Jornalistas na África e Ásia colaboram para investigar comércio ilícito de animais silvestres

porPatrick Böhler
Sep 26, 2019 em Collaborative Journalism
Pangolim

Existem tantas histórias importantes na Ásia que exigem reportagem transfronteiriça e, no entanto, a colaboração entre redações do continente tem sido escassa.

Os principais meios de comunicação se uniram às investigações renomadas do International Consortium of Investigative Journalists, mas há poucas iniciativas locais. As redações internacionais diminuíram suas redes de correspondentes e enviam repórteres para missões rápidas, enquanto repórteres locais acabam cobrindo muitas dessas histórias.

Paralelamente à Conferência Bienal de Jornalistas Investigativos Asiáticos, em Seul, em outubro passado, entrei para um grupo de jornalistas de toda a Ásia para debater como melhorar a colaboração.

O consenso foi que os jornalistas asiáticos precisavam tomar iniciativa e reportar suas próprias histórias. Nós começamos a fazer isso.

Primeiro, precisávamos encontrar um campo comum para começar. Nós rapidamente decidimos pelo meio ambiente. Esse campo precisa desesperadamente de reportagens e colaboração além-fronteiras, pois as matérias ambientais geralmente se perdem entre a agitação política e as últimas notícias do dia. É também um campo em que poderíamos colaborar facilmente, considerando suas dimensões regionais e internacionais e o nível de conhecimento local necessário.

A partir de então, estreitamos ainda mais nosso foco e escolhemos o pangolim.

Este mamífero bastante fofo e ameaçado de extinção está entre os mais traficados no mundo. Alimentado pela demanda principalmente da China, seu valor comercial ilegal rivaliza com o dos chifres de marfim ou rinoceronte. As autoridades portuárias asiáticas confiscaram toneladas de suas escamas nos últimos meses.

"Aproximadamente 50 toneladas de escamas ilegais de pangolins africanos foram apreendidas globalmente nos últimos quatro meses", estima Peter Knights, CEO do grupo de defesa WildAid. "Em remessas que contêm pangolins e marfim, as escamas de pangolim agora superam o volume de marfim."

As apreensões geraram reportagens baseadas em comunicados de imprensa da alfândega na mídia local e internacional. A triste verdade, no entanto, é que poucas organizações de notícias têm recursos e mão de obra para investigar essas apreensões.

E é uma prioridade para ninguém. Então, nós fizemos a nossa prioridade.

"Nosso principal argumento foi o quão pouco sabíamos sobre esses animais delicados", disse Kunda Dixit, editor-chefe do Nepali Times. "Se, como jornalista ambiental, eu sabia tão pouco, é natural que o público em geral tenha muito pouco conhecimento sobre os pangolins."

 

The journalists' investigations include uncovering smuggling routes used in the pangolin trade, and "saving" several lucky pangolins. Photo: Elroi Yee/R.AGE
As investigações dos jornalistas incluem descobrir rotas de contrabando usadas no comércio de pangolins e "salvar" vários pangolins sortudos. Foto: Elroi Yee/R.AGE

 

Logo após Seul, fechamos o financiamento da ADM Capital Foundation, um doador de Hong Kong. Eles forneceram o financiamento inicial por meio de uma concessão para gastos de treinamento e reportagem. Não existem muitas fundações na Ásia dispostas a patrocinar jornalismo difícil e fora do radar, por isso tivemos sorte por eles correrem esse risco.

Com esse apoio, criamos o Global Environmental Reporting Collective em janeiro, um grupo de repórteres e editores em sete redações interessados em trabalhar juntos em questões ambientais. Nós nos consideramos uma startup, impulsionados pelo desejo de produzir esse pacote de reportagem como um teste de conceito e metodologia.

Desde então, expandimos para 14 redações na África, Ásia e Europa. Hoje, nossa equipe de 34 pessoas inclui especialistas em mídias sociais, repórteres de dados e editores de texto. As adições mais recentes à redação incluem a Shan Herald Agency for News em Mianmar, ThaiPublica na Tailândia e o Rappler nas Filipinas.

Além disso, o comitê editorial é composto por alguns dos editores mais experientes da Ásia (e eu): Dixit, Ying Chan em Hong Kong, Wahyu Dhyatmika do Tempo na Indonésia e Sherry Hsueh-Li Lee  do The Reporter em Taiwan.

Enquanto editores, inclusive eu, trabalhamos pro bono, pagamos algumas bolsas modestas a jovens repórteres independentes e cobrimos algumas despesas de reportagem para todos os repórteres.

