de Kafue e Makeni, não puderam convencer a polícia da identidade do suspeito.

Ou seja, os cinco suspeitos trazidos para identificar o suposto assassino em série não fizeram a identificação. Isto é o que o lide deveria ter dito. O segundo parágrafo deveria ter indicado que a polícia decidiu trazer mais testemunhas para lhe ajudar a identificar o suspeito.

Dos exemplos que eu citei, você percebe que algumas das fraquezas na escrita da notícia na imprensa têm a ver com a inabilidade dos jornalistas em identificar qual é a notícia e indicá-la precisamente. É por isso que é importante para jornalistas estabelecerem a informação mais importante antes que escrevam ao papel.

Um lide deve expressar algo tangível.

Estão aqui alguns exemplos que eu construí:

Kenneth Kaunda foi preso ontem e acusado de traição.

Angola ameaçou declarar guerra contra a Zâmbia por supostamente fornecer armas ao movimento UNITA de rebeldes.

TIPOS DE LIDES ALTERNATIVOS

Nem todos os lides consistem de uma sentença. De fato, há lides de múltiplos parágrafos inspirados no mundo de ficção que é usado para incorporar drama em histórias que são consideradas dramáticas demais para ser relatadas como um sumário.

Imediatamente antes da meia-noite, GanizaniPhiri disse boa noite a seus amigos e cambaleou de volta para casa pela estrada do bar Chris' Corner em Chilenje.

Ele escreveu três cartas quando chegou em casa, uma a seu pai, uma a seu melhor amigo e uma a sua noiva. A mensagem nas cartas era a mesma: adeus.

E então pôs um revólver na sua cabeça e atirou. A razão para seu suicídio não é conhecida.

Em termos de número, você poderia dizer que este lide tem três parágrafos. Em termos de efeito, este lide é chamado de lide de Interesse Suspenso porque atrasa o anúncio da notícia.

Um outro tipo de lide que os jornalistas poderiam considerar usar no interesse da variedade e do impacto é o lide de citação que, como o nome sugere, confia em uma citação direta forte e precisa.

"Este é o trabalho de meus inimigos políticos," Ministro Suplente da província de Lusaka, Sonny Mulenga, disse ontem após os conselheiros municipais, agindo em nome do Banco Comercial Nacional da Zâmbia a quem ele deve mais de K210 milhões, despejando-o de sua casa em Roma e apreedendo dois caminhões de bens de sua casa.

Eu penso que o Post devia ter usado a citação de Sonny Mulengd na reportagem contida no 10 de fevereiro de 1999, porque não é todo diab que um político culpa seus inimigos quando um banco a quem ele deve dinheiro clama sua dívida: A qualidade incomun da citação faria uma boa história.

O uso de lide do tipo Pergunta também ajuda a conduzir ao ponto principal de uma história e infudir variedade na escrita do jornal. Lides de Pergunta funcionam melhor quando são precisos e lidam com um assunto controverso..

Por exemplo:

Em que idade as crianças devem começar a aprender sobre sexo? Esta foi a pergunta que um workshop de um dia organizado pelos Ministérios da Educação e Saúde de Manchinchi Bay Lodge em Siavonga procurou dirigir-se ontem. Nem todos os editores apreciam tais liberdades editoriais. Alguns discutirão que as matérias da notícia não devem fazer perguntas, mas devem trazer as respostas. Mas você observará da pergunta que uma resposta direta não será fácil de encontrar, e isto é o que faz o ponto da matéria. Embora pareçam funcionar melhor com reportagens especiais, há ocasiões quando um jornalista pode usá-los em redação de notícia pura. Por exemplo: Se você for um fazendeiro comercial, então o orçamento 7999 apresentado pelo Ministro das Finanças, Edith Nawakwi, ao Parlamento ontem deve alegrá-lo. O orçamento removeu a taxa sobre maquinaria e entradas agriculturais com efeito imediato para revitalizar o setor rural e para torná-lo uma indústria viável. Acima de tudo, um bom lide deve ser fácil de se compreender. Deve levar a história ao leitor em termos claros e precisos. Eu espero que os exemplos dados façam apenas isto.

ESTRUTURA DE UM ARTIGO DE NOTÍCIA

Com a Pirâmide Invertida, o lide sumariza a notícia. Os parágrafos que seguem fornecem detalhes adicionais. Por exemplo, dois homens são presos e acusados de roubo por empregado. Os parágrafos subseqüentes devem estabelecer: seus nomes e identidade, o que roubaram e o valor do que foi roubado, as circunstâncias que cercam o roubo, como foram pegos, as acusações específicas contra eles, quando provavelmente aparecerão no tribunal. io

Enquanto a história se desdobra, determinados detalhes são repetidos em um esforço para consolidar os fatos. Entretanto, no estágio da edição, são estes detalhes repetidos que são cortados fnas situações quando o espaço é escasso.

A pergunta que muitos peritos modernos em redação de jornal perguntam é: por que se repitir quando a falta de espaço não permite tal luxo?

