Lições aprendidas sobre a pandemia no Brasil

porJennifer Dorroh
Jul 25, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
bandeira do Brasil

Em parceria com nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redação por meio de uma série de seminários online sobre a COVID-19. A série faz parte do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ.

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

No Brasil, onde a desinformação e o assédio contra repórteres fazem parte do cenário da mídia, a repórter investigativa Patricia Campos Mello está melhor preparada do que a maioria dos jornalistas para descobrir a verdade. Ela informou de zonas de guerra, cobriu a epidemia de ebola na Serra Leoa e persistiu em reportar sobre o Brasil, apesar das ameaças dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

No entanto, não é minerar dados ou fazer análise das estatísticas epidemiológicas que a jornalista da Folha de S. Paulo considera a habilidade mais importante para cobrir a pandemia de COVID-19. Em vez disso, é algo simples e humano: a empatia.

"Sempre que estou reportando, o que tento fazer é me colocar no lugar da pessoa com quem estou falando", disse ela durante um webinar do ICFJ. "Eu acho que essa é a lição que eu aprendo repetidamente."

"Quando cobrimos algo tão triste e horrível como uma pandemia, é ainda mais valioso", disse Campos Mello, que também cobriu o surto de zika no Brasil. "Antes de escrever algo, pense: 'São pessoas'. Pense nas suas famílias, no que estão passando. Eu acho que isso é a coisa mais importante.”

Na semana passada, Campos Mello ganhou o Prêmio Maria Moors Cabot da Universidade Columbia, que reconhece jornalistas e organizações de notícias com uma obra de trabalho distinta que contribuiu para o entendimento interamericano. Os juízes do Prêmio Cabot a chamaram de "um excelente exemplo de jornalista profissional que continua fazendo seu trabalho diante das adversidades".

Ela conversou com a diretora de engajamento da comunidade do ICFJ, Stella Roque, sobre sua experiência na cobertura da pandemia de COVID-19 no Brasil.

"Não atrapalhe o trabalho dos médicos e das enfermeiras, porque eles não estão lá para falar com jornalistas. Eles estão lá para lidar com uma doença que eles nem sabem como curar. Eles ainda estão tentando", disse ela.

 


Aqui estão alguns destaques adicionais da conversa:

Os desafios de reportar sobre a pandemia no Brasil

“Temos o segundo maior número de mortos por causa da COVID-19. E estamos nos aproximando de dois milhões de casos, o que significa que estamos somente atrás dos EUA, em termos da gravidade da pandemia no país”, disse ela.

"Também somos semelhantes aos EUA no sentido de que temos um presidente que minimizou a seriedade da pandemia desde o início", disse ela. “Ele também disse que [a COVID-19] não é pior do que um resfriado comum, por isso tem sido muito difícil reportar sobre a gravidade da doença e sobre todos os problemas e a falta de equipamento, falta de equipamento [protetor] pessoal e tudo mais, porque temos muitas mensagens conflitantes” de especialistas em saúde e do governo central.

[Leia mais: A perda por trás dos números: Como o jornalismo brasileiro está registrando as mortes por COVID-19]

Reportando estatísticas quando as autoridades tentam ocultá-las

Em abril, “o governo parou de publicar o número de pessoas que morreram de COVID-19 em seus canais de mídia social. E no começo de junho, eles decidiram mudar o método estatístico que estavam usando de uma maneira que acabaria omitindo parte do número de mortos. Eles só pararam com isso porque a Suprema Corte do Brasil disse que não poderia fazer isso.”

Para contornar a acumulação de estatísticas do governo, "os principais meios de comunicação do Brasil construíram um consórcio com os governos locais e fazem estatísticas paralelas e contabilidade paralela de casos. E isso é porque não podemos confiar nos números do governo. Isso mostra como está ruim."

“Como regra geral, eu sempre sou um pouco cética sobre declarações e informações do governo neste momento, porque uma pandemia é realmente um desastre para qualquer governo, não apenas no sentido humanitário... mas também a economia é muito afetada. Então você tem uma máquina de propaganda que está funcionando ao mesmo tempo, tentando manipular as mensagens. Então, acho que é um desafio para todos nós tentarmos filtrar o que é propaganda, o que é informação real e números reais.”

Como abordar as vítimas

“Quando eu estava cobrindo a pandemia de zika no nordeste do Brasil, havia um hospital que tinha várias mães com seus recém-nascidos ou, você sabe, bebês que tinham alguns meses e tinham microcefalia por causa da zika. E havia tantos jornalistas ao seu redor. E vi a cena e pensei: isso é horrível... É sempre muito difícil abordar alguém que provavelmente está passando pelo momento mais difícil de sua vida.”

