A experiência de jornalistas que pegaram COVID-19

porAmanda Menas
May 11, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Emoji de máscara facial

Os jornalistas estão na linha de frente da pandemia, às vezes arriscando sua saúde para fornecer informações atualizadas ao público. Quando os próprios repórteres contraem o novo coronavírus, o sofrimento é físico e emocional, contam três repórteres que sobreviveram à doença, em um webinário do ICFJ.

"Acho que essa deve ser a doença mais solitária e estigmatizada da história da humanidade", disse Howie Severino a Patrick Butler, vice-presidente de conteúdo e comunidade do ICFJ, que moderou a discussão. Durante um período em um hospital nas Filipinas, Severino trabalhou com uma enfermeira para filmar um documentário em sua câmera de celular sobre a situação na linha de frente para enfermeiras e pacientes.

Os jornalistas Lola Gómez e Pete Kiehart, que também se recuperaram do novo coronavírus, também participaram da discussão. "Os editores precisam ouvir seus jornalistas para garantir que seus jornalistas se sintam bem ​​e, ao mesmo tempo, garantir que os jornalistas estejam se comportando de maneira responsável", disse Kiehart.

 

Aqui estão as principais declarações da conversa:

Sobre ficar doente e se recuperar:

  • "Como fotógrafos, não podemos trabalhar em casa. Temos que estar lá fora, tirando fotos e apresentando tudo o que está acontecendo em nossas comunidades”, disse Gómez, fotógrafa do American-Statesman de Austin. Depois de tentar fazer o teste cinco vezes diferentes, ela filmou sua experiência no hospital.
  • "A parte mais difícil para mim foi o isolamento", disse Kiehart, um fotojornalista freelancer baseado em Paris que agora está na Carolina do Norte com seus pais e namorada, que também é fotojornalista. Ele conseguiu fazer um teste imediatamente após viagens internacionais. No entanto, sair do isolamento também foi difícil, disse ele. "Meu maior medo se tornou, você sabe, infectar alguém com quem eu me preocupo, em vez da minha própria saúde."
  • Severino, repórter da Rede GMA nas Filipinas, disse que muitas vezes estava preocupado com a discriminação contra sua família depois de contrair COVID-19. “Uma médica amiga minha disse que antes, sempre que entrava em uma loja usando roupa branca de médico, ela imediatamente era respeitada”, disse ele. “Mas ela percebeu que as pessoas estavam começando a ficar longe dela e até causando dificuldades quando ela tentava entrar em lojas e em shoppings. Então eu sabia que havia essa discriminação acontecendo.”

[Leia mais: Dicas e recursos de saúde mental para jornalistas]

Sobre saúde mental:

  • "Acho que a comunidade de saúde precisa prestar mais atenção às questões de saúde mental e bem-estar mental, porque acho que isso tem um grande efeito nas chances de sobrevivência dos pacientes", disse Severino.

Sobre como se manter seguro durante reportagens:

  • Gómez recomendou os repórteres a seguir as diretrizes do CDC. "Você tem que ter cuidado extra como jornalista, porque só precisa de um só erro [para contrair o vírus]", disse ela.
  • O conselho de Kiehart é assumir que você já foi exposto à COVID-19 e tomar as devidas precauções.
  • “Distância física entre você e outras pessoas, que contraria a natureza do nosso trabalho como jornalistas visuais. Quero dizer, precisamos nos aproximar da ação”, disse Severino. "Temos que resistir a esse instinto."

[Leia mais: Conselhos para produzir vídeos jornalísticos de casa]

Sobre dicas de reportagem:

  • “[As pessoas] culpam a mídia, dizendo que a mídia está criando pânico em todos os países, o que não é verdade. Nós apenas fornecemos as notícias, e apenas damos números, e conseguimos ter todas essas informações e entregamos ao público”, disse Gómez. Seu conselho aos jornalistas é compartilhar com o público as experiências de pacientes e enfermeiras. "Se você não acredita no que os jornalistas estão vendo atualmente sobre esse vírus, acredite nas pessoas que estão contando suas histórias de hospitais, de suas casas."
  • "A mídia social é um ótimo lugar para encontrar histórias, mas não necessariamente para saber o que está acontecendo", disse Kiehart. "Se você vê algo nas redes sociais que parece louco, entre em contato com essa pessoa, e talvez seja uma história, mas talvez também seja um bot."
  • “Precisamos ter mais discernimento sobre o que escolhemos ampliar. O papel dos cientistas e profissionais médicos no compartilhamento de fatos, na apresentação de informações é mais importante do que nunca. E talvez o papel de alguns políticos deva ser minimizado em termos de como suas vozes são amplificadas na mídia, porque más informações hoje em dia não são mais apenas divertidas. Quero dizer, podem matar, disse Severino. "Nosso papel é encontrar fatos e a verdade."

Sob a responsabilidade dos diretores da redação de garantir a segurança de seus funcionários:

  • “Se você for a uma guerra, precisará de um treinamento para saber como cobrir a guerra. Ou se você tiver um desastre natural, precisará de treinamento para saber como fazer isso”, disse Gómez. "E as redações de todo o mundo precisam investir mais em [proteger jornalistas]".
  • "Também cabe aos editores garantir que os fotógrafos e jornalistas que estão saindo para cobertura sejam educados e estejam seguros", disse Kiehart.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Free To Use Sounds