É como em parte como conseqüência desta situação, e em parte como conseqüência da necessidade de colocar o contexto e o histórico na redação de notícia para fazer a notícia menos voltada ao evento e mais voltada ao processo que a estrutura “Copo de Vinho “de apresentação de notícia foi projetada.

O Copo de vinho é uma modificação da Pirâmide Invertida. Em vez dos detalhes repetidos no fim, o jornalista trabalha no contexto e no hitórico para tornar a história melhor compreendida e para ser vista como uma parte de uma situação em vez como de um evento isolado.

Por exemplo, o Zambia Daily Mail de 10 de fevereiro de 1999 relatou que:

O Zimbábue ficou sabendo na segunda-feira que não seria permitido hospedar as finais da Copa 2000 das Nações Africanas porque não tinha cumprido com determinados alvos requeridos. O secretário geral Mustapha Fahmy da Confederação Africana de Futebol (CAF) falou em uma conferência de notícia que outras federações nacionais tinham até 10 de março para se candidatar para hospedar o maior evento do continente.

A matéria continua indicando que a aplicação do Zimbábue para hospedar os jogos foi rejeitada porque não era satisfatória. Fahmny fez uma lista de problemas com "tempo e financiamento do trabalho em estádios e com instalações para a cobertura de televisão do evento". Acrescentou que não havia nenhum compromisso por parte do governo do Zimbábue para demolir e reconstruir um quarto do estádio em Mutare.

Você observará que por uma coisa, não há nenhuma coesão entre os primeiros dois parágrafos. O lide, que é em voz passiva, não diz quem disse que Zimbábue não hospedaria a Copa 2000 da África. O segundo parágrafo cita o secretário geral de CAF, mas não lhe atribui esse anúncio. Estas falhas de lado, eu quero mostrar como a estrutura de Copo de vinho poderia ajudar a trazer o detalhe e o contexto à matéria.

As perguntas a que a matéria não se dirige: o que um país precisa ter para hospedar a Copa, de acordo com a CAF? Quantos estádios? Que estádios da qualidade? Hotéis? Uma comunicação entre locações? Instalações para televisionar todos os jogos? Segurança? Capacidade de assento em estádios? Outras amenidades?

O que Burkina Faso e outros anfitriões passados tiveram que Zimbábue não tem? Quanto Burkina Faso gastou em logística para hospedar a Copo? Os países que querem jogar suas ofertas terão tempo suficiente (10 de março este ano) para mobilizar recursos e estar pronto para hospedar as finais da Copa?

Estes detalhes, que poderiam ter sido incorporados no final da matéria, diriam ao leitor que hospedar torneios continentais de futebol não é tão fácil quanto parece. Isto é como Copo de vinho funciona.

AS CITAÇÕES E A ATRIBUIÇÃO DIRETAS

O uso das citações são uma parte inevitável do ofício de um jornalista. Apesar de tudo, os journalists obtêm muitas de sua informações das pessoas em forma de citações diretas, de citações indiretas e de citações parciais.

As citações diretas apresentam palavras exatas de uma fonte e são denotadas por aspas. As citações indiretas, ou paráfrases, por outro lado, não usam as palavras exatas da fonte, mas o sumário do jornalista sobre o que foi dito. Estes não são colocados entre aspas. As citações parciais usam as palavras chaves e as frases da declaração de uma fonte e citam estas diretamente.

Use citações diretas quando uma fonte disser algo importante, controverso, interessante ou incomum. Use-as para ilustrar o ponto, não para dizer a história inteira. O uso excessivo de citações diretas pode ser monótono. Os jornalistas devem aprender como variar sua escolha das citações.

As citações indiretas funcionam melhor quando a expressão de uma fonte não é fluida. As paráfrases ajudam a transmitir pensamentos e significados da fonte ao contrário das palavras exatas que para não ser expressado eloquently. Às vezes, citar diretamente significaria acomodar a expressão gramaticalmente incorreta da fonte. Com os paráfrases, o jornalista pode, por exemplo, omitir obscenidades do discurso de uma fonte.

Conselhos sobre atribuição

Jornalistas devem evitar atribuir declarações que relatam fatos indisputáveis, tais como

O portavoz do Conselho da Cidade de Lusaka, Daniel M'soka disse que Lusaka é a capital da Zâmbia.

A atribuição é também desnecessária nas matérias que os repórteres mesmos testemunham. Não faz sentido um repórter ir cobrir uma partida de futebol e atribuir algo que ele ou ela viu a outra pessoa. Entretanto, quando a informação lhes é dada por pessoas, devem atribuí-la a elas. Que tipo de informação os jornalistas devem atribuir?

(i) declarações de opinião. Por exemplo, se um técnico disser que sua equipe perdeu o jogo da Copa porque o time contrário usou feitiçaria para ganhar, atribua a opinião ao técnico.

(ii) todas as citações diretas e indiretas.

(iii) declarações sobre assuntos controversos. Lembre-se da controvérsia agitada pela declaração de Valentine Kayope que o judiciário foi comprometido pela UNIP porque a maioria dos juizes vêm da província oriental.

