Jornal dinamarquês promove responsabilidade editorial com ajuda dos leitores

por Ingrid Cobben
Feb 16, 2016 em Diversos

Um jornal dinamarquês encontrou uma maneira original de manter sua responsabilidade perante a comunidade que serve, como uma maneira de construir confiança. Não financeiramente, mas editorialmente. Erik Bjerager, CEO e editor-chefe do jornal  Kristeligt Dagblad, falou com o World Editors Forum sobre esta iniciativa.

"Um problema no jornalismo é que olhamos de forma muito crítica a todas as outras instituições da sociedade, mas não tanto para nós mesmos", disse Bjerager em uma entrevista. "Será que realmente servimos o público? E cumprimos com nossas próprias expectativas?"

Para olhar para si mesmos através dos olhos de seus leitores, Kristeligt Dagblad, um pequeno jornal sobre grandes questões da vida, criou um relatório anual autocrítico de transparência, avaliando seu próprio serviço. Foi distribuído como uma inserção para todos os leitores na última sexta-feira.

"A desconfiança nos meios de comunicação é infelizmente muito alta", disse Bjerager. Este é um problema global e, apesar de um aumento ano-a-ano em confiança nos meios de comunicação em geral, medido pelo último Edelman Trust Barometer, a confiança em jornalistas declinou realmente.

Nesse contexto, a responsabilidade editorial é um fenômeno bem-vindo. Mas não há nenhuma referência ainda. Ao contrário da contabilidade financeira, não há regras fixas ou diretrizes, explicou Bjerager.

Esse relatório é a segunda tentativa do jornal para manter sua responsabilidade editorial. Veja como o jornal fez isso:

O melhor e o pior, segundo dinamarqueses renomados 

Por que não perguntar a políticos, jornalistas, empresários, editores e professores o que pensam sobre o jornal? Sørine Gotfredsen, sacerdotisa local, escritora e jornalista, foi uma das entrevistadas notáveis da pesquisa. Aqui está o que ela disse:

  • Qual é o ponto forte do Kristeligt Dagblads? "É um jornal que tem a coragem e o foco de ir além da tirania que existe nos meios de comunicação; isto é, todas as publicações tentam ser os primeiros com a mesma notícia geral. O jornal tem a sua própria agenda e seu próprio debate e acho que isso faz com que o jornal funcione tão bem."
  • Qual é o ponto fraco do Kristeligt Dagblad? "A desvantagem do foco em ângulos éticos e existenciais é que algumas matérias podem ter um tom chato. Há artigos onde as pessoas estão autorizadas a se expressar intensamente demais. Às vezes, há muito enfoque na fraqueza e fragilidade humana antes de terminar com um sorriso no meio de lágrimas. Eu sinto falta de uma abordagem mais direta e imprudente. Conserte a sua postura e siga em frente!"

 

Publicação das pesquisas com o leitor

Kristeligt Dagblad realiza periodicamente pesquisas para verificar a satisfação do leitor. Normalmente, os resultados são usados internamente para desenvolver ainda mais o jornal. Mas para o relatório editorial, eles publicaram as respostas sob a forma de uma nuvem de palavras, indicando a) as palavras utilizadas para descrever a forma como as pessoas veem o jornal, em ordem decrescente de importância: sério, interessante, ético, sóbrio, confiável; e b) o que os leitores gostariam de ver mais: cultura, política interna, política externa, resenhas de livros, esportes.

Input dos leitores

O relatório fornece estatísticas sobre a interatividade do jornal com seu público. O jornal recebeu 1.280 cartas de leitores e publicou 745; recebeu 2.605 comentários longos e publicou 982; recebeu 903 ensaios curtos e publicou 302.

Encorajando reclamações 

Deve ser fácil reclamar sobre o jornalismo do jornal, afirma o relatório, e há um endereço de e-mail para esse propósito.O jornal também explica como levar um caso ao Conselho de Imprensa Dinamarquesa no caso de uma resposta não satisfatória. 

Número de erros

O número de erros cometidos por jornalistas está diminuindo lentamente, o relatório afirma; de 108 em 2014 para 107 correções no ano passado.

Este post foi publicado originalmente no blog do World Editors Forum e aparece na IJNet com permissão. Ingrid Cobben é editora de mídia da World Association of Newspapers and News Publishers (WAN-IFRA).

Imagem principal sob licença CC por Flickr via Hamed Saber

Imagens de Sørine Gotfredsen e nuvem de palavras capturas de tela do relatório anual do Kristeligt Dagblad