Jornalistas russos trocam a TV pelo YouTube

porСофья Лопаева
Sep 21, 2020 em Jornalismo multimídia
Logo do YouTube em uma tela de computador

A versão em russo do YouTube existe desde 2007. Assim como as versões em outros idiomas da plataforma, ela foi preenchida inicialmente com conteúdo gerado pelo usuário, em sua maioria vídeos de gatos, músicas e piadas. Nos últimos três anos, entretanto, as coisas começaram a mudar à medida que jornalistas renomados começaram a se associar ao YouTube para alcançar novos públicos. O jornalismo do YouTube está evoluindo gradualmente em termos de gêneros, estilos e financiamento.

“Uma vez, nossa equipe foi para os Estados Unidos e um dos americanos que entrevistamos não conseguiu superar o fato de que estávamos filmando para um programa no YouTube. Eles ficavam nos perguntando: 'Como é isso de ter um jornalista gravando matérias para o YouTube? Que história é esse de ter quase um milhão de assinantes? Não acredito em você'”, diz Vyacheslav Varfolomeev, o produtor digital do canal Redaktsiya (Escritório Editorial) do YouTube, lançado pelo jornalista Alexey Pivovarov em março de 2019.

Varfolomeev disse que esperavam que o projeto fosse bem-sucedido, mas ninguém poderia imaginar que iria decolar tão rápido. Apenas um ano após o lançamento, Pivovarov orgulhosamente exibiu o Botão Dourado do YouTube, que é apresentado para quem tem mais de um milhão de assinantes, em sua conta do Twitter. Hoje, outros jornalistas como Yuri Dud (vDud), Irina Shikhman (Que tal conversar? [em russo]) E Xenia Sobchak também ostentam Botões de Ouro.

[Leia mais: 5 tendências de consumo de notícias globais em gráficos]

 

Por que tantos jornalistas russos estão entrando no YouTube? Um dos motivos é a falta de censura e a liberdade e oportunidade de produzir jornalismo de alta qualidade que não pode ser produzido na TV normal. As principais regras aplicáveis ​​aos jornalistas desta plataforma são internacionais e são as mesmas para todos os criadores: em particular, o fato de que a monetização de vídeos depende de seu conteúdo e da popularidade do tópico.

Dud, o pioneiro do jornalismo russo no YouTube, disse à revista GQ em uma entrevista: “A televisão na Rússia está morta para sempre”. Ele acrescentou: "[As pessoas] querem assistir a um conteúdo mais livre e menos rígido do que na TV."

Dud, ex-editor-chefe e atual vice-CEO da Sports.ru, foi a primeira pessoa a provar que há demanda suficiente por conteúdo jornalístico entre o público russo do YouTube. As pessoas estão prontas para assistir às conversas de 90 minutos que Dud, um jornalista esportivo, mantém com um grupo muito diversificado de pessoas conhecidas. Dud entrou no YouTube em 2017 para aprimorar suas habilidades de entrevista e acabou se tornando um dos blogueiros e entrevistadores mais populares da Rússia.

Quem assiste?

O conteúdo profissional do YouTube é muito procurado por usuários em todo o mundo, e os vídeos estão se tornando mais longos, mais diversificados e com qualidade superior. De acordo com dados do Deloitte, o YouTube é a plataforma mais popular da Rússia para consumo de conteúdo de vídeo, e os jornalistas se adaptam bem à produção de conteúdo profissional.

Ilya Ovcharenko, que produz vídeos para o canal Parfenon com Leonid Parfenov, aponta que no Ocidente, o público consome conteúdo de vídeo jornalístico em serviços pagos como Hulu, Netflix e Amazon Prime.

“Atualmente não temos uma TV normal onde essas coisas possam ser feitas”, disse Ovcharenko à IJNet. De acordo com uma pesquisa feita pela Deloitte, apenas 11% dos residentes na Rússia pagam por conteúdo de vídeo.

A demanda por vídeos de alta qualidade com conteúdo relevante e importante é impulsionada pelo público mais velho que vem ao YouTube. O público da plataforma está amadurecendo e eles estão começando a se interessar por tópicos mais sérios. 

[Leia mais: Entrevistas remotas: Tudo o que você precisa saber]

 

“Abrimos um novo nicho, o ‘YouTube maduro’", disse Ovcharenko. “Outros projetos 'maduros' começaram a aparecer depois de nós. Antes de nossa aparição, anunciantes de luxo, como imóveis, carros e outros enfeites, não tinham um canal no YouTube onde pudessem investir seu dinheiro. Agora eles têm.”

Aproximadamente 27% do público do canal de Ovcharenko é formado por pessoas de 35 a 45 anos, a faixa etária mais relevante para esses anunciantes.

Quais formatos de jornalismo funcionam bem para o YouTube?

Depois do programa de esportes de Dud, o gênero entrevista assumiu o controle do YouTube. Logo a plataforma viu o nascimento de projetos semelhantes com apresentadores profissionais, como Irina Shikhman do Que tal conversar?, o canal de Xenia Sobchak e o Notquitepozner de Nikolai Solodnikov. Solodnikov afirmou há dois anos que “o YouTube acabou com a TV”.

Na TV, o jornalista é prisioneiro do formato e do gênero do programa específico que o utiliza. No YouTube, o jornalista tem liberdade para escolher a forma como a história é contada, desde que o conteúdo seja bem embalado para o público escolhido. Parfenov, por exemplo, tem dois programas: um é um videoblog e o outro é a série de documentários Namedni. Shikhman, Dud e Pivovarov também fazem documentários para o YouTube.

De acordo com Varfolomeev da Redaktsiya, os organizadores do projeto acabaram mudando os formatos após o lançamento. Todos os primeiros episódios do programa tinham diferentes protagonistas e Pivovarov e o convidado se moviam, conversando ao longo do caminho. Mais tarde, porém, Redaktsiya se afastou das entrevistas pessoais e hoje cada episódio é dedicado a um tópico ou problema específico.

“Não inventamos nada radicalmente novo”, disse Varfolomeev, “mas estamos produzindo grandes histórias regularmente”.

Além de histórias de uma hora, a Redaktsiya publica um resumo de notícias semanais. O YouTube provou ser uma boa plataforma para publicação de resumos semanais. Sobchak e o editor-chefe da revista Esquire, Sergey Minaev, também produzem resumos de notícias para seus canais.

Com suas diversas oportunidades para produção de conteúdo e uma sensação de relativa liberdade, o YouTube movido a jornalismo se parece cada vez mais com a própria televisão.

“Acredito que nos próximos três ou quatro anos, o YouTube ganhará todos os mesmos formatos que a TV dos anos 90 tinha, como talk shows, minisséries e programas de entretenimento”, disse Ovcharenko. “Esta será uma televisão‘ sob demanda'."


Imagem sob licença CC no Unsplash via Szabo Viktor