Governos latino-americanos se aproveitam da pandemia para reprimir, dizem painelistas

porAndrés Colmán Gutiérrez
Aug 4, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
barbijo

Em parceria com nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redação por meio de uma série de seminários online sobre a COVID-19. A série faz parte do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ disponível em português, inglês, francês e espanhol.

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

"Alguns governos, principalmente em países da América Latina e do Caribe, estão usando a COVID-19 como pretexto para justificar táticas de repressão e censura contra a população. É uma situação que os jornalistas devem levar em consideração e destacar", disse Louise Tillotson, pesquisadora para as Américas da organização Anistia Internacional.

Tillotson, que lidera investigações sobre discriminação de gênero, tortura, assassinato ilegal de policiais, liberdade de expressão e migração nos países do Caribe e da América Latina, participou juntamente com outros três painelistas no webinar "Censura e repressão durante a pandemia: os desafios do jornalismo”, organizado pelo Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde, pelo Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês) e pela Rede Internacional de Jornalistas (IJNet, em inglês). O seminário foi moderado por Desirée Esquivel, gerente da comunidade do Fórum em espanhol, e apoiado pela Anistia Internacional.

Desde o início da pandemia, a Anistia Internacional conseguiu registrar e documentar cerca de 60 casos de repressão contra cidadãos em países da região, detectando quatro padrões preocupantes de violações de direitos humanos no contexto da COVID-19, listados abaixo:

  1. Prisões arbitrárias de pessoas que supostamente não cumpriram quarentenas ou toque de recolher. Um exemplo extremo citado pela organização é o da República Dominicana, onde até o final de junho foram registradas 84.000 prisões de pessoas dessa classe.

  2. Tratamento humilhante e degradante da polícia em vários países. Principalmente na Venezuela, Paraguai e República Dominicana, foram vistos casos em que a polícia forçou os detidos a fazer exercícios forçados. Também foi verificado um caso em que um policial usou uma pistola de choque elétrico contra um cidadão acusado de não respeitar a quarentena.

  3. Uso excessivo da força pela polícia contra pessoas que protestam por direitos como acesso a alimentos, água e outras necessidades básicas. Um exemplo citado por Tillotson ocorreu na Venezuela, onde grupos de povos indígenas foram reprimidos pela polícia durante uma manifestação.

  4. Reclusão de pessoas em instalações do Estado sob condições desumanas para obrigá-las a se manter em quarentena diante da pandemia da COVID-19.

Carlos Mendoza Rivera, jornalista hondurenho, defensor de direitos LGBTQI+ e cofundador do The New Gay Times, concordou com seu colega que o trabalho dos jornalistas é fundamental para revelar as muitas violações dos direitos humanos que ocorrem nos países da região durante a pandemia.

"A pandemia está afetando profundamente as pessoas da comunidade LGBTQI+ em uma região que mantém várias formas de exclusão, desigualdade e violência, derivadas de uma omissão sistemática dos Estados para garantir seus direitos e responder às necessidades", afirmou Mendoza. 

Ele descreveu casos em que membros da comunidade LGBTQI+, confrontados com sistemas de saúde sobrecarregados ​​por casos COVID-19, não conseguem acessar seus tratamentos de reposição hormonal ou pessoas com diagnóstico de HIV/AIDS que não conseguem obter medicamentos retrovirais. “O contexto da pandemia coloca muitas pessoas LGBTQI em confinamento com seus próprios agressores, que geralmente são membros de sua própria família. São situações que outro olhar da imprensa pode ajudar a revelar, contando essas histórias", enfatizou.

[Leia mais: Lições aprendidas sobre a pandemia no Brasil]


A jornalista hondurenha Catherine Calderón Mercado, cofundadora do meio de investigação Contracorriente, afirmou que a crise do coronavírus tornou grosseiramente visível como alguns Estados, como os hondurenhos, violam o direito à informação.

"Quando a pandemia começou, nós jornalistas tínhamos muitos obstáculos para trabalhar. Pudemos circular, mas com muitos impedimentos de policiais e militares. Durante a cobertura da COVID-19, enfrentamos casos de repressão e ameaças. Eles não nos deixaram tirar fotos nem de lugares públicos como os parques centrais. O Instituto de Acesso à Informação, onde solicitamos pedidos de acesso à informação pública, parou de funcionar sob o pretexto da quarentena", afirmou.

Nelson Rauda Zablah, jornalista salvadorenho da mídia digital El Faro, disse que em seu país também há casos de repressão governamental e sérias limitações ao trabalho da imprensa.

“A presidência impediu que jornalistas de alguns meios de comunicação entrassem nas conferências. Os policiais detiveram jornalistas e os forçaram a apagar os materiais gravados. O próprio presidente incitou assédio e ataques às redes sociais. Eles usaram a pauta publicitária como recompensa ou punição à mídia", afirmou.

[Leia mais: Desinformação como estratégia de governo intensifica crise de COVID-19 no Brasil]

Tillotson disse que medidas repressivas dos governos não servem para proteger as pessoas durante a pandemia. "Quando a polícia detém em massa, como na República Dominicana e em outros países, ou coloca prisioneiros de consciência em prisões superlotadas, ou mantém os migrantes em centros de detenção sem medidas de separação física ou higiene adequada, eles apenas expõem mais pessoas ao vírus”, disse ele.

A pesquisadora indicou que, nessa situação, é muito importante fornecer boas informações com base em evidências e recursos adequados, buscando que as pessoas mais vulneráveis ​​possam adotar medidas de maneira voluntária e responsável, e não serem forçadas. “As evidências históricas mostram que é mais eficiente apelar à consciência como uma forma de prevenção, do que a medidas punitivas. É importante que os jornalistas ajudem a expor governos que usam a COVID-19 para reprimir ", concluiu.

Você pode assistir ao webinar na íntegra aqui (em espanhol):


Imagem sob licença Creative Commons no Unsplash via Matthias Heyde