Pagamos com base nos projetos para editores, veteranos de primeira linha do New York Times e da TIME, para fornecer suporte editorial adicional. Também construímos ativos de reportagem compartilhados, como mapas e conjuntos de dados sobre ensaios e apreensões de contrabando, para ajudar todos os parceiros e outras organizações de mídia interessadas em cobrir o comércio.

Esse modelo de despesa nos permitiu alavancar nosso financiamento para produzir um projeto global.

Quando começamos em janeiro, começamos as discussões online. Começamos pedindo a todos os repórteres que escrevessem um artigo explicativo sobre o comércio em seu país. Criamos um grupo Slack e trabalhamos coletivamente em documentos e planilhas do Google. Realizamos duas teleconferências todos os meses no Zoom.

Em abril, nos preparamos para nos reunir em Colombo, Sri Lanka, para cobrir a CITES CoP, a reunião global patrocinada pelas Nações Unidas com os principais funcionários e especialistas em conservação. Queríamos lançar nosso site, The Pangolin Reports, lá e dizer a esses especialistas que estamos aqui para cobrir esta história. Nossos planos foram interrompidos pelos terríveis ataques terroristas que levaram os organizadores a adiar a reunião.

Remarcamos a reunião em Hong Kong no final de maio, onde os repórteres debateram histórias, receberam treinamento em reportagem de dados e conheceram especialistas em conservação. Ao comparar nossas anotações, no entanto, percebemos rapidamente que não seria fácil fazer reportagens sobre os aspectos globais do comércio.

"Como em todas as matérias de investigação, nem todas as pistas dão certo", lembrou Kunda Dixit, do Nepali Times. "É muito frustrante encontrar tantos becos sem saída."

Finalmente, fizemos progressos.

Na Indonésia, vinculamos o comércio a traficantes de drogas. Nosso repórter chinês se uniu a um repórter vietnamita para investigar o comércio ilegal nas fronteiras entre seus dois países. Repórteres em Hong Kong, Índia, Mianmar, Malásia, Tailândia e China estão atualmente trabalhando em outros casos de contrabando. Nos Camarões e na Nigéria, conversamos com caçadores e comerciantes. Mostramos esforços bem-sucedidos em Taiwan para criar e preservar pangolins resgatados, o que poderia ser um modelo para outros países. Também mostramos falhas na preservação.

A rescued pangolin is examined by a vet at the Taipei Zoo, which is known for their global-standard expertise in pangolin conservation. Photo: Tsai Yao-Cheng (蔡耀徵)/The Reporter
Um pangolim resgatado é examinado por um veterinário no zoológico de Taipei, conhecido por sua experiência global em conservação de pangolins. Foto: Tsai Yao-Cheng (蔡耀徵)/The Reporter

 

No final de agosto, uma dúzia de nós estava no campo. Hoje, alguns de nós ainda estão em campo, conversando com caçadores, comerciantes e consumidores.

Surgiram padrões nas conversas que tivemos em mercados nos Camarões, nas delegacias da Malásia e nos portões dos fornecedores de produtos farmacêuticos no sul da China.

Nosso trabalho é publicado por parceiros de reportagem, para que nossas descobertas possam chegar às comunidades locais. Quando encerramos o projeto, sabemos que teremos treinado cerca de duas dúzias de jornalistas sobre crimes contra a vida selvagem e ajudado a lançar luz sobre esse comércio obscuro.

E, talvez, tenhamos iniciado o primeiro projeto de investigação colaborativa global da Ásia. Nas próximas semanas, discutiremos nossos próximos projetos.

Temos certeza de que nossos repórteres continuarão reportando sobre o problema. "Eu aprendi sobre pangolins e como descobrir o máximo possível sobre eles", disse Tommy Apriando, nosso repórter na Indonésia. "Aprendi como reunir informações relacionadas à caça, comércio e uso de pangolins no exterior."

"Mas o mais importante é que aprendi muito sobre colaboração, como encontrar informações dentro e fora da Indonésia e por que é importante estar conectado com colegas de outros países."


Patrick Böhler é editor executivo do swissinfo.ch, o serviço internacional da emissora pública suíça. Anteriormente, trabalhou para o New York Times, o South China Morning Post e outras publicações, e ensinou jornalismo na Universidade de Hong Kong.

Qualquer pessoa interessada em participar do Pangolin Reports pode enviar um email para contact@pangolinreports.com ou simplesmente entrar em contato com um de nós.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Ajit Huilgol.