Pistas para investigar os negócios sujos das corporações de implantes médicos

porFabiola Torres López
Dec 13 em Jornalismo investigativo
Implant Files

Dispositivos médicos defeituosos --e a falta de leis ou regulamentação-- mataram milhares de pacientes em todo o mundo e colocaram milhões em risco. No entanto, no meu país e em muitos outros, poucas pessoas sabem dos riscos. As empresas de implantes médicos e dispositivos médicos multimilionários estão envoltas em uma miríade de escândalos relacionados a conflitos de interesse, corrupção e práticas abusivas em relação aos pacientes.

É por isso que o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, em inglês) convocou mais de 250 repórteres de 36 países para lançar luz no lado sombrio da tecnologia médica.

O resultado foi o Implant Files ​​​​​ a primeira investigação global que expõe os segredos sujos da lucrativa indústria de dispositivos médicos. A equipe de reportagem, que eu orientei como parte da minha bolsa Knight do ICFJ, descobriu que esses dispositivos estavam associados a 82.000 mortes e 1,7 milhão de lesões corporais na última década.

Para reportar a história, a equipe não podia simplesmente recorrer a um banco de dados oficial e global de informações sobre alertas de segurança emitidos para dispositivos médicos defeituosos. Tal banco de dados não existia.

Portanto, os jornalistas nesse projeto desenvolveram seu próprio banco de dados com uma função de pesquisa que permite que os usuários analisem mais de 77.000 notificações relacionadas a recalls de produtos médicos e alertas de segurança dos fabricantes, emitidos em mais de 11 países.

Meu papel foi assessorar a equipe de jornalistas que trabalhava no "Implant Files" na América Latina, especialmente no MéxicoPeru, Argentina, Equador e Chile.

Aqui conto como os repórteres trabalharam nessa grande investigação:

OjoPúblico
Imagem de OjoPúblico

Mais de 1.500 pedidos de informação pública

Para o Implant Files, os repórteres apresentaram mais de 1.500 solicitações de informações públicas em 36 países e compilaram mais de 8 milhões de registros de saúde relacionados a dispositivos médicos. Esses incluíram notificações de recall, avisos de segurança e documentos legais e financeiros das empresas de tecnologia médica.

Relatórios do FDA

A equipe do ICIJ nos ajudou a obter acesso a dados de mais de 5,4 milhões de incidentes relacionados a dispositivos médicos que foram informados à Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) na última década. Nesses relatórios, médicos, fabricantes, pacientes e advogados descrevem casos em que se suspeita que um dispositivo causou ou contribuiu para uma lesão grave ou morte. Nos casos em que o dispositivo tinha um defeito operacional, os relatórios sugerem que provavelmente causaria danos se fosse usado novamente.

Documentos de agências locais

A maioria dos países latino-americanos tem sistemas frágeis de supervisão regulatória em relação aos dispositivos médicos que entram no país. As agências reguladoras locais têm relatórios à sua disposição detalhando os produtos retirados do mercado e avisos de segurança com diferentes tipos de classificações, mas essas informações nem sempre são compartilhadas de maneira oportuna ou sistemática.

Enquanto a indústria de dispositivos médicos opera em escala global, a supervisão pública não é padronizada entre os países. O mesmo produto pode ter nomes diferentes em cada país e, quando o produto ou os números de modelo serial ficam disponíveis, eles também podem variar, o que dificulta o monitoramento de dispositivos remotos através das fronteiras. Esta situação permite um problema sério: os dispositivos médicos com defeito que são retirados dos Estados Unidos e Europa são frequentemente importados para outras partes do mundo.

Bancos de dados de importações

Uma importante entrada de dados veio dos registros de importações de dispositivos médicos para a América Latina. Para acessar essas informações, utilizamos o serviço Datasur: uma ferramenta que inclui informações sobre o comércio exterior de 23 países.

No Peru, Chile, Argentina, Equador e México, organizamos um banco de dados de importações de janeiro de 2009 a outubro de 2018. Isso nos permitiu construir um segundo banco de dados a partir do qual coletamos informações sobre fabricantes, importadoras, distribuidoras, formas de transporte e os números de lote e modelo dos dispositivos que chegaram nesses países.

Algoritmos ao serviço da saúde

O ICIJ criou um algoritmo de aprendizado automático que analisou milhões de relatórios de incidentes apresentados pelos fabricantes ao FDA. Foi assim que descobrimos cerca de 500.000 relatórios da última década sobre cirurgias de explantes relacionadas a dispositivos médicos. Estes dispositivos foram associados a 82.000 mortes e 1,7 milhões de lesões corporais.

Médicos e conflitos de interesse

Alguns médicos não divulgam suas conexões com os fabricantes de transplantes, embora as opiniões médicas que eles oferecem sejam tendenciosas. A indústria de dispositivos médicos é ferozmente competitiva. Em várias ocasiões, ameaçaram a polícia, bem como autoridades financeiras e médicas em todo o mundo, revelou o ICIJ. Desde 2008, os fabricantes pagam órgãos reguladores nos Estados Unidos e em outros países pelo menos US$600 bilhões para resolver acusações de corrupção, fraude e outras violações legais.

Leia mais sobre as descobertas aqui.


Este artigo foi publicado originalmente no OjoPúblico e reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem sob licença Creative Commons de Marcelo Leal via Unsplash