Se os jornalistas não atribuírem tais declarações, as matérias de notícia ou reportagens especiais aparentarão apresentar suas opiniões em vez das opiniões de suas fontes. A atribuição ajuda também os leitores a determinar a credibilidade das declarações relatadas pela imprensa. Os leitores podem aceitar as declarações feitas por algumas fontes mas desconfiar de outras. Por exemplo, os leitores devem considerar Alfred Zulu do ZIMT uma fonte crível para falar sobre minas terrestres quando falta obviamente a necessidade de conhecimento técnico fazer isto? Ele pode comentar sobre minas terrestres em sua capacidade individual, mas de algum modo o Post parece acreditar que ele é um enciclopédia ambulante e um especialista em todo assunto.

A colocação e a freqüência da atribuição

Uma atribuuição pode ser colocadas no começo ou no fim de uma sentença. Entretanto, nunca deve interromper um pensamento por exemplo:

"O discurso do Presidente ao Parlamento," Ntondo Chindoloma disse, "falta substância e como tal não deve ser levado a sério."

Uma citação direta deve ser atribuída somente uma vez, não importando o número de sentenças que contem. Mesmo as citações que continuam sobre parágrafos devem ser atribuídas somente uma vez.

Após atribuir informação a uma fonte, os jornalistas devem identificar essa fonte tão inteiramente quanto possível. Normalmente, os jornalistas fornecem o nome da fonte, a ocupação ou a posição e ranque e outra identificação relevante à história. Outras vezes, eles atribuem suas histórias "fontes bem informadas próximas ao presidente", "fonte de confiança na casa do Estado," "um oficial do governo de posição elevado".

O argumento é que algumas fontes não querem ser identificadas por medo de serem perseguidos pelo que dizem. Entretanto, os editores são muito críticos das matérias, particularmente as delicadas, onde as fontes não podem ser identificadas.

Em dezembro do ano passado, durante o curso de Reportagem Econômica e Financeira do ZAMCOM, um participante resolveu escrever uma matéria sobre o Fundo Presidencial e sobre o fato de que nem mesmo o Ministério das Finanças sabia quanto dinheiro estava contido nele. Ele disse que somente o Escritório do Gabinete sabia destes detalhes. Ele atribuiu a matéria a “um oficial sênior do Ministério das Finanças". Não se esforçou para ir ao Escritório do Gabinete para procurar o esclarecimento. Enquanto isto, pensou que tinha escrito uma boa matéria. Eu a joguei fora porque eu acredito que uma história que faça tais alegações deve ser atribuída e ter múltiplas fontes. Ele deveria ter ido à Secretaria da Tesouraria ou à Secretaria Permanente em Finanças e à Secretaria do Gabinete para confirmar o que tinha sido dito.

Este tipo de prática transformou-se infelizmente em norma na imprensa zambiana.

Um último ponto sobre atribuição. Jornalistas devem atribuir a informação a pessoas, não a lugares ou às instituições.

UTH disse que não tem recursos para lidar com os erupções de epidemias na cidade.

Eu não acredito que a UTH como uma instituição pode emitir tal declaração. É por isso que emprega um portavoz para fazer tais declarações em seu interesse.

4. Escrita Creativa da Notícia: Algumas Palavras Final

Em geral, as mecânicos da boa escrita levam um tempo longo para dominar, e nós todos temos que trabalhar duramente para tentar melhorar o que nós já sabemos e para pensar sobre maneiras novas de fazer coisas velhas.

Além das habilidades básicas de escrita, eu não acredito que seja possível ensinar a qualquer um como escrever. Isto foi algo que eu continuei a enfatizar em mais ou menos 10 que passei na Evelyn Hone. Você vê, cada classe de estudantes de jornalismo que eu tive insistia que tinha vindo à faculdade para "aprender como escrever". Eu ficava decepcionando-os porque eu dizia que o muito que eu poderia fazer era ensinar a minhas crianças pequenas como escrever as letras do alfabeto e melhorar sua letra, eu não poderia ensinar a qualquer um como escrever.

O que eu poderia fazer era aumentar sua consciência e sua apreciação pela boa escrita, e trazer a sua atenção às características da escrita ruim. A escrita vem de dentro. Vem da interação individual com a realidade. Todos reage à realidade de um jeito ou de outro. A única coisa é que o journalists faz uma carreira dela.

Tudo que eu tentei fazer nesta apresentação é ajudá-lo a focalizar em algumas das mecânicas da boa redação de jornal. Certamente, os confinamentes do tempo farão impossível considerar tudo isto. Mas eu espero que com tempo, você reveja suas próprias idéias sobre redação na luz do que nós fizemos aqui hoje e se dedique à melhor redação e a evitar algumas das armadilhas dos jornalistas em sua expressão.

Referências

1. Fedler, Fred. Reporting for the Print Media. 1989.

2. Hollowell, John. Fact & Fiction: The New Journalism and the NonFiction Novel. 1977.

3. Ward, Hiley. Magazine and Feature Writing. 1993.

4. Scanlan, Christopher ed. Best Newspaper Writing 1996: Winners: The American Society of Newspaper Editors Competition. The Poynter Institute for Media Studies. 1996. 16