Jornalismo profissional com smartphone parte 1: dicas para estabilizar a câmera

por Lynn Packer
Aug 10, 2015 em Jornalismo multimídia

Jornalismo com smartphone, que existe há apenas oito anos, é geralmente praticado por jornalistas de vídeo, cujas raízes remontam à época dos filmes de 16 mm nos anos 50 e 60.

Jornalistas de vídeo em todo o mundo têm agora uma ferramenta que é muito menos dispendiosa e muito mais poderosa do que as filmadoras que seus antecessores utilizaram dos anos 80 até o presente.

Muitos jornalistas também gravam vídeo com câmera reflex monobjetiva digital (DSLR, em inglês). Mas uma coisa está clara: os smartphones não só vão substituir a maioria das câmeras de consumidor da classe e DSLRs para o jornalismo, mas também irão suplantar as câmeras eletrônicas profissionais de jornalismo (ENG, em inglês) também.

Um tsunami tecnológico de smartphone está se formando agora que, quando atingir a força total, vai revolucionar o vídeo jornalístico com um dispositivo nem mesmo projetado para o fotojornalismo.

Trata-se mais do que apenas captura de vídeo. Edição de vídeo e aplicativos de reportagem ao vivo podem ser embutidos num telefone que cabe no bolso de um repórter. Isso significa que a sentença de morte já foi dada a centrais de edição de luxo e caminhões caros de transmissão ao vivo.

Então, como um repórter que nunca aprendeu a filmar e editar notícias em vídeo vai criar histórias de notícias com aparência profissional com um smartphone? Se jornalistas de vídeos vão continuar substituindo videomakers e editores de vídeo, eles precisam dominar essas habilidades.

O treinamento é um passo em direção ao profissionalismo. Há livros de fotografia de vídeo, workshops, guias online e cursos universitários.

Outro passo importante é conseguir controlar uma câmera não projetada para o jornalismo. Smartphones são uma maneira muito clara e muito difícil de aderência ao trabalho jornalístico profissional. Não têm nenhum peso e não há alças. E precisam de ambos.

Um tripé é a melhor maneira de estabilizar smartphones. Mas nenhum celular tem buracos para montagem do tripé. (A maioria dos tripés de todo o mundo usa o mesmo padrão de rosca.) Então você vai precisar de um adaptador de smartphone para tripé. O Ebay tem suportes leves, com custo de cerca de US$4.

Jornalistas devem filmar com tripés quando podem. Mas muitas vezes não há tempo ou oportunidade para configurações elaboradas. A maioria das filmagens vai só com o apoio da mão mesmo.

Um acessório fundamental para uma filmagem manual é um equipamento estabilizador de smartphones. (Todas as plataformas comerciais também têm buracos para atarraxar o tripé para montar o tripé e segurar manualmente.)

O primeiro de quatro tipos de recursos é um quadro ou suporte com uma alça única. As plataformas de alça-única fornecem um nível mínimo de controlo. Não saia de casa sem uma. Segure a alça com uma mão firmando essa mão ou o lado do smartphone com a outra mão, mantendo os cotovelos juntos ao seu tórax.

A segunda categoria é um suporte com duas alças. O iOgrapher, por exemplo, tem duas alças, bem como duas montagens frias para luzes e microfones, uma lente de montagem, além de um buraco de parafuso de tripé com rosca na parte inferior. O iOgrapher é feito de plástico ABS leve, o que é uma desvantagem em relação aos seus concorrentes mais pesados, de metal. Mas essa desvantagem pode ser facilmente remediada, anexando um peso a mais. 

Um dos competidores de metal (alumínio) do iOgrapher é a caixa mCAM. É mais pesado, mas faltam alças verdadeiras. A espessura da moldura, no entanto, serve como uma espécie de alça.

Outra vantagem da mCAM: vem com uma lente grande angular de 37 mm. A lente grande angular, por si só, tem um efeito estabilizador. É por isso que câmeras GoPro, que são normalmente utilizadas em movimento, têm lentes grande-angulares extremas. E é também por isso que é difícil conseguir filmagens estáveis com uma lente teleobjetiva sem o uso de um tripé.

Steadicam é o terceiro tipo de recurso estabilizador. (Steadicam, como Kleenex, é o nome de uma marca, mas eu uso como termo para referir a todas as marcas, cuja maioria usa suporte por cardan e contrapesos.)

Vários fabricantes oferecem steadicams de smartphones. Eles são muito legais, mas têm utilidade limitada para o jornalismo eletrônico. São relativamente caros, requerem muita prática, tomam muito espaço na sua caixa de acessório, e raramente são necessários para a reportagem. São mais adequados para filmagem de filmes e comerciais.

O quarto recurso para estabilizar filmagens é o suporte de ombro. Este reproduz o olhar e a sensação de câmaras de vídeo profissionais que normalmente são filmadas a partir do ombro. Operadores de câmera experientes que mudam para smartphones podem preferir as plataformas de ombro. Jornalistas de vídeo, a curto prazo, pelo menos, parecem mais profissional usando um suporte de ombro.

Para jornalistas de vídeo que têm o desejo e habilidade para construir as suas próprias plataformas, eu tenho um guia gratuito no estilo "faça você mesmo" no meu site. Esse design tem duas características únicas não encontradas em modelos comerciais: provisão para um nível de bolha para manter a filmagem nivelada e espaço para adicionar peso para transformar o equipamento em um steadicam de baixo custo.

Confira a parte 2 para obter dicas para filmagem manual.

Lynn Packer é treinador de reportagem com smartphone e consultor para noticiários de TV e de vídeo online no mercado alemão. Seu livro Schreiben, Drehen & Schneiden— é um bom recurso para repórteres de vídeo de língua alemã que querem filmar e editar com smartphones. Está disponível como download gratuito em smartphoneberichterstattung.de.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via AshtonPal - outras imagens cortesia de Packer