“Se você perceber que a pessoa está [mesmo] um pouco desconfortável, simplesmente não faça perguntas... Isso é muito mais importante do que obter sua entrevista e pegar declarações. Quero dizer, sempre temos que ter esse tipo de empatia e pensamento, tudo bem, então esta é uma mãe que está lidando agora com um bebê com uma deficiência muito séria, em termos de microcefalia. Ou quando fomos ao hospital aqui [para cobrir a COVID-19], havia vários familiares que estavam lá esperando para ver seus entes queridos, que na maioria estavam intubados e não podiam falar. Então,  é realmente importante ser muito, muito cauteloso ao falar com essas pessoas e familiares."

Como encontrar novas histórias sobre a pandemia

Explore os ângulos da história relacionados a "o que vai mudar no mundo após a pandemia ou quando sairmos gradualmente da pandemia?".

"As histórias que lidam com a população mais pobre são frequentemente subestimadas ou não são reportadas o suficiente", disse ela. “Se você tem uma conexão de internet ruim, como tem aulas online com seus filhos? Como você distancia socialmente em uma comunidade pobre onde, você sabe, cinco, dez pessoas moram em dois quartos?

[Leia mais: Coletivo de jornalistas brasileiros checa veracidade de notícias religiosas]

Sobre o uso de equipamento de proteção individual durante as entrevistas

“Quando eu estava em Serra Leoa, não usei nenhum equipamento realmente protetor que faz você parecer um astronauta, porque é quase ofensivo para as pessoas que você está entrevistando, [você] chocalhando. Ah, eu tenho medo de você, então estou usando tudo isso. Então eu não usei nada. Eu simplesmente não toquei em ninguém. E eu mantive distância porque [seria] desrespeitoso. Eu achei que estava certo."

“Mas, novamente, o ebola não era tão contagioso quanto a COVID-19. Então, com a COVID-19, não temos realmente uma opção. Temos que usá-lo."

“Sempre que você estiver indo para um lugar onde possa encontrar pessoas infectadas ou mesmo assintomáticas, você deve usar [equipamento de proteção].”

“Quando você entrevista alguém, eles estão dando parte de seu precioso tempo para nós, às vezes, para conversar conosco sobre coisas realmente sensíveis sobre suas vidas. Portanto, é difícil ganhar confiança e não ser invasivo quando você está usando equipamento de proteção completo. Mas com a COVID-19, não temos outra opção.”

Por que a mídia está sob ataque

“Eu acho que toda instituição que questiona os governos [é alvo de ataques]. Temos vários governos populistas com uma tendência autoritária”, disse ela. Qualquer um que apresente “um obstáculo para eles, seja mídia ou ativistas independentes, ativistas de direitos humanos ou judiciário, será alvo porque o principal objetivo é desacreditar o inimigo. Nesse sentido, a mídia, sempre que não cede às pressões do governo, é vista como inimiga.”

“Há um esforço sistemático para deslegitimar a mídia tradicional, a mídia profissional. Chegou a um ponto em que os principais meios de comunicação do Brasil pararam de enviar seus repórteres para as entrevistas presidenciais porque estavam sendo atacados pelo presidente, e seus apoiadores estavam sempre gritando 'mídia falsa' ou 'comunista' ou algo do tipo.”

Sobre a necessidade de leis para combater a desinformação

“Uma coisa que acho que mudou foi que a COVID-19 fez as plataformas da internet entenderem que, quando se trata de uma doença que pode matar, não existe uma abordagem prática para moderar o conteúdo. É a primeira vez que eles rotulam ativamente o conteúdo como desinformação ou não comprovado."

“Sabemos que somente uma lei não vai resolver isso. [E] poderia acabar piorando. Vimos em alguns países que isso acaba criminalizando apenas usuários regulares da mídia social ao mesmo tempo.”

Em alguns países “não há responsabilidade nenhuma. Não é apenas uma pessoa comum que compartilha algumas notícias falsas, são organizações criminosas que estão divulgando notícias falsas e campanhas de difamação. E acho que, nesse sentido, há uma percepção entre legisladores e organizações não-governamentais de que algo deve ser feito contra a aspecto profissional disso.”

“Mas é preciso ter muita cautela para não acabar criminalizando a fala ou apenas violando os direitos à privacidade ou a liberdade de expressão. Eu acho que, neste ponto, pelo menos, há uma percepção de que isso é um problema e que algo precisa ser feito. E agora só precisamos encontrar o meio termo para não acabar com uma legislação ainda pior do que a que temos agora, que é nenhuma legislação.”

Mantendo a credibilidade e confiança do público

"Seja transparente o máximo possível", disse ela. Explique seus processos de geração de reportagem e verificação de fatos ao público, porque "talvez, se explicarmos como funciona... pode ser uma maneira de algumas pessoas recuperarem a confiança no que a gente faz".


Jennifer Dorroh é diretora sênior de programa do ICFJ. 

Imagem sob licença CC no Unsplash via Mateus Campos Felipe